Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 09/04/2015 | 20h10

Nissan, Renault e Mercedes farão picape juntas na Argentina

Investirão US$ 600 milhões para erguer fábrica ao lado da Renault

REDAÇÃO AB

De acordo com anúncio oficial do governo argentino no início desta semana, a Nissan terá fábrica própria no país, dentro do complexo de Santa Isabel, da sócia Renault, em Córdoba. O plano é produzir picapes médias de 1 tonelada de três marcas sobre uma mesma plataforma: a própria Nissan, que fornecerá a base da Frontier aos outros dois sócios no empreendimento, além de Renault e Mercedes-Benz - que em 2010 firmou um acordo de parceria com a Aliança Renault-Nissan. O investimento inicial é de US$ 600 milhões.

Em março, conforme adiantou Automotive Business, a Mercedes-Benz já havia anunciado a decisão de acrescentar uma picape média ao seu portfólio, com intenção de vender o modelo na Europa e América do Sul. Na mesma ocasião foi confirmado que a picape seria montada sobre a mesma plataforma de uma nova geração da Nissan Frontier. Agora, agregou-se a Renault ao mesmo projeto. Os três veículos compartilharão componentes, mas manterão as identidades visuais das marcas.

A nova fábrica terá capacidade instalada de 70 mil unidades por ano, sendo 70% para exportação, e vai gerar mil novos empregos diretos e outros 2 mil indiretos, de acordo com informações de José Luis Valls, presidente da Nissan para a América Latina, e Thierry Koskas, presidente da Renault Argentina. A picape NP300 Frontier estará exposta no Salão de Buenos Aires, em junho deste ano, e entrará em produção no fim de 2017.

Executivos argentinos das três montadoras confirmaram as informações, fornecidas inicialmente pela presidente Cristina Kirchner. Os três modelos também serão fabricados em conjunto em Barcelona, na Espanha, com objetivo de abastecer o mercado europeu e exportar para Austrália e África do Sul, com linha de montagem para 120 mil unidades anuais.

Inicialmente, a cooperação entre Daimler e a Aliança Renault-Nissan previa troca de tecnologias fabricação de carros compactos, mas em 2013 os CEOs Carlos Ghosn e Dieter Zetsche, da Renault-Nissan e Daimler, respectivamente, anunciaram que a parceria das companhias estava avançando rapidamente em nível global. Dentro do acordo está, por exemplo, o fornecimento da Renault, desde 2014, de motores diesel 1.6 aos novos Mercedes Classe C.

A fábrica da Renault em Córdoba produz há 60 anos e faz hoje os modelos Clio e Fluence (exportados para o Brasil) e Kangoo. Em breve a unidade fará também Logan, Sandero e Sandero Stepway, em investimento de US$ 100 milhões da francesa anunciado no mês passado.

RENAULT OROCH É OUTRA

A produção da picape média multimarca na Argentina não anula o projeto da Renault de lançar, no segundo semestre deste ano, uma picape derivada da mesma plataforma do Duster, que foi apresentada como o conceito Oroch no Salão do Automóvel de São Paulo, em outubro passado. O modelo será um pouco maior do que as picapes derivadas de automóveis produzidas por diversos fabricantes no Brasil, mas menor do que as médias de 1 tonelada.

Ainda não ficou explicado, contudo, o que acontecerá com a produção da Nissan Frontier no Brasil, desde 2000 feita dentro da fábrica de veículos comerciais da Renault em São José dos Pinhais (PR).



Tags: Mercedes, Mercedes-Benz, Renault, Nissan, Daimler, picape, pick-up, Carlos Ghosn, Dieter Zetsche.

Comentários

  • Antonio Marcos Santiago

    Não vejo onde estar a competitividade das marcas neste projeto, comparar o que? Os motores ou apenas o designer?

  • luiz Antonio Sequeira Ranmos

    Bom dia, Gostaria de saber quando estará disponível para venda da nova picape da mercedes.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência