Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Transportes | 08/10/2015 | 21h30

Scania adapta gestão para o mercado de ônibus

Nova estrutura segue modelo global e oferece serviços de planejamento

SUELI REIS, AB l Do Rio de Janeiro (RJ)

A divisão de negócios de ônibus da Scania ganha nova estrutura de gestão a partir de um movimento global da empresa em se readequar às novas demandas no segmento urbano. No Brasil, a equipe é liderada por Silvio Munhoz, diretor de vendas de ônibus. Ele explica que a empresa passa a se dedicar também ao serviço de pesquisa e planejamento de compra para os clientes, de acordo com o perfil e necessidade da logística do sistema em que ele opera ou vai operar, além de ajudá-lo a entender melhor a legislação que rege sua concessão.

“Scania é ônibus. Com este lema, iniciamos um novo jeito de enxergar o negócio e de pensar e agir em equipe e no fim do processo, vamos ajudar o cliente com a solução adequada. Deixamos de vender só o chassi e agora nos preocupamos com a mobilidade, a operação e o passageiro, colocando à disposição todo o nosso portfólio de recursos”, afirma Munhoz.

Para essa nova fase, foi criada dentro da estrutura de operações de ônibus a área de desenvolvimento do mercado de urbanos, que se dedica ao estudo e análises sobre a compra ideal para o tipo e a necessidade da operação. Este estudo inclui uma análise completa e dedicada do sistema e da legislação e propõe ao cliente as alternativas em termos de produto e serviços de pós-venda, aliados aos serviços financeiros para venda por meio de parceria com o Scania Banco e Consórcio Scania.

“Este é um movimento que a Scania está realizando em todo o mundo como parte do esforço de aumentar nossa participação no transporte urbano global”, complementa.

Ele conta que já há por parte de sua equipe um contato bastante próximo com autoridades e órgãos responsáveis pelas operações de transporte público em diversos municípios no Brasil. “É um serviço novo e um processo que demanda tempo, porque é uma nova cultura. A boa notícia é que cada vez mais a mobilidade urbana está deixando de ser uma pauta política e se tornando extremamente técnica, onde há grande potencial, exatamente porque há muita carência nesta área”. Ele diz que há exemplos de projetos de mobilidade que têm o recurso disponível, mas o descritivo é pobre em conteúdo técnico, o que causou devolução para que fosse refeito.

“A Scania está oferecendo sua contribuição, mostrando aos operadores e autoridades nossa expertise a partir de conhecimento adquirido em experiências ao redor do mundo, para gerar soluções para uma mobilidade urbana eficiente. Seremos um intermediário entre eles e as realidades mundial e local.”

Como exemplo de atuação, ele cita o caso do município de Acara, em Gana, onde o operador que venceu a licitação de transporte público deixou a cargo da Scania a escolha do modelo de operação, tipo de veículo e a escolha das carrocerias: “Este tipo de modelo de gestão depende muito do operador e também do local, tal modelo não corresponde à realidade no Brasil, é só para elucidar como estamos desenvolvendo esta nova visão de negócio”, explica.

Para Munhoz, o Brasil vive atualmente uma situação de conflito no âmbito da mobilidade urbana, que estourou a partir das manifestações de 2013 e que tiveram como base as tarifas do transporte público. “A renovação de frota está sempre atrelada à tarifa. Todos os municípios têm limites orçamentários e o desafio é exatamente o de encontrar soluções que atendam por ora as necessidades de cada local que onere o sistema, que já vive em certo equilíbrio sensível de receita e custos”.



Tags: Scania, ônibus, gestão, mercado, tarifa, Silvio Munhoz.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência