Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Trabalho | 18/05/2015 | 20h59

Sindipeças luta por desoneração

Entidade tentará manter em 1% a cobrança sobre faturamento

MÁRIO CURCIO, AB

Para permitir alguma competitividade ao setor de autopeças e lidar com a retração de mercado, o diretor de RH da Thyssenkrupp e conselheiro e diretor de relações trabalhistas do Sindipeças, Adilson Sigarini, apontou algumas soluções durante o III Fórum de RH da Indústria Automobilística, realizado por Automotive Business na segunda-feira,18, em São Paulo.

Ele recorda que em 2012 o setor de autopeças e alguns segmentos foram incluídos na desoneração da folha por causa de elevados encargos salariais e que em novembro do ano passado a Lei 13.043 tornou essa desoneração permanente. “Mas o aumento de 1% do faturamento para 2,5% (como consta no PL 863/2015) elevará os custos do nosso setor em R$ 1,2 bilhão por ano”, afirma Sigarini.

“Queremos manter o porcentual atual (1%) pel menos até o fim do ano”, diz o executivo, que teme pelo fato de o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, entender que “os reclames do mercado sejam mais urgentes que os do Sindipeças”. Por isso o caminho também tem sido o Congresso Nacional, onde o PL tramita atualmente e pode ser modificado por deputados e senadores para manter a tributação como está por mais algum tempo.

Mesmo com a desoneração, o Brasil continuará, segundo o Sindipeças, com porcentagem de encargos sociais superior à da França, Argentina e Alemanha.

Sigarini citou também a dificuldade pelas sucessivas altas do custo de vida: “Tornou-se impossível conceder o reajuste anual pela inflação mais o aumento real.”

Para proteção dos trabalhadores, Sigarini citou o modelo alemão adotado em situações de queda de mercado como a atual, em que, para evitar demissões, empresa e sindicato ajustam uma jornada de trabalho reduzida. Nesse caso, a empresa paga só as horas trabalhadas e o governo remunera parcialmente as não trabalhadas, na base de 67% para aqueles casados com filhos e 60% para os demais. A proposta do Sindipeças é implantar o modelo no Brasil. Estudos já estão avançados no governo federal e contam com apoio de patrões e sindicatos. Com isso seriam aplicados recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), reduzindo a necessidade de gastos com o seguro-desemprego.



Tags: Sindipeças, Sigarini, autopeças, III Fórum de RH da Indústria Automobilística, encargos sociais, Thyssenkrupp.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência