Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Caminhões vão em marcha lenta também em 2016
Da esq. para a dir.: Carlos Reis, João Pimentel, Gilson Mansur e Ricardo Alouche

Comerciais | 17/08/2015 | 21h13

Caminhões vão em marcha lenta também em 2016

Mercado saturado e falta de confiança freiam planos de frotistas

MÁRIO CURCIO, AB

O mercado saturado e o baixo índice de confiança do consumidor manterão em baixa as vendas de caminhões ainda durante este e no também no próximo. Essa foi a conclusão do painel que tratou do tema no Workshop Planejamento 2016, realizado por Automotive Business na segunda-feira, 17, em São Paulo.

“Realizamos uma pesquisa com 350 decisores de compras das principais empresas de transporte dos segmentos de grãos, logística e construção civil. A maioria afirmou que não pretende renovar a frota, preferindo esperar o que vai acontecer em curto e médio prazos”, diz o diretor da Carcon Automotive, Carlos Reis.

Dos três segmentos, o de grãos é o que tem a menor intenção de trocar seus caminhões (14%). “Este setor é o que tem o maior número de caminhões parados”, afirma Reis. “A intenção de compra é um pouco maior no de logística e distribuição (23%), por causa da entrega de bebidas, e no de construção civil (22% pretendem comprar), pelo uso mais severo dos veículos.

“O segmento de caminhões deve mesmo fechar o ano com 75 mil a 80 mil unidades”, afirma o diretor de vendas e marketing de caminhões da Mercedes-Benz do Brasil, Gilson Mansur. “Vai haver demissões. Se não for agora será mais adiante”, adverte o executivo, que não espera reação do mercado nem em 2016.

O diretor de operações da Ford Caminhões, João Pimentel, também crê em um 2016 bastante similar a 2015. “Os anos de 2017 e 2018 serão mais fortes, sendo que 2018 terá cerca de 100 mil unidades”, diz Pimentel.

Sobre a possibilidade de o mercado voltar ao patamar recorde de 2011, quando foram emplacados mais 172,6 mil caminhões, o vice-presidente de vendas, marketing e pós-venda da MAN Latin America, Ricardo Alouche, ponderou: “Os números daquele ano voltarão a se repetir, mas não nos próximos três ou quatro anos.”

Sobre a queda atual no segmento de ônibus (-26,5% no período janeiro a julho no confronto com os mesmos meses de 2015), Alouche recorda que o mercado este ano teve dois grandes impactos: o menor número de vendas ao governo (pelo Programa Caminho da Escola) e a falta de confiança dos empresários do setor de transporte. Assista abaixo a entrevista exclusiva de Ricardo Alouche no Workshop Planejamento 2016:



Tags: Workshop Planejamento 2016, caminhões, ônibus, comerciais, projeção.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência