Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Anfavea defende “seguro emprego” e regulamentação da terceirização
Professor José Pastore, da FEA-USP, e Roberta Yoshida, consultora da Deloitte, discursam sobre os novos desafios do RH (Fotos: Luis Prado)

Trabalho | 18/05/2015 | 12h25

Anfavea defende “seguro emprego” e regulamentação da terceirização

Setor pede flexibilização da jornada e complemento salarial do governo

SUELI REIS, AB

Diante da crise da indústria automobilística, que já contabiliza o fechamento de 15 mil vagas no primeiro trimestre na comparação com o mesmo período do ano passado, ao mesmo tempo em que mantém um dos maiores estoques dos últimos anos, a Anfavea, associação das montadoras instaladas no País, busca junto ao governo a implantação de novas medidas trabalhistas no âmbito de proteção ao emprego com o objetivo de melhorar o nivelamento entre trabalho e produção de acordo com a demanda, explica o presidente da entidade, Luiz Moan, que abriu os trabalhos do III Fórum de RH na Indústria Automobilística, promovido por Automotive Business, na segunda-feira, 18, em São Paulo. Moan gravou entrevista exclusiva para o evento.

“Enquanto o layoff afasta o trabalhador em 100% do tempo, o Plano de Proteção ao Emprego faz adaptações da demanda: se uma crise aponta redução em 20% em uma das linhas de produção da fábrica, o afastamento será proporcional, também de 20%, reduzindo o tempo de trabalho e também, proporcionalmente, o salário, que será pago parte pela empresa e parte pelo governo, algo em torno de 50% e 40%, respectivamente”, aponta Moan.

O plano, que já ganhou o apelido de “seguro emprego”, em contrapartida ao seguro desemprego no Brasil, parte do modelo praticado primeiro na Alemanha e tem se difundido para outros países - cerca de 35 a 40 nações já utilizam planos semelhantes. Segundo Moan, o plano já apresentado ao governo sofreu adaptações de acordo com a cultura e sistema de trabalho brasileiro.

LEI DA TERCEIRIZAÇÃO

Ao mesmo tempo, as montadoras também buscam outras medidas que garantam maior segurança jurídica, entre elas o apoio ao Projeto de Lei (PL) 4330, que trata da regulamentação da terceirização. Para Moan, o maior benefício da medida é a segurança jurídica, enquanto dá as diretrizes legais sobre a relação e o modelo de trabalho para os diversos tipos de operação entre a empresa contratada e a contratante: “Não é um projeto perfeito, ainda faltam ajustes; mas não acredito em grande onda de terceirização. Na regra geral, a tendência das montadoras é manter o nível e o número de empregos efetivos”, declara.

Por sua vez, José Pastore, professor de relações do trabalho da FEA-USP, alerta para a necessidade de conhecimento mais profundo da nova lei, que passou pela Câmara dos Deputados e segue para votação no Senado. “É uma ilusão afirmar que as empresas vão terceirizar tudo. Setores estratégicos e os mais importantes e confidenciais nunca serão terceirizados”, disse.

Pastore acena que o projeto de lei carece de revisão de detalhes para que não haja margem para a anulação do projeto em si, redesenho este que deverá ser feito no Senado. Ele afirma ainda que a desinformação faz com que a sociedade civil se equivoque ao deduzir que a terceirização vai precarizar o trabalho. “Pelo contrário, é para ‘desprecarizar’ o que está precarizado, porque terceirização não é uma coisa nova, ela já existe e é uma realidade entre as empresas. A regulamentação assegura direitos aos trabalhadores terceirizados que nem a CLT prevê, os mesmo direitos que os dos empregados das contratantes.”

O professor também enfatiza que as empresas vão reavaliar e analisar profundamente a necessidade da terceirizar, uma vez que com a legislação, o serviço irá encarecer. “Não haverá onda de terceirização, só vai se terceirizar o que é necessário e onde isso se mostrar vantajoso”, indica.

NOVO PAPEL DO RH

Já Roberta Yoshida, diretora de consultoria e gestão de capital humano da Deloitte, analisa que o papel do departamento de recursos humanos, diante de crises e novas realidades trabalhistas, é a de reestruturar as práticas buscando a inovação da gestão.

“É preciso ter coragem para evoluir a partir de uma revisão das práticas do departamento para fazer parte das discussões estratégicas da empresa. Nossa pesquisa anual aponta que 39% dos entrevistados, entre 3,3 mil líderes de RH de 106 países, incluindo o Brasil, enxergam como urgente a necessidade de requalificar a função do departamento, que não tem atendido de forma satisfatória a demanda.”



Tags: III Fórum da Indústria Automobilística, Anfavea, emprego, terceirização, indústria.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência