Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Vendas de implementos despencam até abril

Mercado | 11/05/2015 | 15h32

Vendas de implementos despencam até abril

Queda de 39% é puxada pelo segmento de pesados, cujo volume cai pela metade

REDAÇÃO AB

As vendas de implementos rodoviários no mercado interno despencam nos primeiros quatro meses do ano: o setor apurou queda de 38,6% na comparação com igual período do ano passado, ao emplacar 30.499 unidades contra as 49.697 unidades registradas há um ano, segundo dados divulgados na segunda-feira, 11, pela Anfir, associação que reúne as fabricantes no Brasil.

O resultado global foi fortemente afetado pelo segmento de pesados – reboques e semirreboques –, cuja queda foi de 50,7% no comparativo anual, para 9,3 mil unidades, reflexo da queda de quase 40% das vendas de caminhões no período (leia aqui); no primeiro quadrimestre de 2014 este volume era de 18,9 mil.

No segmento de implementos leves, a retração, embora menor, não aliviou o cenário: foram vendidas 21,1 mil carrocerias sobre chassi, 31,1% abaixo dos 30,7 mil licenciados no ano passado.

- Veja aqui os dados da Anfir

“O ano se aproxima de sua metade e qualquer ação para ajudar a indústria precisa ser tomada com rapidez para que seus efeitos consigam reduzir as perdas no setor ainda em 2015”, afirma Alcides Braga, presidente da Anfir.

Segundo a entidade, há projetos em curso que podem representar algum alento para o setor, como o estudo de um novo pacote de investimentos em infraestrutura que prevê o leilão de três aeroportos, Porto Alegre (RS), Florianópolis (SC) e Salvador (BA), quatro trechos de rodovias e a extensão da ferrovia Norte-Sul, conforme destaca Mario Rinaldi, diretor executivo da Anfir: “Poderemos ter um movimento de recuperação da economia sem no entanto representar resultado positivo no PIB, mas apenas para reduzir as perdas”, diz.

Outras iniciativas são aguardadas pela entidade a fim de ensaiar uma retomada no setor, incluindo o programa de renovação de frota, que inclui a substituição de caminhões e implementos rodoviários antigos por modelos mais novos, pedido encaminhado pela entidade em março ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), que na ocasião também solicitou a alteração nos financiamentos de implementos rodoviários, ampliando a participação da linha Finame PSI do BNDES para até 80% do valor do bem. Hoje, a regra estipula teto de 70% do valor total financiável em caso de pequenas e médias empresas, e de 50% para grandes. Ambos os pedidos estão em estudo pelo MDIC.

Citando previsão da Confederação Nacional da Indústria, a CNI, divulgada em abril, a entidade espera retração do PIB industrial para índice abaixo do PIB nacional, com redução de algo como 3,4%.

Para o ex-presidente do Banco Central, Gustavo Loyola, que falou sobre a situação atual em evento de posse realizado pela Anfir (leia aqui), o cenário indica que o pior trimestre de 2015 foi o primeiro e, por isso, de acordo com suas projeções, até o fim do ano o nível de atividade econômica tende a crescer. Segundo ele, há movimentos por parte do governo federal no sentido de movimentar os negócios.



Tags: Implementos rodoviários, Anfir, reboques, semirreboques.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência