NOTÍCIAS
15/05/2015 | 22h56

Lançamentos

Novo TT é pequeno prodígio da Audi

Carro traz sofisticação tecnológica com estreia do cockpit virtual


PEDRO KUTNEY, AB | Do Rio de Janeiro (RJ)

Quando se projeta um carro cuja principal função é divertir quem vai atrás do volante, a sofisticação tecnológica floresce livre das amarras dos custos. Sempre foi assim com o Audi TT, um pequeno esportivo para duas pessoas apresentado pela primeira vez em 1995 como um carro-conceito e lançado comercialmente três anos depois. A terceira geração do cupê, que começou a ser vendida na Europa no fim de 2014 e chega este mês às concessionárias da marca no Brasil, segue a tradição da inovação com sofisticação tecnológica. O resultado prático da evolução do pequeno prodígio da Audi é um carro ainda mais divertido de acelerar seus 230 cavalos de 0 a 100 km/h em menos de 6 segundos.

O cartão de visitas da tecnologia embarcada no novo TT está bem à frente do motorista, em uma tela de LCD de 12 polegadas que substitui o painel de instrumentos tradicional e une também as funções de navegação, conexão e entretenimento que usualmente ficam em telas instaladas no centro do painel. Como trata-se de um carro onde é possível ousar sem muito medo de errar, a Audi fez no TT a estreia mundial do chamado cockpit virtual. Velocímetro, conta-giros, computador de bordo, mapa de navegação, controles do rádio e sistema de som ficam todos dentro da tela configurável de acordo com o gosto do motorista – que pode, por exemplo, reduzir o tamanho dos marcadores de velocidade e rotação do motor para aumentar a navegação. As imagens são tão realistas que até parecem os tradicionais clusters com ponteiros físicos já usados em outros Audi.

Outra inovação do TT são os controles do ar-condicionado digital: os ajustes de temperatura, direção do ar e velocidade da ventilação estão localizados diretamente nas saídas de ar, que lembram turbinas de avião.


O painel tecnológico do Audi TT: o cockpit virtual integra os instrumentos e navegação em uma tela de LCD e os controles do ar-condicionado ficam nas saídas de ar.

LEVEZA E POTÊNCIA

Os avanços tecnológicos do TT também estão fora do alcance dos olhos. A nova geração do cupê ficou 50 kg mais leve, porque toda a chaparia externa é feita de alumínio. A estrutura do monobloco do chassi é armada com aços especiais, finos para economizar no peso, mas de média, alta e altíssima resistência – caso de algumas partes estampadas a quente.

Embaixo do capô vive um motor 2.0 muito eficiente e nervoso, que também combina as mais recentes tecnologias. Os 230 cavalos gerados pelo propulsor – a impressionante marca de 115 cv por litro – são obtidos com a ajuda de um turbocompressor de duplo estágio e uma combinação de injeção direta e indireta ao mesmo tempo: a central eletrônica de gerenciamento escolhe o regime mais eficiente dependendo da rotação e aceleraçã, para aumentar a eficiência e economizar combustível. O preciso powertrain é completado pelo câmbio S-Tronic, automático de dupla embreagem, com seis velocidades e possibilidade de trocas manuais nas aletas atrás do volante.

Com leveza e potência de sobra, o Audi TT é um foguetinho que responde rápido a qualquer leve toque do acelerador. O torque máximo de 370 Nm é alcançado a apenas 1.600 rpm – na prática, é um legítimo cola-no-banco. Por questão de segurança a velocidade máxima é limitada eletronicamente a 250 km/h. Isso porque o carro é tão ajustado que mal se sente a velocidade aumentar. Com centro de gravidade baixo, o TT entra “colado” nas curvas – mas em terras brasileiras de muitos radares e múltiplas ondulações nas pistas, é bom lembrar que abusos podem ser caros ao bolso e à saúde.

O design do TT permanece fiel às suas origens, mas ganhou refinamento graças ao aumento das possibilidades tecnológicas de construção. Sua silhueta lateral tem as linhas fluídas para vencer a resistência do ar, enquanto a avantajada grade confere a sisudez de um esportivo invocado, inspirado nas linhas do R8 e R18 (o carro de corridas da Audi). Os faróis e as lanternas full LED completam o desenho arrojado.


As belas linhas fluídas do TT

PREÇOS E VERSÕES

O TT começa a ser vendido no Brasil em duas versões, ambas bastante completas, com direção elétrica, acionamento elétrico de travas, vidros e retrovisores, sensor traseiro de estacionamento, sistema de som, ar-condicionado e cruise control com limitador de velocidade. A mais barata é a Attraction, por R$ 209.990, que tem roda de alumínio aro 18. É opcional o sistema multimídia e de navegação MMI, com memória de 10 Gb. Por R$ 229.990, o MMI com navegador vem de série na versão Ambition, equipada também com rodas aro 19 e o Audi Drive Select (sistema eletrônico que ajusta o modo de dirigir entre econômico, esportivo ou personalizado). Opcionalmente, é possível agregar sistema de som Bang&Olufsen e sensor de estacionamento dianteiro.

Para o segundo semestre está prevista a chegada de versões ainda mais caras do TT, a roadster (conversível) e a linha S, com o mesmo motor 2.0 “envenenado” para 310 cavalos.

Mal comparando, um TT pode ser comprado na Alemanha a partir de € 35 mil. Arredondando a cotação para R$ 3,50 por euro, fica perto da metade do preço de venda no Brasil. Não há dúvida sobre o potencial de diversão a bordo do TT, mas no mercado automotivo brasileiro custa caro demais se divertir.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 22/11/2017
Frota brasileira de 42 milhões exige controle apropriado

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório