Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Legislação | 27/10/2015 | 16h50

Governo reduz Imposto de Importação de carros elétricos e híbridos

Alíquota vai ficar entre zero e 7% e, segundo a Anfavea, pode estimular a produção nacional

GIOVANNA RIATO, AB

O Brasil enfim começa a dar os primeiros passos para criar um mercado interno de carros elétricos e híbridos. Na terça-feira, 27, foi publicada a Resolução nº 97/2015 que reduz o Imposto de Importação (II) de veículos equipados com estas tecnologias. A alíquota, que era de 35% até então, passará a variar entre zero e 7%.

A tributação vai ser definida com base em aspectos como autonomia e tecnologia de propulsão – híbridos plug-in, por exemplo, terão alíquota maior do que os carros puramente elétricos. A legislação deixa clara brecha para a montagem local de automóveis com propulsão alternativa, determinando tarifas específicas para os carros feitos localmente em regimes CKD e SKD.

A Anfavea, associação dos fabricantes de veículos, avalia que a regulamentação representa um grande avanço para o Brasil, facilitando o acesso do consumidor às tecnologias já presentes em outros grandes mercados do mundo. “Abre espaço para a ampliação do desenvolvimento local de novas tecnologias, inserindo a engenharia brasileira nas principais rotas tecnológicas globais, inclusive com a oportunidade de criar soluções que utilizem etanol”, enfatiza Luiz Moan, presidente da entidade.

O executivo refere-se ao desejo já manifestado por algumas empresas de produzir localmente carros com tecnologias alternativas de propulsão. A Toyota vende o híbrido Prius no mercado nacional por R$ 116.660, preço que deve cair com a redução dos tributos. A montadora já admitiu o plano de montar o automóvel localmente. Em 2013 a empresa apresentou ao Ministério da Fazenda proposta para viabilizar a produção do modelo no Brasil e revelou que o objetivo era adaptar o carro ao mercado local, atualizando o híbrido para que ele combinasse um motor elétrico com um propulsor flexível.

A montadora ainda não revela se a redução do Imposto de Importação para elétricos e híbridos fará com que o plano de montar o Prius localmente enfim se concretize. Em comunicado distribuído pela assessoria de imprensa, a empresa comemorou a medida e apontou esperar “que a atitude seja replicada por outras instâncias governamentais do Brasil”.

A Renault é outra fabricante que batalha para tornar viável as vendas de carros elétricos no Brasil. Desde 2011 a companhia faz apresentações locais de sua gama de modelos com a tecnologia. Em parceria com a Itaipu Binacional, a empresa chegou a montar 32 unidades do Twizy em Foz do Iguaçu (PR) como parte de um acordo de cooperação tecnológica entre as duas empresas para estudar as possibilidades de nacionalizar o carro elétrico.

Em visita ao Brasil em agosto deste ano, Eric Feunteun, diretor do programa de veículos elétricos da Renault, declarou estar convencido que “os elétricos são solução adequada para o Brasil, que tem grandes cidades, enfrenta problemas da qualidade do ar e tem bom mix energético”.

A lista de empresas que podem se beneficiar da mudança na tributação de carros elétricos e híbridos inclui ainda a BMW, que lançou o hatchback elétrico i3 e o esportivo híbrido i8. A nova legislação fará a companhia alemã rever o plano para os modelos no Brasil. “Estamos avaliando os impactos que essa medida terá em nossa estratégia de negócio”, declarou a empresa por meio de comunicado.

HISTÓRIA LONGA

A evolução da eletrificação veicular no Brasil é lenta na comparação com outros grandes mercados automotivos globais. Até setembro de 2015 foram vendidos apenas 664 carros com propulsão alternativa no Brasil, segundo a Anfavea. Enquanto países europeus, onde a presença deste tipo de tecnologia ainda é pequena, oferecem uma série de incentivos para tornar os modelos zero emissão atrativos ao consumidor, no mercado local os elétricos e híbridos são enquadrados na categoria que recolhe alíquota mais elevada de Imposto sobre Produto Industrializado (IPI), de 25%, maior do que a cobrada sobre veículos a combustão.

Em setembro de 2014 foi anunciada a primeira medida para mudar este cenário: o governo reduziu o imposto de importação de veículos híbridos. A desoneração, no entanto, tinha ação restrita a modelos sem tecnologia de recarga externa, os plug-ins, fator que deixava de fora a maior parte dos modelos eletrificados. Além disso, o desconto tem vigor apenas até o fim deste ano.

Paralelamente, ações pontuais deram novos estímulos, ainda que pequenos, à presença dos carros elétricos e híbridos. Entre agosto e setembro deste ano a Prefeitura de São Paulo anunciou duas iniciativas pioneiras. A primeira foi a redução de 50% no Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores, o IPVA, para modelos com estas tecnologias. Em seguida foi anunciada a liberação do rodízio municipal para os veículos eletrificados.

“Estamos estimulando a aquisição do carro elétrico, que ainda é caro, mas estamos iniciando uma política de incentivo, liberando a cota-parte do IPVA e liberando do rodízio. Com isso, muitos vão optar pelo carro elétrico. Se o Estado e a União, na esteira do que acontece no município, seguirem o exemplo, teremos um ambiente de negócio favorável”, disse o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, na ocasião.

PEDIDO ANTIGO

A decisão atende a um pleito a Anfavea, que entregou em 2013 proposta ao governo federal para viabilizar a venda e o desenvolvimento de carros elétricos e híbridos no Brasil. O documento sugeria incentivos para a adoção de seis tecnologias de propulsão, entre elas modelos híbridos movidos com motores bicombustível álcool-gasolina e elétricos, bem como elétricos com células de combustível alimentadas com hidrogênio extraído do etanol.

Na época a entidade preferiu não divulgar todo o conteúdo da proposta. Hoje, no entanto, a associação considera que a Resolução nº 97/2015 está alinhada com o pedido feito dois anos atrás. Com isso, a redução do IPI para elétricos e híbridos é uma vitória não só da Anfavea, mas da gestão de Luiz Moan.

Desde que o executivo assumiu a presidência da entidade, em 2013, uma série de propostas foram levadas ao governo federal. Entre os pedidos está a criação do Exportar-Auto para incentivar as exportações e a implementação de um programa de renovação de frota. Com a severa queda do mercado interno e as dificuldades econômicas, os pedidos ainda não trouxeram grandes resultados. A exceção fica agora com a legislação para veículos elétricos, que poderá criar um novo mercado no Brasil.



Tags: carro, elétrico, híbrido, Imposto de Importação.

Comentários

  • Mauro

    Para mim um retrocesso. Desestimula a produção nacional e facilita a importação de um produto que hoje emite mais CO2 que o veículo movido a etanol, além do problema ambiental de reciclagem de baterias, que não foi resolvido,

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência