Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Trabalho | 31/08/2015 | 15h12

Acordo com sindicato encerra greve na Mercedes-Benz

1,5 mil demissões são revertidas; montadora é a primeira a divulgar adesão ao PPE

REDAÇÃO AB

Em assembleia realizada na manhã da segunda-feira, 31, os metalúrgicos da Mercedes-Benz aprovaram o acordo negociado entre a empresa e o sindicato que reverte as 1,5 mil demissões anunciadas no último dia 7. Os cerca de 7 mil trabalhadores presentes na votação aprovaram as medidas por unanimidade, o que colocou fim à greve na unidade, que durou sete dias (leia aqui).

A empresa concordou em aderir ao PPE, Programa de Proteção ao Emprego, que concederá redução de 20% da jornada de trabalho por nove meses, entre 1º de setembro de 2015 a 31 de maio de 2016, mais a redução de 10% dos salários para todos os 10 mil trabalhadores da fábrica, horistas e mensalistas. Os outros 10% complementares serão financiados pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), conforme determina o programa. O PPE garantirá aos trabalhadores 12 meses de estabilidade no emprego. A Mercedes-Benz é a primeira montadora a divulgar sua adesão ao programa.

Os trabalhadores também concordaram com o congelamento da tabela salarial até dezembro de 2016 e a aplicação de apenas 50% da inflação (INPC) sobre os salários na data-base de maio e a outra metade paga em forma de abono, em duas parcelas, no valor total de R$ 3 mil.

“Foi uma negociação dura que chegou a um resultado final positivo após o esforço conjunto dos trabalhadores, do Sindicato e também da empresa. Revertemos as demissões com o PPE, que é o programa certo para dar conta da situação de crise atual”, afirma o presidente do sindicato dos metalúrgicos do ABC, Rafael Marques.

“Estamos felizes pelas famílias e pelos nossos funcionários, que terão a garantia de emprego até o próximo ano. Isso representa um fôlego tanto para a empresa quanto para os colaboradores diante de uma forte crise econômica no País”, afirma Philipp Schiemer, presidente e CEO da Mercedes-Benz.

“As expectativas de vendas para o mercado de veículos comerciais em 2015 continuam negativas e não existe nenhuma previsão de recuperação no próximo ano. Nesse sentido, o País precisa de medidas para sair da recessão, controlando a alta inflação e as elevadas taxas de juros, retomando o crescimento econômico e despertando a confiança dos investidores para realizar novos negócios. A falta de estabilidade política e econômica gera uma desconfiança dos clientes, que deixam de investir no mercado brasileiro. Essa situação, se não resolvida, continuará ameaçando as empresas e a manutenção de empregos no País”, completa o executivo.



Tags: Greve, Mercedes-Benz, metalúrgicos, São Bernardo do Campo, demissões, Volkswagen, Taubaté.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência