Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Altos e baixos do etanol, do Proálcool ao flexfuel
O então presidente Lula abastece o primeiro carro flex, em 2003

Combustíveis | 18/11/2015 | 17h11

Altos e baixos do etanol, do Proálcool ao flexfuel

O sistema bicombustível está hoje em 88,3% dos veículos emplacados

PAULO RICARDO BRAGA, AB

A indústria automobilística brasileira rememora, neste mês de novembro, os 40 anos de criação do Proálcool, o Programa Nacional do Álcool, considerado a iniciativa global mais importante para a substituição em larga escala dos combustíveis veiculares derivados do petróleo pelo etanol, no Brasil obtido a partir da cana de açúcar.

O programa, que teve raízes na crise do petróleo de 1973 e avançou com o desenvolvimento de veículos capazes de funcionar exclusivamente com álcool, teve altos e baixos e obteve sucesso relativo. O Proálcool foi criado oficialmente em 14 de novembro de 1975, pelo decreto 76.593. Os engenheiros Lamartine Navarro Júnior e Cícero Junqueira Franco são considerados os pais do programa, acompanhados pelo empresário Maurílio Biagi. O programa de motores a etanol foi idealizado pelo físico José Walter Bautista Vidal e pelo engenheiro Urbano Ernesto Stumpf.

Segundo dados da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), no fim dos anos 1970 a produção alcooleira atingiu um pico de 12,3 bilhões de litros e o Proálcool teve importância expressiva em 1979, quando ocorreu nova elevação nos preços do petróleo e foram comercializados 3.114 veículos leves movidos a etanol – os primeiros a aparecerem nas estatísticas da Anfavea, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores.

O Proálcool começou a enfrentar problemas no fim da década de 1980, à medida que o preço do barril de petróleo recuava e a cotação do açúcar subia no mercado internacional. Nesse cenário, os usineiros preferiam produzir mais açúcar, enquanto o etanol tornava-se desvantajoso em relação à gasolina e começava a faltar nos postos. Como resultado dessa distorção de mercado, em 1990 apenas 81.996 unidades leves a álcool foram emplacadas, depois de um recorde de 697.049 unidades em 1986. Em 1997, somente 1.120 veículos a álcool foram registrados.

FLEX E O RENASCIMENTO DO CARRO A ÁLCOOL

O etanol, no entanto, haveria de recuperar o espaço perdido a partir de 2003, quando surgiu o primeiro veículo flexfuel no Brasil, um Volkswagen Gol 1.6 equipado com software e sensor da Magneti Marelli para gerenciar a queima do combustível, seja ele etanol, gasolina ou mistura dos dois em qualquer proporção.

Naquele mesmo ano foram licenciados 48.178 veículos com o sistema flex; em 2004 o volume subiu para 328.379 unidades e, em 2005, para 812.104 unidades, vencendo a barreira do milhão em 2006 e dos 2 milhões em 2007. Em 2014 foram registrados quase 3 milhões (2.940.508) de automóveis e comerciais leves equipados com o sistema flex (88,2% das vendas), ante 184.841 a gasolina (5,5%). Este ano, até o fim de outubro, haviam sido emplacados 1,83 milhão de veículos leves flex (88,3%) e 115.891 a gasolina (5,6%).

Foram produzidos no País, até 15 de setembro, 5.646.661 veículos movidos exclusivamente a etanol e outras 24.454.801 unidades com motor flex fuel. Até 15 de outubro haviam sido licenciados 5.638.332 veículos a etanol e 24.600.270 veículos flex fuel, segundo dados da Anfavea.

“A instauração do Proálcool há 40 anos foi primordial para que a indústria automobilística brasileira adquirisse experiência para criar, anos depois, a tecnologia flex, a iniciativa mais bem sucedida no campo de combustíveis renováveis no mundo todo. Esta solução tem seu sucesso comprovado pelos mais de 24 milhões de veículos flex já produzidos e comercializados e é um exemplo claro da nossa capacidade de inovação tecnológica”, explica Luiz Moan, presidente da Anfavea.

Houve investimentos expressivos em novas usinas de álcool entre 2004 e 2010, com a construção de uma centena de unidades no período. Uma nova crise abateu-se sobre as usinas e desde 2008 oitenta fecharam com a perda de competitividade do etanol. Este ano outras dez podem encerrar as atividades, mas o segmento produtivo busca reagir, com preços mais favoráveis diante da gasolina. Assim, entre altos e baixos, essas usinas garantiram a presença do etanol combustível nos carros brasileiros desde 1979 – ou por 36 anos.



Tags: Proálcool, flexfuel, Unica, etanol, Magneti Marelli, Volkswagen, biocombustível, combustível.

Comentários

  • Jonathan

    Belo artigo. Recordar é viver! Reconhecimento maior é encontrar Mercedes, Audis e BMWs flex hoje em dia. Uma pena que a tecnologia não faça sentido em veículos comerciais devido à baixa eficiência energética e necessidade de aditivos nocivos para uso do etanol no ciclo diesel.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência