NOTÍCIAS
01/10/2015 | 10h28

Lançamentos

Kia lança 3ª geração do Sorento no Brasil

Mais sofisticado e afetado pelo dólar, modelo chega por R$ 183,9 mil


PEDRO KUTNEY, AB | De Itu (SP)

Apresentado pela primeira vez ao público brasileiro no Salão do Automóvel de São Paulo, só agora o novo Sorento chega às concessionárias da Kia no País. O utilitário esportivo de grande porte ainda oferece a melhor relação custo-benefício em relação aos seus principais concorrentes (todos também importados), mas em escala cada vez menor do que no passado. O acréscimo de sofisticação e tecnologia que a terceira geração do modelo coreano recebeu, aliado à alta do dólar diante do real que somente este ano já passa de 50%, fez o preço saltar consideravelmente. O Sorento passa a ser vendido no Brasil por R$ 183,9 mil, bem acima dos R$ 109,9 mil que vinham sendo pedidos pela versão mais simples 4x2 do SUV.

O novo Sorento será oferecido a partir de outubro em apenas uma versão de acabamento, a mais requintada, somente com motor gasolina V6 3.3 de 270 cavalos, transmissão automática de seis velocidades e tração 4x2. “Avaliamos que não valia mais a pena trazer o Sorento com motor 2.4 quatro-cilindros, pois ele se enquadra na mesma alíquota mais alta de IPI (25%) do V6 e a diferença de preço seria muito pequena, então preferimos a opção topo de linha”, explica José Luiz Gandini, presidente da Kia Motors do Brasil. “E não vamos trazer o 4x4 porque é mais caro e a procura é pequena, é um SUV urbano, na maioria dos casos usado 100% do tempo na cidade”, acrescenta.

Com a pressão sobre o preço causada pela depreciação do real, as expectativas de vendas caem bastante. Este ano a Kia estima vender apenas 480 unidades do novo Sorento, que juntando com as 1,3 mil já vendidas da geração anterior devem somar 1,8 mil, volume que será 22% inferior ao de 2014. Para 2016 a projeção é de nova queda. “Acho que [mesmo com o valor atual] existe potencial para vender 200 a 250 por mês, mas não temos mais cota para isso, por isso reservamos apenas 100 por mês, não mais que 1,2 mil por ano”, prevê Gandini, referindo-se ao teto de 4,8 mil veículos que importadores habilitados no Inovar-Auto podem trazem sem pagamento da sobretaxa de 30 pontos porcentuais acrescidos ao IPI.

Também não será surpresa se o preço do Sorento subir ainda mais ao longo dos próximos meses, já que o carro que está chegando aqui hoje foi encomendado e pago há mais de três meses, quando a cotação do dólar ainda girava em torno de R$ 3. “Esse dólar a mais de R$ 4 vai chegar ao mercado só em janeiro”, destaca Gandini.

BEM COM A CONCORRÊNCIA

Quem ainda não construiu a áurea de requinte em torno de sua marca precisa necessariamente entregar a mesma sofisticação por preço menor. A Kia faz isso bem com o Sorento – assim como também faz a Hyundai, marca sócia do mesmo grupo coreano. Tanto que, apesar de toda a pressão exercida pelo dólar e do preço na faixa do mercado de luxo, o valor do novo Sorento é o mais baixo de quase todos os concorrentes de mesmo porte, que a Kia considera ser o Hyundai Santa Fe, Land Rover Discovery Sport, Ford Edge e Volvo XC 60. Não por acaso, o valor mais colado, com diferença de apenas R$ 90 a maior, é o do Santa Fe, fabricado sobre a mesma plataforma do Grupo Hyundai. O Edge é o único mais barato, por R$ 171 mil.

Contudo, no geral o Sorento tem mais recursos e equipamentos do que os concorrentes. Quando se leva isso em conta, segundo cálculo da Kia que atribui valores a esses itens que os outros não têm ou oferecem como opcional, o Sorento, vendido completo e sem opcionais, fica de R$ 4 mil a R$ 21 mil mais barato.

BOM RETRABALHO



O SUV de sete lugares (dois deles dobráveis, dentro do porta-malas, indicados só para crianças) é um bom representante da evolução em design e sofisticação tecnológica dos carros coreanos nos últimos 10 anos, período em que a marca começou a namorar com o segmento premium, com desenho marcante, acabamento externo e interno cuidadoso e motorização valente. Se fosse possível dirigir sem enxergar, um cego quase não notaria a diferença de desempenho e conforto a bordo da Sorento em relação aos seus concorrentes de marcas tradicionais.

O retrabalho feito pela Kia na terceira geração do Sorento tornou o modelo mais arrojado, espaçoso, seguro e acrescido de diversos recursos inovadores – o mais notável talvez seja o de ter transforma em “inteligente” uma porta, a do porta-malas, que quando programada para isso abre sozinha quando o motorista se aproxima do veículo com a chave no bolso; um recursos bastante útil para quem está com as mãos ocupadas e precisa colocar coisas no veículo, em um caso típico de saída do supermercado, por exemplo. Outras agregações tecnológicas, já conhecidas em outros modelos, são a câmera de estacionamento na ré e na dianteira, além de sensor que identifica e avisa sobre a presença de outros carros no chamado ponto-cego, não visto no retrovisor.

O novo Sorento cresceu por quase todos os lados, ficando ligeiramente mais largo e comprido, com expansão mais generosa no entre-eixos, que avançou 8 cm, para 2,78 m, garantindo excelente espaço interno. Só houve pequena redução de 6 cm na altura, para que com 1,68 m o SUV ganhasse em aerodinâmica, com menor resistência ao ar e bom coeficiente de arrasto de 0,33, no que também foi ajudado pelo bom trabalho de cobrir boa parte das reentrâncias na parte externa do assoalho.

Não que precisasse, pois o motor V6 de 3,3 litros e 270 cavalos é a 6.400 rpm capaz de romper qualquer resistência do ar. Não nega fogo, com acelerações vigorosas e torque bem disposto de 32,4 kgfm, todo disponível a 5.300 rpm. Somado ao câmbio automático de seis marchas e à direção com assistência elétrica, o resultado é uma condução confortável, com estabilidade garantida eletronicamente pelo ESC.



O novo estilo externo do Sorento foi desenhado pelo estúdio de design da Kia em Namyang, na Coreia do Sul, mas contou também com contribuições dos estúdios da marca de Irvine, Califórnia, Estados Unidos, e de Frankfurt, na Alemanha. Houve também refinamento da engenharia, com foco em reforçar a carroçaria aumentando de 24,4% para 52,7% a utilização de aços de alta resistência na estrutura, o que elevou em 14% a rigidez torcional em comparação com seu antecessor. Com o uso de novos materiais para o isolamento acústico (29% mais grosso no painel de instrumentos, por exemplo), foram reduzidas as vibrações e o ruído da cabine diminuiu entre 3% e 6%, dependendo das condições.

No interior do novo Sorento estão algumas das melhorias mais significativas, projetadas pela equipe de design europeia da marca, em Frankfurt, que criou uma cabine sofisticada, revestida materiais de qualidade superior, com couro e cromados. No centro do painel destaca-se a grande tela de 7 polegadas do sistema multimídia, que integra sistema de entretenimento e navegação por GPS.

Comentários: 1
 

Rafael Esteves
02/10/2015 | 13h36
Tenho um Sorento, e não trocarei por essa nova versão. Simplesmente não vale o preço. Por esse preço, qualquer um vai de Land Rover Discovery Sport.... Tchau Kia, foi bom enquanto durou.

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 15/11/2017
Mudança na mobilidade domina discussões do Congresso SAE Brasil

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro