Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 12/08/2015 | 19h57

Produção local já surte efeito em vendas da Abeifa

Entidade que também reúne importadoras tem leve aumento de 0,2% até julho

REDAÇÃO AB

A Abeifa, Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos, começa a vislumbrar um novo cenário no mercado de veículos importados, com os volumes de vendas de algumas associadas que já produzem no País. O total de licenciamentos pela entidade chegou a 55,2 mil unidades entre janeiro e julho, representando leve aumento de 0,2% na comparação com iguais meses do ano passado, quando foram emplacados 55,1 mil veículos, de acordo com dados divulgados na quarta-feira, 12.

Com este volume, a participação das marcas que formam a entidade nas vendas totais de veículos no País sobe de 2,9% para 3,7% no comparativo anual dos períodos acumulados encerrados em julho.

Na análise apenas dos importados, os licenciamentos somaram 38,1 mil unidades no acumulado de sete meses, volume 29,1% abaixo do verificado em igual período de 2014, quando foram vendidos 53,8 mil unidades.

“Considerando somente os veículos importados em 2015, a tendência é uma piora ainda mais significativa, avaliando o reflexo da valorização do dólar, que impacta diretamente os negócios da maioria de nossas associadas”, comenta Marcel Visconde, presidente da Abeifa.

Com a fabricação local de quatro das associadas – BMW, Chery, Jeep e Suzuki – o executivo ressalta que para 2015 a associação deve registrar crescimento nas vendas totais: “Mas temos de contextualizar que esse resultado refletirá a chegada de uma nova categoria de veículos, que são os modelos produzidos no País por marcas que iniciaram a operação de suas fábricas brasileiras”.

Já no resultado mensal, as vendas de julho cresceram 39,7% sobre igual mês de 2014, para 10,6 mil unidades, das quais 5,3 mil foram produzidas aqui.

PRODUÇÃO

A produção total de veículos pelas associadas da Abeifa chegou a pouco mais de 17,1 mil unidades nos sete meses deste ano contra as 1,2 mil fabricadas em igual período do ano passado. O crescimento se deve ao início da produção em massa de marcas que concretizaram suas operações no Brasil, caso de BMW, Chery e Jeep. O volume também considera a Suzuki, que ainda produz o jipe Jimny na fábrica da Mitsubishi em Catalão (GO).

A BMW, que com o sedã Série 3 inaugurou sua fábrica de Araquari (SC) em outubro de 2014, acumula 5,1 unidades produzidas neste ano até julho. Já são quatro os modelos fabricados na linha nacional, os crossovers X1 e X3, além do hatch Série 1.

A Jeep, marca da FCA – Fiat Chrysler - que também mantém associação à Anfavea, começou em fevereiro deste ano a montagem em série de seu novo modelo Renegade, que já soma 10,2 mil unidades produzidas em seis meses na unidade de Goiana (PE). De 19 unidades fabricadas em fevereiro, a marca subiu gradativamente o volume de produção mês a mês, encerrando julho com pouco mais de 4 mil unidades entregues pela nova linha de montagem.

Por sua vez, a Chery, cuja produção comercial teve início em abril deste ano, fabricou 365 unidades do Celer em sua fábrica de Jacareí (SP), nas versões hatch e sedã, enquanto a Suzuki totaliza 1,3 mil unidades do Jimny entregues pela linha de produção da Mitsubishi, uma vez que a marca encerrou a montagem do jipinho em sua unidade de Itumbiara, também em Goiás.



Tags: Abeifa, importados, produção, BMW, Jeep, Chery, Suzuki.

Comentários

  • Sandro

    Deve-se levar em consideração que empresas como BMW, Jeep (FCA) e Mitsubishi / Suzuki são membros da Abeifa e Anfavea, e que sua participação no mercado de importados/nacionalizados é significativa.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência