Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Congresso Fenabrave fecha em tom ácido
Anthony Portigliatti (Florida University), Alarico Assumpção Jr. (Fenabrave) e Zeina Latif (XP Investimentos) debatem impactos da economia na distribuição

Distribuição | 16/09/2015 | 22h52

Congresso Fenabrave fecha em tom ácido

Entidade pede reestruturação da economia para restauração do PIB

SUELI REIS, AB

“O setor de distribuição de veículos tem hoje cerca de 8 mil concessionárias, gera 400 mil empregos e suas diversas atividades, seja a venda de veículos ou pós-venda, são responsáveis por 5,2% do PIB deste País. É a ponta importante de uma cadeia e o governo tem sim a obrigatoriedade de olhar essa importância”, alertou o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr., durante o painel de encerramento do segundo e último dia da 25ª edição do Congresso Fenabrave, realizado na quarta-feira, 16, em São Paulo.

O executivo, que desde o início deste ano está à frente da entidade que representa as associações de concessionárias de todas as marcas atuantes no País, discursou em tom de desabafo ao lembrar que o setor automotivo como um todo tem a maior carga tributária do mundo.

A economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif, concordou que um bom início de reorganização da macroeconomia brasileira se daria pela reforma tributária: “Todas as análises dão conta de que a forma como é conduzida atualmente não está funcionando em termos de eficiência, o que acaba penalizando setores fundamentais, como a indústria”, disse.

Em sua explanação, Latif lembrou da trajetória do PIB nacional na última década, apontando o início do descasamento dos fatores consumo das famílias e da indústria a partir de 2009, quando o País começou a sofrer respingos da crise financeira internacional: “Estimulou demais a demanda e o que era para ser um remédio transitório virou veneno. O PIB industrial estagnou e a demanda foi embora, porque houve o elemento chave da inflação, gerando o endividamento das famílias”, comenta. Para a economista, a única saída assertiva para reorganizar a casa é o ajuste fiscal: “Se bem conduzido, é o que vai ajudar a sair dessa estagnação sem muito sacrifício, mas vale lembrar que não deve ser qualquer ajuste. Ele deve ser suficientemente forte para reverter o quadro de aumento de gastos. Além disso, precisa de medidas mais profundas para evitar o problema de insolvência pelo qual patina a economia”, alertou.

Neste contexto, o reitor da Florida Christian University, Anthony Portigliatti, pediu perdão pela mensagem clichê, mas recordou que crises como esta são oportunidades de transformação. Em sua apresentação, fez um paralelo com a crise dos Estados Unidos iniciada em 2009 e que seguiu intensa até meados de 2011. “Passamos nos Estados Unidos exatamente o que vocês [brasileiros] estão começando a passar. O concessionário tem a oportunidade de escolher onde quer ficar: se no grupo da projeção que aponta que 450 casas devem fechar no próximo semestre ou entrar para a história daqueles que apertaram os cintos, reviram seus negócios, enxugaram suas máquinas, estudaram e utilizaram ferramentas digitais e se reposicionaram com estratégia sistêmica e uma nova modelagem empresarial. Aprendemos nos Estados Unidos que o deserto não foi feito para permanecer, mas foi feito para atravessar.”

O reitor indicou ainda que o País pode não estar preparado como precisava estar para enfrentar tamanha crise de confiança. Para ele, as empresas devem adotar estratégias que visem o curto, o médio e o longo prazos para sobreviver à transformação de retomada, que ele espera, se dê em 2017 ou 2018.

Em sua consideração final, Latif apontou para a necessidade de criar formas de estimular o crescimento sustentável a fim de gerar ganhos de produtividade. “Hoje temos um Estado que rouba o potencial de crescimento da indústria. A volta cíclica de crescimento, ela vai acontecer, mas dados os últimos acontecimentos no viés político, vai demorar um pouco mais.”

Por fim, Assumpção reafirmou que a entidade mantém sua resistência com relação ao aumento das alíquotas e do número de impostos. “É necessário criar um elemento que ajude a restaurar a confiança, que é tão importante quanto o PIB. Nós queremos PIB, uma economia estruturada. Com isso, se vende automóvel, se vende caminhão e se entrega máquina para o campo.”



Tags: Fenabrave, governo, economia, PIB, ajuste fiscal, Congresso Fenabrave, Alarico Assumpção Jr.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência