Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Volvo Bus trará ônibus elétrico híbrido ao Brasil
Ônibus Volvo elétrico híbrido operando em Hamburgo (vermelho e branco) e Estocolmo (vermelho e verde). Detalhe do sistema suspenso de carga rápida da bateria.

Transportes | 20/04/2015 | 21h52

Volvo Bus trará ônibus elétrico híbrido ao Brasil

Novo chassi rodará em 2016 em Curitiba e também em Bogotá, na Colômbia

SUELI REIS, AB | De Itajaí (SC)

Brasil e Colômbia servirão de laboratórios para um conceito atual de transporte público eletrificado: a Volvo fará rodar pela primeira vez na América do Sul seu novo ônibus elétrico híbrido, lançado comercialmente em agosto do ano passado, durante a feira internacional de veículos IAA de Hannover, na Alemanha. As cidades de Curitiba (PR) e Bogotá, capital da Colômbia, receberão em 2016 os primeiros veículos: a princípio, um articulado de 18 metros de comprimento e um biarticulado de 28 metros, ambos com piso alto e equipados com um conjunto formado por um motor a diesel e outro elétrico, com bateria de íon de lítio. Em Curitiba, circulará na denominada Linha Verde; já em Bogotá, ainda está em processo a definição da linha sobre a qual serão utilizados os veículos.

O elétrico híbrido é diferente do híbrido diesel-elétrico que a montadora já produz em sua fábrica de Curitiba (PR), explica Luis Pimenta, presidente da Volvo Bus América Latina: “A principal diferença está na fonte de energia: o ônibus híbrido que fabricamos no Brasil gera a própria energia por meio do motor e da recuperação de energia cinética nas frenagens, enquanto o elétrico híbrido é um plug-in, que pode ser carregado por uma rede elétrica suspensa”, disse o executivo durante o Seminário de Eletromobilidade, promovido pela montadora na sexta-feira, 17, em Itajaí (SC).

O chassi híbrido-diesel que opera no Brasil e em outros países funciona no modo elétrico apenas nas arrancadas - momento de maior ruído e queima (consumo) de combustível e, portanto, de emissões. O ônibus é sustentado neste modo até que atinja a velocidade de 20 km/h. A partir daí passa a operar com o motor a diesel. “Este modelo é ideal para rotas mais curtas, naquele anda-e-para dos centros urbanos, uma vez que a bateria é recarregada nas frenagens. Nossa tecnologia encontrou nesse conjunto a melhor relação de alto torque em baixa velocidade, já são 2 mil unidades rodando em todo o mundo, incluindo os de Curitiba”, ressalta Pimenta.

Por sua vez, o novo chassi elétrico híbrido é indicado para percursos mais longos, como os corredores de ônibus, cuja fluidez do percurso é muito maior do que os trajetos urbanos convencionais. Pimenta explica que a novidade possui a mesma característica do modelo híbrido-diesel, também pode gerar a própria carga de energia pelo motor diesel e sistema de frenagem, com o diferencial de que sua bateria pode ser recarregada por uma rede elétrica adaptada ao veículo: “Diferentemente do primeiro, este chassi pode andar no modo elétrico em um percurso de 7 a 10 quilômetros de distância. Testes reais mostraram que sua economia de combustível é de 75%, podendo chegar a 100% se houver pontos de recarga da bateria em toda a rota de 7 quilômetros”, disse.

Edward Jobson, diretor de meio ambiente da Volvo Bus, aponta outras vantagens técnicas do novo chassi: em testes realizados pela empresa entre o elétrico híbrido e um convencional a diesel, o primeiro reduziu em 30% o consumo anual de combustível, considerando a mesma rota e operando nas mesmas condições, reduzindo também em 30% as emissões. O elétrico híbrido mostrou-se ainda 30% mais rápido e, além disso, é equipado com a transmissão automática I-Shift de 12 marchas, que aumenta os ganhos de economia em mais 5% sobre um câmbio manual para veículo Euro 5.

Jobson conta que o novo chassi elétrico híbrido já faz parte do portfólio da Volvo Bus na Europa. Hamburgo, na Alemanha, foi a primeira cidade a montar estrutura para receber o veículo, em parceria com as empresas Siemens e ABB, que criaram uma interface de postos de recarga suspensos que podem ser utilizados por modelos de outras montadoras. Por lá, três unidades do chassi rodam na rota 109. “A linha é um modelo do que será Hamburgo em 2020, quando a cidade pretende alcançar sua meta ‘livre de emissão’ no transporte público”, conta Jobson. A segunda cidade foi Estocolmo, na Suécia: atualmente, apenas ônibus elétricos híbridos rodam na rota 73, como parte do programa ZeEUS (sistema de ônibus urbano com emissão zero). O ônibus também opera em Luxemburgo.

O executivo reforça que o ônibus elétrico híbrido é a evolução do híbrido-diesel e está a um passo do 100% elétrico, cujo desenvolvimento está adiantado. Ainda este ano, a empresa testará sua primeira frota comercial 100% elétrica: “Em junho próximo, faremos rodar os primeiros ônibus totalmente elétricos em Gotemburgo (Suécia). A ideia é que eles sirvam o público quando a cidade receber mais uma das etapas da regata Volvo Ocean Race”.

BARREIRAS

Toda esta tecnologia obviamente tem um custo – e bem mais alto que um ônibus convencional movido a combustão. “No Brasil, custará 50% mais do que um ônibus diesel comum, lembrando que no País não há, por enquanto, qualquer incentivo ou subsídio para este tipo de tecnologia”, afirma Pimenta, acrescentando que apenas a bateria recebeu o benefício de ex-tarifário, redução do imposto de importação concedido pela Camex, Câmara de Comércio Exterior, vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

O executivo estima que apesar do preço elevado, o ‘pay back’ do veículo, ou seja, o período em que o ônibus vai demorar para trazer retorno financeiro se dê no sétimo ano após sua aquisição, considerando que o veículo tem vida útil de 12 anos.

A adaptação de corredores para receber o elétrico híbrido é uma solução viável, defende Hakan Agnevall, presidente mundial da Volvo Bus: “A estrutura para carga rápida em linhas suspensas específicas custou de 20% a 30% menos do que se fôssemos fazer um sistema de rede elétrica em todas as rotas abastecidas com ônibus diesel. Este é o conceito do futuro: mais barato e escalonável”, afirma.

PACOTE COMPLETO

A exemplo do que já acontece na Europa, o elétrico híbrido será oferecido às cidades latino-americanas dentro de um pacote abrangente, que inclui a oferta da infraestrutura para recarga da bateria nos pontos de parada e serviços especializados de pós-venda. No caso de Curitiba, as operações serão feitas também em parceria com universidades. Pimenta diz que o projeto está sendo desenvolvido no Brasil paralelamente à Suécia, onde o elétrico híbrido já roda em uma rota própria, na cidade de Estocolmo. A previsão é de avançar para outras cidades da região, como São Paulo, Rio de Janeiro e em Santiago, no Chile.

O acompanhamento da evolução dos sistemas faz parte do PMV, Programa de Mobilidade Volvo, que visa dar suporte à gestão das cidades e apoiá-las no desenvolvimento de ações a favor da mobilidade sustentável. O programa inclui a participação da empresa no desenvolvimento dos alimentadores (recarga rápida de baterias), na gestão dos veículos via telemetria (monitoramento), treinamentos, contratos de manutenção vitalício da bateria e participação em projetos de infraestrutura para sistemas de BRT.

Assim como já acontece em Bogotá, com os 177 ônibus híbridos-diesel que rodam no sistema Transmilenio, a Volvo continuará sendo a proprietária e responsável pela bateria do motor elétrico também para o chassi elétrico híbrido. Na capital colombiana, enquanto o ônibus é comprado pelas operadoras com desconto total de 33% a partir da isenção de dois impostos concedidos pelo governo local, a bateria do motor elétrico é oferecida num sistema financeiro semelhante ao leasing.

“A bateria – de 200 kg – pertence à Volvo e é de sua responsabilidade. Com isso, o custo para o operador será zero quando houver necessidade de troca. O contrato incluirá manutenção por 12 anos, equivalente à vida útil de um veículo tradicional. Além disso, contrariamente aos motores convencionais, quanto mais ‘anda-e-para’, mais a bateria dura. Com isso, pode-se ganhar mais dois anos de vida útil, elevando para 14 anos o período de funcionamento do ônibus”, reforça Pimenta.



Tags: Volvo, ônibus, híbrido, elétrico, íon de lítio, bateria, Curitiba, Bogotá, Transmilenio.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência