Automotive Business
  
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 23/07/2015 | 17h33

Venda de pneus às montadoras recua 18,7%

Exportações caíram ainda mais, 25%, apesar da desvalorização do real

REDAÇÃO AB

A indústria de pneus fechou o primeiro semestre com 7,64 milhões de unidades entregues às montadoras, registrando queda de 18,7% ante o mesmo período do ano passado. A redução em toneladas foi ainda maior, 29,9%, refletindo a menor venda de veículos de carga (caminhões e ônibus), cujos pneus têm peso e valor superiores. Os números foram divulgados pela Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (Anip).

De acordo com a entidade, a desvalorização cambial não foi suficiente para resolver a falta de competitividade e o volume exportado no primeiro semestre foi de 497,7 mil unidades, 25,4% abaixo dos mesmos seis meses de 2014.

As vendas totais fecharam o semestre com 37 milhões de unidades e leve retração de 0,6%. Segundo a Anip, o mercado de reposição voltou a apresentar crescimento na quantidade vendida (10,9%) por causa dos pneus de passeio (16,7%), camionetas (13%) e duas rodas (7,2%). Nos de carga houve queda de 6,2%.

VENDAS POR SEGMENTO (1º sem. 2014 vs. 1º sem. 2015):

- carga - de 4,5 milhões para 3,69 milhões (-18%);
- camioneta - de 4,98 milhões para 4,78 milhões (-4%);
- passeio - de 18,04 milhões para 19,09 milhões (+5,8%);
- duas rodas - de 8,16 milhões para 7,84 milhões (-3,9%);
- agrícola - de 445 mil para 400 mil (-10,1%);
- OTR - de 82 mil para 69 mil (-16,7%);
- Industrial - de 1,06 milhão para 1,15 milhão (+8,5%).

PRODUÇÃO CRESCE E INFLA ESTOQUES

A produção brasileira de pneus de janeiro a junho registrou 35,8 milhões de unidades e leve crescimento de 2% sobre os mesmos meses do ano passado. No entanto, a menor demanda resultou em elevação de estoques, gerando paradas de produção e baixa rentabilidade.

SETOR PEDE AUXÍLIO AO GOVERNO

A Anip entregou ao governo federal um documento com 11 propostas para aumentar a competitividade e produtividade do setor. Entre elas estão: redução das alíquotas de importação incidentes sobre insumos não disponíveis no Brasil; margem de preferência de 25% nas compras do poder público, como já existe para outros setores; estímulo à exportação por meio de novos acordos comerciais com mercados relevantes e aprimoramento do processo de garantias de crédito, além da reativação do Reintegra.

“O setor de pneus havia programado significativos investimentos neste e nos próximos anos para acompanhar o Inovar-Auto, mas o momento difícil da economia e do setor automotivo em particular pode colocar estes planos ‘em suspenso’”, afirma o presidente da Anip, Alberto Mayer. Segundo o executivo, várias associadas já puseram seus colaboradores ou parte deles em layoff ou férias coletivas.



Tags: Pneus, caminhões, ônibus, montadoras, Alberto Mayer, estoques, governo federal, layoff, férias coletivas.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência