Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Trabalho | 05/05/2015 | 16h47

GM afasta mais 467 metalúrgicos em São Caetano do Sul

Funcionários terão licença remunerada; outros 819 seguem em layoff

REDAÇÃO AB

A General Motors concede a partir da terça-feira, 5, licença remunerada por tempo indeterminado para 467 metalúrgicos da fábrica de São Caetano do Sul, no ABC paulista, onde são produzidos os modelos Cruze, versões hatch e sedã, Spin, Cobalt e Montana. A informação foi confirmada pela montadora, que justificou ser uma medida para “ajustar a produção à atual demanda do mercado”, segundo informa em nota.

De acordo com o vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano, Francisco Nunes, a entidade foi informada pela montadora sobre a licença remunerada durante reunião de negociação realizada na segunda-feira, 4: “Infelizmente fomos pegos de surpresa com essa notícia. Amanhã (quarta-feira, 6) teremos uma nova reunião para tentar reverter esse quadro e discutir a questão do emprego e alternativas para evitar demissões. A GM justifica que as vendas caíram 17%, antes eram produzidos 55 carros por hora e agora serão 38”, disse.

“Estamos tomando as decisões conforme a evolução do mercado. Por enquanto acreditamos que é o suficiente, mas as coisas podem mudar. Também consideramos dar férias coletivas se for necessário”, afirmou Jaime Ardila, presidente da GM South America. Segundo ele, é necessário baixar os estoques da empresa, que já atingem de 45 a 50 dias de vendas. “Não é um nível saudável, precisamos reduzir”, disse o executivo a um grupo de jornalistas na segunda-feira, 4, durante evento de comemoração da produção de 500 milhões de veículos pela GM em todo o mundo desde a fundação da companhia em 1908. Ardila avalia que o desempenho deve melhorar no segundo semestre (leia aqui), por isso a intenção é preservar a mão de obra qualificada. “Não vamos desligar quem vamos precisar”, observa.

Com a licença para 467, sobe para 1.286 o número de empregados afastados na unidade de São Caetano do Sul: outros 819 estão em regime de layoff desde 19 de janeiro, cujo prazo terminaria em 9 de abril, mas foi estendido até 9 de junho pela empresa. A GM também mantém em layoff 473 metalúrgicos na planta de São José dos Campos (SP), onde são feitos S10 e Trailblazer, além de motores, transmissões e outros componentes. Somente em Gravataí (RS), que monta Onix, Prisma e Celta, os níveis de produção em dois turnos continuam inalterados, graças ao desempenho de vendas acima da média dos modelos feitos lá.

Diferente do layoff, quando a empresa paga uma parte do salário e o governo federal, por meio do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador) paga o restante, a licença remunerada é arcada pela própria montadora. Além disso, ocorre por tempo indeterminado, enquanto o layoff tem prazo máximo de cinco meses.

A GM também abriu dois programas de demissão voluntária (PDV) entre os meses de fevereiro e março (leia aqui e aqui). O PDV aberto exclusivamente para as áreas administrativas da empresa teve a adesão de cerca de 300 funcionários, segundo a GM.



Tags: GM, General Motors, licença remunerada, metalúrgicos, layoff, trabalho.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência