Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Nacionalização depende de competitividade
A partir da esquerda: Stephan Keese, João Pimentel, Erodes Berbetz e Edvaldo Picolo (Foto: Ruy Hizatugu)

Negócios | 06/04/2015 | 16h35

Nacionalização depende de competitividade

Para montadoras comprarem localmente, fornecedores precisam oferecer mais

ALEXANDRE AKASHI, PARA AB

Aumentar os índices de nacionalização dos veículos produzidos no Brasil é uma meta constantemente perseguida, concordam os executivos de compras das montadoras que participaram do painel A Nova Dinâmica da Cadeia de Suprimentos, durante o VI Fórum da Indústria Automobilística, realizado por Automotive Business na segunda-feira, 6, no Golden Hall do WTC, em São Paulo.

Participaram do debate Edvaldo Picolo, gerente executivo de suprimentos da Volkswagen para a América do Sul, Erodes Berbetz, diretor de compras da Mercedes-Benz do Brasil, João Pimentel, diretor de compras da Ford América do Sul, e Stephan Keese, consultor e diretor da Roland Berger. O painel, coordenado por Pedro Kutney, editor da Automotive Business, apresentou o balanço de vendas de autopeças no Brasil em 2014, divulgados pelo Sindipeças. O faturamento nominal das autopeças no ano passado foi de R$ 76,7 bilhões, resultado 12,4% menor do que o estimado, uma vez que se esperava vendas totais de R$ 90 bilhões em 2014. As vendas para montadoras neste período foram de R$ 51 bilhões, resultado 17% inferior ao esperado.

Para 2015, o Sindipeças estima vendas totais de R$ 67,9 bilhões, um recuo de faturamento na ordem de 11,5% com relação a 2014, com vendas para montadoras de R$ 43,4 bilhões, decréscimo de 14,9%. Porém, as importações de peças também tendem a diminuir. A entidade espera importações de US$ 15,8 bilhões para 2015, volume 9% menor do que em 2014.

Diante deste cenário, com dólar em alta e início efetivo da rastreabilidade de autopeças, os executivos de compras da Volkswagen, Ford e Mercedes-Benz, assim como o consultor da Roland Berger afirmam que existem oportunidades para fornecedores localamente, mas há restrições. “A busca é por parceiros mais estáveis, de longo prazo e que adicionem valor”, disse Keese.

“Queremos localizar”, afirmou Picolo, da Volkswagen. “O conteúdo local exige das empresas esforço em desenvolvimento”, completou, ao informar que este ano a montadora deve comprar R$ 11 bilhões em autopeças, o mesmo volume do ano passado. O executivo acrescentou que o índice de nacionalização dos produtos gira entre 80% a 85% e há oportunidades para avançar, geradas pelo Inovar-Auto e agora, com a alta do dólar.

Na Mercedes-Benz, Berbetz confirma que 75% a 80% do que a empresa compra é feita no Brasil. “Antes da rastreabilidade já fazíamos um controle do que é comprado localmente e nestes seis primeiros meses de testes confirmamos que nosso controle era eficiente”, disse, ao revelar que o volume de compras para este ano será inferior ao de 2014, por conta da retração do mercado.

Segundo Berbetz, a empresa está sempre de portas abertas para fornecedores locais, e estuda com frequência a viabilidade de itens que no passado não eram oportunos e lembra. “É importante que o fornecedor venha com competitividade”, disse.

João Pimentel, da Ford, comentou que este ano também irá comprar menos. “Trabalhamos com uma realidade de 2,9 milhões de vendas totais, e com isso as compras devem cair entre 5% a 10%”, revelou. Apesar disso, tem expectativa de ganhar market share com o novo Ka e as picapes da Série F. Sobre a rastreabilidade, comentou que alguns fornecedores ainda têm dificuldades em saber o que deve ser destacado na nota fiscal e cobrou ações do MDIC – Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Com 20 anos de experiência na área de compras, Pimentel revela que tem utilizado como estratégia a comunização de componentes para gerar escala e conseguir comprar localmente. “Quero ter o máximo possível de peças do lado da minha fábrica, mas precisa ser competitivo”, disse.



Tags: Compras, nacionalização, autopeças, fornecedores, montadoras, Fórum da Indústria Automobilística.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência