NOTÍCIAS
29/09/2015 | 13h17

Lançamentos

Com Oroch, Renault entra na briga das picapes

Montadora lança proposta intermediária entre modelos pequenos e médios


RICARDO PANESSA, PARA AB | Do Rio de Janeiro (RJ)

Renault Oroch: um Duster de frente com caçamba na traseira
Nem tão ao céu, nem tão à terra. Para disputar o concorrido segmento de picapes, a Renault do Brasil lançou com grande pompa no Rio de Janeiro a nova Duster Oroch. Derivado do utilitário esportivo do qual herda parte do nome, o modelo tem como principal característica dimensões e capacidades intermediárias entre as populares picapes pequenas, construídas sobre a mesma base de automóveis compactos, e os modelos maiores, considerados de porte médio.

Além do visual dianteiro praticamente idêntico ao do Duster, a Oroch chega ao mercado em novembro em duas versões de acabamento, Expression e Dynamique, e duas motorizações disponíveis, 1.6 de 115 cv e 2.0 de 148 cv (com etanol), ambas flex gasolina-etanol e câmbio manual, a primeira de cinco marchas e a segunda de seis.

Os preços sugeridos vão de R$ 62.290 (Expression 1.6) até R$ 70.790 (Dynamique 2.0). A versão intermediária Dynamique 1.6 vai custar R$ 66.790. Versões superiores, com câmbio automático e tração 4x4, também estão no portfólio do modelo, mas só chegarão ao mercado em meados do próximo ano. A montadora não tem planos de lançar uma versão diesel.

Fruto do ciclo de investimentos de R$ 500 milhões iniciado pela Renault em 2013, a Oroch –nome de uma tribo quase desconhecida nos confins da Rússia – foi desenvolvida no Brasil pela divisão Renault Tecnologia Américas, especializada em produtos voltados às necessidades e ao perfil do consumidor latino-americano, com design assinado pelo Technocentre da Renault, na França, em parceria com o Renault Design América Latina, o único estúdio de desenho e estilo da marca no continente americano, localizado em São Paulo. O modelo é fabricado em São José dos Pinhais (PR) e também será exportado para outros mercados da América Latina.

Entre as principais diferenças da Oroch em relação ao Duster, além da obviedade desta ser uma picape e aquele um SUV, do qual deriva, estão a suspensão traseira multilink em todas as versões, entre-eixos maior e dirigibilidade aprimorada para oferecer manuseio como o de um carro de passeio, tanto com a caçamba vazia quanto carregada. A ideia é que a Oroch entregue conforto de carro de passeio e versatilidade de utilitário, o que não chega a ser uma novidade. Segundo a Renault, para atingir esse objetivo, durante o desenvolvimento do modelo foram utilizadas 4,8 mil horas de laboratório e 720 mil quilômetros de testes na França, Brasil e Argentina.

SEGMENTO PROMISSOR

Antes de passar o comando da Renault do Brasil para Fabrice Cambolive, novo presidente da empresa no País, Olivier Murguet, que passa a se dedicar exclusivamente à função de vice-presidente sênior da corporação e presidente da Região Américas, destacou a importância do lançamento da Oroch na delicada atual conjuntura econômica e política brasileira. “O Brasil é o maior mercado da Renault no mundo depois da França. Com a Oroch a Renault inaugura um novo segmento entre os veículos utilitários, que vai ter papel fundamental para atingirmos nosso objetivo máximo de alcançar 8% de market share até 2018”, disse Murguet. “Nós acreditamos na retomada de crescimento do Brasil”, acrescentou.

Segundo o executivo, no Brasil as picapes são responsáveis por 80% do mercado de comerciais leves e por 13% do mercado total, com aproximadamente 450 mil veículos vendidos em 2014. Murguet destacou que as vendas de picapes compactas cresceram nove vezes entre 2010 e 2014, sendo que no mesmo período o volume de vendas de modelos com cabine dupla aumentou 50% – o maior responsável por esse salto foi o lançamento da compacta Fiat Strada com cabine dupla, que criou a categoria com preço menor. Na América Latina, em 2014, o mercado de veículos utilitários representou 1,2 milhão de unidades e se consolidou como um dos mais importantes e concorridos da região, panorama que por si só faz prever um futuro promissor para a nova Duster Oroch.

CONCORRÊNCIA

Stradas e Saveiros, tremei. Apresentada como conceito no Salão do Automóvel do ano passado, a picape Duster Oroch pretende inaugurar um novo segmento de mercado entre os utilitários. Ela está posicionada entre as picapes pequenas, como Fiat Strada e Volkswagen Saveiro, e as médias, como Toyota Hilux e Chevrolet S10.


Renault Duster Oroch tem cabine dupla “de verdade”, que acomoda três pessoas com conforto. Na frente, o painel é igual ao do Duster.

Utilizando a mesma plataforma do Duster, mas com distância entre-eixos aumentada, o que a torna 38 cm mais comprida do que o SUV, seu maior trunfo em relação às concorrentes é a cabine dupla “de verdade”, onde realmente podem se acomodar três adultos. O modelo, que passou por várias modificações para se adequar à proposta, mede 4,69 m de comprimento, 1,69 m de altura, 1,82 m de largura e 2,83 m de distância entre-eixos. Maior, portanto, do que as picapes pequenas, mas um pouco menor do que as médias.

Mas a Oroch não poderá repousar sobre os louros de suas qualidades durante muito tempo. A Fiat confirmou oficialmente na própria terça-feira, 29 - não por acaso, exatamente no mesmo dia da apresentação da Oroch para a imprensa - que em breve, provavelmente no começo do próximo ano, vai lançar também uma picape “compacta-média”, a Toro, projetada sob medida para concorrer com a Renault, em segmento que já batizou de Sport Utility Pickup, ou SUP. A nova picape da Fiat terá como maior trunfo algumas características herdadas do Jeep Renegade, principalmente o consagrado motor 2.0 Multijet turbodiesel de 170 cavalos, entre outros recursos. Bom para o consumidor.

COMPORTAMENTO IGUAL AO DE AUTOMÓVEIS

Pesando 1.292 kg (versão 1.6) e 1.346 kg (versão 2.0), a Oroch tem comportamento dinâmico praticamente igual ao de um automóvel. Assim como seu “irmão mais velho”, o Duster, a nova picape oferece dirigibilidade fácil e agradável.

Durante rápida avaliação do modelo pela orla marítima do Rio de Janeiro, conforto da cabine, baixo nível de ruído ao rodar e suspensões com calibragem bem ajustada foram os destaques do modelo. Ao contrário de suas concorrentes que utilizam feixe de molas na suspensão traseira, utilizando o sistema multilink independente com barra estabilizadora atrás (McPherson com molas helicoidais na frente) a Oroch é firme, mas sem ser excessivamente dura, ao rodar sobre pisos irregulares, e macia sem ser mole demais sobre pisos bem pavimentados e curvas.


O pequeno comprimento de apenas 1,35 m da caçamba da Oroch pode ser aumentado com um extensor, assessório de fábrica que permite rodar com a tampa aberta, para acomodar até uma moto.

A caçamba tem 683 litros de capacidade volumétrica, pode carregar até 650 kg de carga, mas tem apenas 1,35 metro de comprimento. Segundo a Renault, é capaz de transportar volumes maiores, como motocicletas, por exemplo, utilizando um extensor de caçamba, acessório que permite rodar com a tampa da caçamba aberta, homologado e legal no Brasil, mas de uso proibido em outros países, como Argentina, onde também deverá ser comercializada.

Ao volante, é como um automóvel. Oferece a mesma boa posição de dirigir, com comandos bem posicionados e grande visibilidade, além de inesperado conforto no banco traseiro – um de seus pontos fortes. Com quatro portas e lugar para cinco pessoas, o espaço interno é outro item positivo do modelo.

A picape já vem de fábrica equipada com o Media NAV Evolution 2.0, nova geração do sistema multimídia exclusivo da Renault que, além de integrar o sistema de som e se conectar ao celular, também oferece navegação por GPS na tela colorida de sete polegadas sensível ao toque, acessa redes sociais como Facebook e Twitter e pode passar informações em tempo real sobre o trânsito em algumas cidades brasileiras. O pacote de equipamentos e acessórios inclui itens como limitador de velocidade, controle de cruzeiro (piloto automático), sensores de estacionamento, barras transversais no teto, suporte para bicicleta ou prancha e câmera de ré, entre outros.

Com motorização 2.0 de 148 cv e 20,9 kgfm de torque (com etanol), a Oroch respondeu com presteza ao acelerador tanto nos trechos urbanos quanto nas longas retas encontradas no percurso. A transmissão também foi redimensionada, com relações de marchas mais curtas e alavanca com engates fáceis e precisos, proporciona arrancadas e retomadas de velocidade vigorosas. Segundo a montadora, com esse conjunto motriz a Oroch é capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em 9,7 segundos e atingir velocidade máxima de 186 km/h, sem carga. Fôlego de sobra.


Comentários: 2
 

Feliciano JR
29/09/2015 | 13h56
As Duster já não da conta do recado, inclusive a Policia Militar Odiou o Carro. Imagino uma picape desta, com o usuário colocando carga !!! A imagem da Francesinha poderá ser afetada com este produto !! Bom, vamos esperar pra ver !!!

Julian Cassimiro
03/10/2015 | 23h10
A Renault entende o mercado brasileiro ávido por novidades que atendem de fato uma necessidade. Pick-up tem caçamba muito grande, SUV não tem caçamba... porque não juntar o últil ao agradável? Parabéns Renault Brasil, liderando mercado e possibilidades.

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:


QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 16/01/2018
Quem liderou os principais segmentos em 2017

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement
Advertisement Advertisement
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 12/01/2018
Que tal pagar uns R$ 64.000 pela versão Precision, 1.8, automática?
QUALIDADE | 01/12/2017
Envolver e motivar colaboradores é essencial para gerar bons resultados
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
INOVAÇÃO | 19/01/2018
Há alguns obstáculos para fazer dar certo a relação entre elefantes e formiguinhas
AUTOINFORME | 10/01/2018
Só três dos 15 mais importados não são utilitários esportivos
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças