Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Insumos | 19/11/2015 | 21h00

Axalta divide ganhos com tinta de alta densidade

Composição com alto teor de sólidos economiza até 40% na pintura

PEDRO KUTNEY, AB

Em tempos de vendas em baixa e busca incessante por cortes de custos no chão-de-fábrica, a Axalta adotou uma estratégia comercial ousada para convencer as montadoras a pagar mais por sua tinta de alta densidade, chamada pela empresa de “alto sólidos”, ou “high solids”, por conter maior quantidade de elementos sólidos em sua composição. A principal vantagem é o maior rendimento, com economia de cerca de 40% no gasto de tinta, na proporção de apenas 2,5 litros gastos para pintar um carro que normalmente consumiria quatro litros, e aceleração do processo de pintura, que fica 20% mais rápido. “Isso mais que compensa o preço do produto. Por isso estamos propondo aos nossos clientes pagar um valor que é a divisão desse ganho em partes iguais”, explica Mateus Aquino, diretor da divisão OEM de tintas para montadoras e fabricantes de autopeças da Axalta no Brasil e Cone Sul.

Maior fornecedora de tintas para a indústria automotiva no Brasil, com domínio de cerca da metade do mercado, a Axalta já fornece desde 2013 as tintas de alta viscosidade para a planta da Ford em São Bernardo do Campo (SP), que tornou-se a primeira montadora no mundo a usar a composição desenvolvida pela empresa nos Estados Unidos. Aquino informa que também está em negociações avançadas para fornecer o produto para a General Motors em São Caetano do Sul (SP) e para a Honda em Sumaré (SP). Em comum, todas essas fábricas têm cabines de pintura mais antigas, que usam tintas com solventes. As unidades modernas adotam as tintas à base d’água, que segundo Aquino hoje têm preços equivalentes e já representam 40% de seu fornecimento à indústria.

“As tintas high solids são uma tendência para uso em sistemas de pintura com solventes, acho que todos os fabricantes deverão migrar, porque tornam o processo mais econômico e o cliente fica com a mesma cabine, não há necessidade de se fazer uma nova, como é o caso quando se adota a pintura à base d’água”, afirma Aquino. Segundo ele, o uso da tinta de alta viscosidade requer investimentos relativamente pequenos em relação à redução de custos obtida com uso de menores quantidades de tintas e solventes.

Ao contrário do que acontece quando se muda para a pintura à base d’água, que requer equipamentos novos, para usar as tintas high solids são necessários ajustes bem menores; o maior deles é a instalação de bombas de alta potência para abastecer a cabine. Como a tinta é muito mais viscosa, precisa de bombeamento mais forte.

Embora não seja esse o objetivo principal, as tintas de alta viscosidade também trazem ganhos ambientais ao setor de pintura das montadoras. Como o consumo do produto é menor, isso também baixa as emissões voláteis orgânicos e o processo gera menos resíduos.



Tags: Axalta, tinta, pintura, altos sólidos, alta densidade, indústria.

Comentários

  • Julio Cesar de Oliveira

    Esta redução chegará ao consumidor final?

  • noronha

    bom dia trabalho com reforma e pintura de onibus a 23 anos,tenho parceria com a maior fabrica de onibus do mundo. gostaria de saber como ter asseso a fabrica e se tornar um distribuidor,pois uso so a marca que a marcopolo usa,e estes produtos me dao garantia de qualidade e seguranca para nosos clientes. obrigado aguardo retorno.noronha

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência