Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Trabalho | 26/10/2015 | 19h47

Fábrica de extintores demite 350 metalúrgicos em SBC

Sindicato fará manifestação contra fim da obrigatoriedade do uso em veículos

REDAÇÃO AB

A fabricante de extintores de incêndio Resil anunciou a demissão de 350 metalúrgicos em sua unidade de Diadema (SP) onde 60% da produção era de produtos destinados a veículos de passeio. Segundo o sindicato dos metalúrgicos do ABC, as montadoras eram os principais clientes, mas a empresa, que emprega cerca de 850 trabalhadores, não está mais recebendo pedidos após a publicação da resolução do Contran (556 de 17 de setembro de 2015) que tornou facultativo o uso do equipamento (leia aqui). A obrigatoriedade vigorava desde 1970.

O sindicato informa que organizará na terça-feira, 27, uma manifestação contra a resolução do Contran a partir das 8h na fábrica da Resil, e que seguirá em passeata até a Rodovia dos Imigrantes.

Segundo coordenador da regional Diadema do sindicato dos metalúrgicos do ABC, David Carvalho, meses antes de acabar com a obrigatoriedade do uso, o próprio órgão anunciou que os proprietários de veículos deveriam trocar seus extintores para o modelo ABC, o que gerou uma corrida às lojas e aumento de demanda nas fábricas.

“As empresas investiram para poder dar conta desse aumento de demanda. A Resil, aqui em Diadema, contratou trabalhadores e ampliou sua estrutura. E agora vem essa decisão que surpreende a todos. Não pode ser assim. É preciso debater a obrigatoriedade ou não com o governo, empresas e o movimento sindical, já que ela gera postos de trabalho e salva vidas”, destaca.

Carvalho defende que a resolução seja revista: “Há um decreto legislativo tramitando na Câmara que pede a anulação da medida. Um deputado apresentou requerimento pedindo urgência para apreciação desse decreto. Estamos nos articulando em Brasília para que a medida seja revogada e que se faça uma discussão com toda sociedade. Por trás de uma decisão burocrática existem empregos em jogo”.

Ainda segundo o sindicato, a Abiex, Associação Brasileira de Indústria de Equipamentos contra Incêndio, estima que a medida pode gerar a perda de até 10 mil empregos no setor em todo País.



Tags: Demissões, metalúrgicos, sindicato, São Bernardo do Campo, extintores, Resil.

Comentários

  • Celso soares

    - Essa medida é um absurdo, para que essa medida seja revogada só depende da queles que foram prejudicados. Como ? lutando e perseverando até ser revogado , pois isso foi um desrespeito a o povo brasileiro. - Como eles alegam que não precisamos de um extintor no nosso carro , se no carro tem todos componente para provocar um incêndio . Que mico.

  • Gian

    Como sempre acontece, medidas tomadas sem estudos e sem discussões sérias e concisas !!! Acredito que existe uma parcela de verdade na não obrigatoriedade (como o mau uso e a falta de treinamento para o uso, tornando o extintor perigoso ao invés de ajudar !) porém existem empresas e funcionários por trás dessa decisão e isso me parece que não foi levado em consideração! Novamente temos remendos e desgaste nas resoluções mau elaboradas !!!! ...

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência