NOTÍCIAS
16/09/2015 | 21h26

Lançamentos

MAN simplifica linha 2016 de caminhões

Montadora lança 18 versões nas famílias Delivery, Worker e Constellation


PEDRO KUTNEY, AB

Os novos cavalos mecânicos 4x2 da linha Constellation miram no baixo custo, com o ressurgimento da série Titan agora como 19.330 (à esquerda)
Em meio à expressiva queda das vendas de caminhões no País, a MAN Latin America lançou oficialmente para sua rede de concessionárias uma série de versões adicionais na linha 2016 de suas três famílias de caminhões: leves Delivery, médios/semipesados Worker e pesados Constellation. As principais mudanças vão na linha de simplificação de produtos, para encaixar melhor o preço na equação de necessidades dos clientes. “Tínhamos algumas configurações que alguns não achavam necessário ter e pagar mais por isso, como suspensão a ar por exemplo. O que estamos fazendo é adaptar alguns modelos a essa demanda”, afirma Ricardo Alouche, vice-presidente de marketing, vendas e pós-vendas da fabricante.

“Esses lançamentos todos representam nossa rápida reação à crise, com oferta de produtos mais adequados ao momento econômico e às condições econômicas dos clientes”, diz Roberto Cortes, CEO da MAN Latin America. Alouche complementa: “Não é só uma questão de oferecer o menor preço, mas a solução mais adequada por valor competitivo”, afirma o executivo. Segundo ele, os lançamentos estão focados nos segmentos de maior participação do mercado brasileiro de caminhões: “Precisávamos fazer mais do que já estávamos fazendo, pois as necessidades dos clientes mudam e a concorrência com o tempo nos copia”.

No sentido da simplificação, agora as três famílias de caminhões Volkswagen, Delivery, Worker e Constellation, passam a contar com duas linhas, a nova Trend, com produtos mais despojados, que se junta à AdvanTech, mais completa em itens de conforto e tecnologia. “Com a linha Trend criamos um pacote básico que nos permite entrar em concorrências públicas com mais competitividade”, diz Alouche.

CONSTELLATION

Exemplo da estratégia de produtos mais despojados e baratos é o relançamento da série Titan, que há mais de 10 anos introduziu os caminhões Volkswagen no segmento de pesados com motorização de 310 cavalos. Agora a nomenclatura aparece acoplada ao Constellation 19.330, um cavalo mecânico 4x2 de baixo custo, com 16 toneladas de peso bruto total (PBT), suspensões metálicas, cabine leito de teto baixo (ideal para cegonheiros e frigoríficos), motor Cummins de 330 cavalos e câmbio manual ZF de 16 marchas, que pode receber opcionalmente a transmissão automatizada V-Tronic de 16 velocidades, também fornecida pela ZF.

Para quem precisa de um pouco mais de potência, a MAN também passa a oferecer em sua linha de cavalos mecânicos 4x2 as versões 19.360 e 25.360, com motor Cummins ISL de 360 cavalos.

Ainda na linha de cavalos mecânicos pesados equipados com o mesmo motor Cummins de 330 cavalos e câmbio automatizado, o Constellation 24.330 passa agora a contar com a transmissão V-Tronic e a MAN oferece agora também a configuração 8x2 com o Constellation 30.330 V-Tronic, que tem um segundo eixo direcional instalado de fábrica. O modelo atende à legislação brasileira e pode levar mais carga puxando um só implemento, com economia de combustível e pneus na comparação com os caminhões 6x4. O 30.330 tem 6 toneladas a mais de PBT em comparação com a versão 6x2, passando a 29 toneladas.

A configuração 8x2 agora também é oferecida no Constellation 25.420 V-Tronic, com motor Cummins ISL de 420 cavalos, capaz de tracionar semirreboques com PBTC de até 54,5 toneladas. A linha MAN TGX também ganha uma versão 8x2, o 28.440, com motor importado MAN D6 de 440 cavalos e transmissão automatizada TipMatic de 16 velocidades, também importada.

A cabine Constellation foi integrada também aos chassis 17.230 e 23.230, ambos equipados com motor MAN D08 de quatro cilindros, 225 cavalos e tecnologia EGR, que dispensa o uso de Arla 32. Eles podem substituir com maior conforto modelos similares da linha Worker, aplicados principalmente para entregas urbanas ou de curtas distâncias. A cabine conta com configuração de bancos para motorista e três passageiros, ideal para aplicações de distribuição de bebidas, por exemplo.

O motor D08 também passa a ser oferecido na linha Worker, como mais uma opção entre as motorizações de 190, 260 e 280 cavalos.

DELIVERY

Na estratégia de atacar os segmentos de maior volume, a linha de caminhões leves Delivery cresceu para cima e para baixo, ganhando a configuração semileve 5.150 Food Truck e a de PBT médio 13.160. No primeiro caso, o objetivo foi entrar em segmento onde a MAN não atuava e é dominado pelas versões chassi-cabine de vans, como Mercedes Sprinter e Iveco Daily. A vantagem oferecida é a oferta de uma plataforma maior, de 4,2 metros, para a montagem do implemento.

No segundo caso, o alvo do Delivery 13.160 é oferecer a maior capacidade de carga no segmento homologado como Veículo Urbano de Carga (VUC), que não tem restrições para rodar em áreas urbanas como acontece com caminhões maiores.

Assista abaixo entrevista exclusiva de Roberto Cortes à ABTV:


Comentários: 1
 

Fabio
21/01/2016 | 08h43
Bom dia a todos, não entendo o motivo da empresa não mudar a gabine dos caminhões de pequeno porte, é horrível ultrapassada para olhar para os lado é preciso abaixar a cabeça uma vez que a janela do caminhão é pequena e muito baixa assim como o vidro dianteiro

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:


QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 13/12/2017
Requisitos de segurança têm de se adequar à realidade local de mercado

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
DE CARRO POR AÍ | 15/12/2017
Governo oferece incentivo para instalação de fábrica em Itumbiara
QUALIDADE | 01/12/2017
Envolver e motivar colaboradores é essencial para gerar bons resultados
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
AUTOINFORME | 15/12/2017
Coreia constrói ambiente urbano planejado e inteligente
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018