Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Dilma sanciona sem vetos lei que institui PPE
Moan (ao centro) preside a associação das montadoras, segmento com maior número de adesões ao PPE

Legislação | 19/11/2015 | 20h05

Dilma sanciona sem vetos lei que institui PPE

Programa aprovado como MP em julho já beneficiou 30 mil trabalhadores

AGÊNCIA BRASIL

A presidente Dilma Rousseff sancionou na quinta-feira, 19, sem vetos, a lei que institui o Programa de Proteção ao Emprego (PPE). O programa prevê a redução temporária da jornada de trabalho, com diminuição de até 30% do salário. Para isso, o governo arca com 15% da redução salarial, usando recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

No início de julho, Dilma editou a medida provisória que criou o programa e o Senado aprovou o texto no fim de outubro. Segundo a presidente, nos quatro meses de vigência da medida provisória foram aprovadas 33 adesões ao PPE, beneficiando 30.368 trabalhadores. Outras 42 solicitações estão em análise, envolvendo o emprego de 12.264 trabalhadores. “Agora, a sanção da lei vai permitir que a gente afaste qualquer preocupação com a segurança jurídica do processo, e, portanto, vai permitir que mais empresas possam acessar o programa”, recorda.

Dilma acredita que o PPE seja vantajoso para diversos setores: “Para as empresas, porque, além de rápido (o processo de adesão), podem ajustar sua produção sem abrir mão dos trabalhadores; para os trabalhadores porque preserva emprego e a maior parte de rendimentos; para o governo federal porque, diante da crise, essa é uma medida de proteção ao emprego, e, além disso, é possível que o gasto com o PPE seja menor do que com o seguro-desemprego e ainda preserva a arrecadação das contribuições sociais”, disse.

Pela proposta, para que o regime diferenciado seja aplicado é necessário que ele seja acertado em acordo coletivo de trabalho específico com a entidade sindical. Para participar do programa a empresa deve comprovar que passa por dificuldade econômico-financeira, demonstrar regularidade fiscal, previdenciária e conformidade com o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

De acordo com o ministro do Trabalho e Previdência Social, Miguel Rossetto, das 75 empresas que solicitaram adesão ao PPE, 27 são do setor automotivo, 17 do metalúrgico, 16 do fabril, cinco de serviços e quatro do comércio. São Paulo é o Estado que com mais empresas que pediram adesão ao programa, com 54 solicitações. A adesão ao PPE pode ser feita até o fim de dezembro de 2016 e a vigência vai até dezembro de 2017.

“A garantia do emprego é o objetivo fundamental desse programa numa situação de dificuldades econômicas. A partir da sanção presidencial, estamos seguros da expansão do programa, que está disponível para todos os setores, todos os tamanhos de empresa”, disse o ministro.

O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, informou que várias empresas já estão conversando com os sindicatos e que a situação das vendas é crítica. “Estamos com uma crise muito forte, uma queda de praticamente 30% nas nossas vendas este ano em relação ao ano passado. Na área de caminhões, a queda é de 45%.”

Para o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Rafael Marques, a redução de salários é vantajosa em um momento de crise. “Ninguém gosta de redução salarial, mas nas assembleias que já fizemos, em todas elas foram aprovados por unanimidade os acordos do PPE. Num momento como esse, o esforço é coletivo e os trabalhadores têm entendido por causa da ameaça de demissões.”



Tags: Dilma, Rousseff, PPE, FAT, Miguel Rossetto, Anfavea, Luiz Moan, automotivo, metalúrgicos, Anfavea, sindicato, FGTS, ABC, Rafael Marques.

Comentários

  • roberto

    A medida para proteção ao empresa, tem que ficam querendo burlar a lei, como já PPE, programa de proteção ao emprego, então várias empresas, ficam ameaçando alguns funcionários, por exemplo: abrem o PDV, então ficam ameaçando a pessoa pegar um PDV não digno, e ficam forçando o empregado a pegar, com ameaça de mandar embora. isso pode?.

  • ROBERTO

    A MERCEDES BENZ DO BRASIL ESTÁ, DEMITINDO TRABALHADOR, MESMO PARTICIPANDO DO PPE , PROGRAM DE PROTEÇÃO AO EMPREGO ISSO PODE. TERIA NORMA DENTRO DO PPE QUE PERMITE ESSAS DEMISSÕES.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência