NOTÍCIAS
14/04/2015 | 18h25

Lançamentos

JAC Motors começa a vender T6 por R$ 69.990

Primeiro SUV da marca tem porte de ix35 e preço pouco acima do EcoSport


MÁRIO CURCIO, AB

Carroceria do T6 mede 4,47 metros
Com um atraso de quatro meses, a rede JAC começa a vender o T6, primeiro utilitário esportivo da marca no Brasil. Equipado com motor 2.0 flex que produz até 160 cavalos com etanol, ele chega com preço inicial de R$ 69.990, mesmo valor previsto durante o Salão do Automóvel de 2014. O câmbio é sempre manual de cinco marchas. Há dois pacotes de equipamentos que elevam os preços para R$ 71.990 e R$ 75.670.

“A versão mais completa responderá por 90% das vendas”, afirma o presidente da JAC Motors do Brasil, Sérgio Habib. “Ao todo venderemos 3,6 mil T6 até o fim do ano (...) O segmento dos SUVs vem crescendo no Brasil. Em 2014 foram 300 mil unidades. Os três lançamentos recentes (Honda HR-V, Jeep Renegade e Peugeot 2008) devem elevar esse número para 365 mil unidades em 2015. Os T6 que venderemos equivalem a cerca de 1% disso”, diz Habib.

As 3,6 mil unidades do T6 que a empresa quer emplacar equivalem a 75% da quota de 4,8 mil carros livres dos 30 pontos porcentuais extras de IPI (Imposto sobre Produtos industrializados) que ela pode trazer em 2015. “Tenho carros em estoque; poderei vender 7 mil unidades este ano”, diz Habib.

O preço básico do novo modelo é semelhante ao do Ford EcoSport 1.6 Freestyle e do Renault Duster 1.6 Dynamique, versões equipadas com câmbio manual assim como o novo JAC. Mas os 4,47 metros de comprimento do T6 tornam seu espaço interno e porta-malas comparáveis aos de modelos de cerca de R$ 100 mil como o Kia Sportage e o Hyundai ix35. Mas estes oferecem câmbio automático.

ESQUECERAM DO COURO

O T6 vem equipado desde a versão de entrada com ar-condicionado digital, faróis com ajuste elétrico de altura, travamento automático das portas a 15 km/h, vidros, travas e retrovisores com acionamento elétrico, som com rádio e CD/MP3 player, volante multifuncional, banco do motorista e direção com ajuste de altura.

O primeiro pacote, aquele de R$ 71.990, adiciona barras longitudinais no teto, detalhes externos cromados e retrovisores pintados da cor do carro e com rebatimento elétrico. O segundo conjunto, de R$ 75.670, soma a estes itens a câmera de ré e o kit multimídia Mirror Link. Não há bancos de couro nem controlador automático de velocidade em nenhum pacote.

ESPAÇO É A MAIOR QUALIDADE


Novo JAC tem bons itens de série, mas bancos são sempre de tecido. Porta-malas em posição normal comporta 610 litros. Banco traseiro é bipartido e rebatível.

Seja nos bancos dianteiros ou traseiros, quem anda no JAC T6 fica à vontade, sobretudo pelo espaço para movimentação das pernas e de cabeças. O porta-malas de 610 litros é outra vantagem. Como comparação, o Ford EcoSport tem 362 litros e o Renault Duster, 475 litros. O acerto das suspensões é mais macio do que a média do segmento e colabora com o conforto.

O motor 2.0 do T6 tem pouca força em baixas rotações e obriga a reduções de marcha frequentes. O câmbio é outro ponto negativo, não por ser manual, mas pelos engates secos, ruidosos. Segundo a JAC, seu novo carro atinge 186 km/h de velocidade máxima e acelera de zero a 100 km/h em 12,2 segundos.

O QUE DIZ HABIB SOBRE A FÁBRICA

Durante a apresentação do T6 aos jornalistas, Sérgio Habib, prevendo perguntas inevitáveis sobre a fábrica, afirmou: “Hoje dou graças a Deus por ainda não ter inaugurado. O início de toda operação depende muito de componentes importados. E o dólar acima de R$ 3 seria um grande problema.”

Também é verdade que Habib aguarda ansioso desde o início do segundo semestre de 2014 a liberação de um empréstimo de R$ 120 milhões aprovado pela Desenbahia, agência de fomento, para começar a erguer a unidade em Camaçari. “A coisa está caminhando”, diz sobre os entendimentos com o órgão. “Mas quando, afinal, será liberado esse dinheiro?”, perguntou Automotive Business ao executivo. “Bem que eu queria saber a resposta”, afirma presidente da JAC.

Questionado sobre a possibilidade de os chineses aplicarem o próprio dinheiro para resolver o impasse, ele afirmou: “Essa hipótese está totalmente descartada.” O fato é que agora Sérgio Habib já fala em “fim de 2016 ou início de 2017” quando o assunto é inauguração. Até pouco tempo, a previsão era para a metade do ano que vem.

Sobre o futuro carro nacional, o empresário garantiu que o projeto já está pronto e terá uma versão aventureira chamada T3, com as mesmas dimensões do hatch, mas diferenças de desenho e suspensões mais altas. “Ele será mostrado em breve no Salão de Xangai e chegará em agosto de 2016, ainda como importado, antes da produção nacional”, diz.

Antes do modelo aventureiro, a JAC passará a vender no Brasil o T5, utilitário esportivo mais próximo em tamanho ao Ford EcoSport. O motor será 1.5 flex. A previsão indica dezembro deste ano para a versão manual de seis marchas e maio de 2016 para a opção automática CVT.

Comentários: 4
 

Ricardo
15/04/2015 | 09h41
Um pecado lançar um carro deste segmento sem incluir o Cambio Automático nem como opcional. Siceramente, faltou analisar o mercado. Quanto ao carro. Parece muito bonito.

ANTONIO LUIZ DE CARIO
15/04/2015 | 18h32
EU ACHO QUE O SERGIO HABIB, ESTA CORRETO EM FALAR QUE PRODUZIR, NO BRASIL E DIFICIL O MELHOR E TRAZER DA CHINA AINDA FICA MAIS BARATO QUE PRODUZIR NO BRASIL.

Jose Fernandes
15/04/2015 | 19h21
Sou cliente da JAC. Estudei muito a compra e as pesquisas feitas pelo Sergio na China. Comprei o J6 em 2012, mas confesso que estou um pouco triste. Não com o produto dos chineses que tem alguns pontos a melhorar, mas é um carro bom e a empresa está evoluindo. A decepção foi com os sócios ou distribuidores no Brasil - SHC. Pós-venda ruim, preços elevados das revisões, qualquer troca cobram como desgaste natural, até hoje espero um orçamento, o atendimento das oficinas e lojas como de Florianopolis é de qualidade sofrível. Tem um produto bom, mas que não surpreendeu nós clientes como dizia o Faustão. Na verdade a surpresa foi ruim.

Vinicius Siqueira
08/05/2015 | 14h31
Bem, no geral a montadora fez muita propaganda na chegada ao Brasil, após isso mergulhou na inércia, um comentário perfeito de alguém resume a montadora no país, as concessionárias parecem ter funcionários despreparados para informações diversas, no quesito peças, é lamentável, vendedores de peças desconhecem seus produtos, e má vontade em responder questões simples, que em montadoras consagradas como Ford e Gm nao há. Precisam trabalhar muito no Brasil para difundir a marca.

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 15/11/2017
Mudança na mobilidade domina discussões do Congresso SAE Brasil

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro