NOTÍCIAS
24/11/2015 | 20h10

Lançamentos

Citroën Aircross parte agora de R$ 49.990

Modelo 2016 baixou até R$ 9 mil com opção 1.5 sem estepe aparente


MÁRIO CURCIO, AB | De Porto Real (RJ)

Novos faróis são mais estreitos que os da 1ª geração
A Citroën mudou seu utilitário esportivo Aircross, que chega às revendas nesta semana como modelo 2016. A alteração mais significativa ocorreu na dianteira. Outra novidade é a entrada de três opções sem o estepe do lado externo. Com isso o preço inicial do carro agora é de R$ 49.990, R$ 9 mil a menos que na linha 2015. Essas versões substituem o C3 Picasso (que sai de linha). Duas têm motor 1.5 de até 93 cavalos e câmbio manual de cinco marchas. A terceira traz o 1.6 com até 122 cv e o câmbio automático de quatro marchas.

“As novas versões sem estepe devem responder entre 30% e 40% do total do novo Aircross”, estima o diretor de marketing e produto da PSA Peugeot Citroën, Fabrício Biondo. A equipe prefere não arriscar o volume de vendas para o modelo, mas para a Citroën, que fechará 2015 com cerca de 30 mil unidades emplacadas. “Em 2016 o número deve ser igual ou maior que este”, arrisca o diretor-geral das marcas Citroën e DS, Paulo Solti.

As modificações no projeto do Aircross consumiram R$ 150 milhões e tiveram o envolvimento direto de mais de 100 profissionais. Entre outros números a PSA informa 16 mil horas de trabalho e 200 mil quilômetros percorridos em testes por Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.

Para melhorar a eficiência energética do carro a Citroën trocou a direção com assistência hidráulica pela elétrica. “Com isso pudemos alongar a transmissão final em cerca de 5% tanto para a versão 1.6 manual como para a automática”, recorda o gerente de síntese-cliente, Richard Balse.

A mudança trouxe redução de consumo por volta de 5%, mesma economia resultante dos novos pneus verdes Pirelli Scorpion que equipam as versões 1.6 intermediárias e a topo de linha. Segundo a Citroën, os Aircross 1.5 e 1.6 receberam a letra A no selo do Conpet/Inmetro. A Citroën também melhorou as suspensões. “A barra estabilizadora traseira está mais fina e permite que a carroceria se movimente mais. E os quatro amortecedores foram recalibrados”, afirma Richard Balse.

A Citroën já enviava o Aircross para a Argentina. “O desafio agora é exportá-lo para outros países com representantes Citroën até a América Central”, afirma Biondo. “O problema é que outras nações tiveram suas moedas desvalorizadas ante o dólar.” Entre os mercados em análise estariam Chile, Colômbia e Peru.

MUDANÇAS VISÍVEIS

A dianteira do Aircross 2016 está bem diferente. Faróis, grade, para-choque, tudo mudou. Na traseira, as alterações mais significativas estão no para-choque, em que as luzes de ré e de neblina estão mais perto da base. As versões com estepe externo receberam uma capa menor, que só recobre a roda, não mais o conjunto roda-pneu.

Por dentro mudou o painel, que recebeu novas formas e uma central multimídia com tela sensível ao toque na versão Shine, a mais completa. Dependendo da versão, o tecido aplicado nos bancos recebe desenho semelhante ao da calçada da praia de Ipanema, no Rio de Janeiro, mas em relevo em vez de preto e branco.

Em sentido horário, a partir do alto, à esquerda: uma sobre a outra, a frente antiga (marrom) e a atualizada; o painel da versão 2016 e as duas novas traseiras, com estepe ou sem ele.

Automotive Business dirigiu por cerca de 80 km a nova opção 1.5 com câmbio manual. O carrinho vai bem em trechos de terra e piso irregular. Em rodovia ele pede mais reduções de marcha em subidas longas e ultrapassagens, mas tudo dentro de um limite razoável.

Como bons equipamentos a versão de entrada 1.5 Start traz ar-condicionado, vidros, travas e retrovisores com acionamento elétrico, porta-luvas refrigerado e computador de bordo. Seu sistema de partida a frio utiliza tanquinho de gasolina. Já os Aircross 1.6 têm sistema FlexStart, da Bosch.

O volume para bagagens de todas as versões é de 403 litros, seja com o estepe do lado de fora do carro ou no fundo do porta-malas.

Veja abaixo as versões e preços do Aircross 2016:

1.5 Start manual – R$ 49.990 (estepe interno);
1.5 Live manual – R$ 53.990 (estepe interno);
1.6 Live automático – R$ 58.990 (estepe interno);
1.6 Feel manual – R$ 58.990 (estepe aparente);
1.6 Feel automático – R$ 63.290 (estepe aparente);
1.6 Shine automático – R$ 69.290 (estepe aparente).

Todas as versões automáticas têm quatro velocidades e aletas para troca de marcha atrás do volante. E as manuais têm cinco marchas.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 18/10/2017
Medidas simples e novos estudos ajudam na redução de emissões de CO2

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement
AUTOINFORME | 19/10/2017
Hyundai produz em Ulsan 1,5 milhão de carros por ano
DE CARRO POR AÍ | 13/10/2017
Com Jumpy, marca avança em novo território
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
INOVAÇÃO | 15/08/2017
Indústria automotiva precisa abrir os olhos para novas formas de trabalhar
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes