Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 27/05/2015 | 20h27

DPA ganha clientes com fibra natural de juta

Componentes atendem nacionalização, sustentabilidade e redução de peso

PEDRO KUTNEY E PAULO RICARDO BRAGA, AB

A DPA Moldados está colhendo bons resultados com o movimento de maior procura por autopeças nacionais entre os fabricantes de veículos instalados no Brasil, aliada à constante busca por materiais mais leves e sustentáveis para atender objetivos presentes no Inovar-Auto de nacionalização de produtos, eficiência energética, além de pesquisa e desenvolvimento. Com seus componentes feitos de fibra natural de juta na fábrica de Itupeva (SP), a empresa 100% brasileira consegue atender todas essas três demandas ao mesmo tempo; por isso vem conquistando novos clientes para fornecer apliques e estruturas de painéis de porta com grande economia de peso.

Recentemente, a DPA conquistou o fornecimento dos painéis de porta moldados com o apoio de braço para o Jeep Renegade, que começou este ano a ser fabricado em Goiana (PE). Em maio os componentes começaram a ser embarcados em duas a três carretas que seguem direto para a FMM (associação entre Faurecia e Magneti Marelli), que opera no parque de fornecedores interno da fábrica pernambucana. Lá a FMM aplica o revestimento em tecido ou couro sintético (vinil). Até então a Fiat Chrysler Automobiles (FCA) estava usando as peças importadas da Itália, feitas de woodstock (30% de pó de madeira e 70% de plástico). Além da redução de custo obtida com a nacionalização, o componente da DPA feito com fibra de juta ficou 52% mais leve, ou 1,3 kg a menos por carro produzido – as estruturas dos quatro apoia-braços pesam juntas 1,44 kg, contra 2,75 kg do material usado anteriormente.

Fundada em 1998 para fornecer à indústria automotiva peças moldadas para acabamento interno, dutos de ar e isoladores termoacústicos, a DPA já vende seus componentes de fibras naturais para outros veículos além do Jeep Renegade, como apliques para o painel do Fiat Uno e medalhões de porta para a picape Volkswagen Amarok produzida na Argentina. Outro cliente é a Kia, que adquire revestimentos de teto para o Bongo montado no Uruguai. Outro potencial cliente em negociações é a General Motors.

Os componentes de fibra natural chegam a pesar 40% menos que os constituídos exclusivamente por resinas plásticas. Mas existem vantagens adicionais além da redução de peso. Segundo a DPA, é um material reciclável, requer pouca energia na termoformagem (economia de até 55%) graças à redução no tempo de aquecimento, tem boa estabilidade térmica e dimensional. “Peças produzidas com fibras naturais não sofrem deformações, contração ou empenamento e os ferramentais podem ser projetados em suas dimensões nominais”, afirma Arthur Zanetti, gerente de marketing e desenvolvimento da DPA.

Zanetti explica que, após a colheita no Pará, a juta usada na produção dos componentes é dividida em fardos. Depois de triturado, o material é misturado em partes iguais com polipropileno para a formação de véus, que passam por uma agulhadeira e são transformados em mantas e cortados em blanks, para alimentar a máquina de termoformagem. O fornecedor da matéria-prima é a Ober que, a exemplo da DPA, é uma empresa nacional e busca suprimento em cooperativas da Região Norte do País.



Tags: DPA Moldados, autopeças, componentes, fibra natural, juta, Jeep Renegade, FCA.

Comentários

  • Bromberg

    Já em 2004/2005 a DPA foi parceira no desenvolvimento de substratos com fibra de juta e PP, utilizados nos painéis de instrumentos dos veículos Astra e Vectra que foram desenvolvidos e fornecidos pela Johnson Controls. Experiência muito valiosa para a indústria automotiva. Parabéns à DPA pelas conquistas.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência