NOTÍCIAS
03/12/2015 | 20h00

Lançamentos

GM refaz desenho do Chevrolet Cobalt 2016

Com menos versões, preço sobe de 10% a 12%; parte de R$ 52.690


PEDRO KUTNEY, AB

O Cobalt redesenhado: mais agradável ao olhar, mas sem mudanças mecânicas
Lançado em 2012 e projetado pela engenharia da General Motors no Brasil para o Terceiro Mundo sob o conceito “cheap space” (espaço barato), com tamanho de sedã médio e preço de pequeno, o Chevrolet Cobalt parecia ter saído das pranchetas do concretismo socialista, em que a racionalidade não dá brechas à emotividade do consumo capitalista. Para resumir, fica mais fácil dizer que o carro era funcional, espaçoso e feio. “Quando projetamos o Cobalt tudo era razão, não pensamos em emoção”, justifica Carlos Barba, diretor de design da GM América do Sul. Após três anos de mercado com 191 mil unidades vendidas no Brasil, a versão 2016 do modelo que chega às concessionárias este mês ganhou traços mais agradáveis ao olhar. Melhorou assim onde era mais fácil melhorar: no design.

O visual melhorou mas os preços pioraram, ficaram de 10% a 12% mais caros, ainda que o carro tenha ganhado mais equipamentos desde a versão mais básica, que vem com ar-condicionado, direção hidráulica e acionamento elétrico de travas, retrovisores e dos quatro vidros. O número de versões foi reduzido de nove para cinco, incluindo no corte a mais barata LS 1.4 e as 1.8 LT e Graphite. Agora a linha Cobalt começa com o LT 1.4 manual por R$ 52.690 e chega a R$ 67.990 na nova versão topo de linha Elite 1.8, disponível unicamente com transmissão automática de seis velocidades e pacote de equipamentos completo, sem opcionais.

Mesmo com a alta dos preços que torna o Cobalt mais caro do que seus concorrentes “cheap space” Renault Logan e Fiat Grand Siena, a GM calcula que as vendas do modelo em 2016 vão seguir o mesmo ritmo de 2015, na casa das 22 mil unidades emplacadas. Até agora os principais clientes do Cobalt foram homens casados (80%) com ao menos dois filhos (66%). “É uma compra racional, de alguém que quer conforto e conteúdo. Esperamos agora com o novo design atrair também clientes mais aspiracionais”, afirma Gustavo Rotta, gerente de marketing de produto da GM Brasil.

A montadora estima que 40% das vendas do novo Cobalt sejam das versões 1.4 LT e LTZ (ambas só disponíveis com câmbio manual), outros 40% da LTZ 1.8 manual e automática e os 20% da topo de linha Elite 1.8 automática. “Hoje as vendas do Cobalt automático chegam a 30% da gama e a tendência é chegar a 40%, pois os consumidores estão buscando mais esse conforto”, diz Rotta.

MAIS EQUIPAMENTOS E CONECTIVIDADE


No interior o Cobalt 2016 traz novos revestimentos dos bancos e as versões a partir da LTZ 1.4 têm volante multifuncional a segunda geração do sistema multimídia MyLink com tela tátil no centro do painel. As opções topo de linha LTZ e Elite 1.8 automáticas também contam com o sistema de telemática OnStar, acionado por botões na base do retrovisor interno.

O Novo Cobalt agrega mais equipamentos e conectividade em todas as versões. A partir do LTZ 1.4, já são de série rodas de alumínio, sensor de estacionamento, faróis de neblina, piloto automático, volante com controles multifuncionais e computador de bordo. A topo de linha Elite inclui ainda câmera de ré, sensores de chuva e crepuscular e rodas de alumínio com design exclusivo.

Em todas as quatro versões LTZ 1.4, LTZ 1.8 e Elite está presente de série a segunda geração do MyLink, com novo design mais interativo. O sistema multimídia pode ser conectado ao telefone celular do motorista e agora integra o Android Auto, do Google, e o CarPlay, da Apple, para espelhar na tela de sete polegadas sensível ao toque uma série de aplicativos de smartphones que rodam com um dos dois sistemas operacionais – como programas de navegação, por exemplo. O MyLink também tem opções de comando por voz, como ditar e ouvir mensagens de texto por meio dos alto-falantes do veículo, obter itinerários, consultar condições de trânsito, fazer buscas de restaurantes e outros pontos de interesse ou acessar aplicativos, entre eles o WhatsApp e o Skype, de mensagens, e o Spotify e o TuneIn, de músicas on-line.

Uma novidade é a incorporação nas duas versões automáticas 1.8 LTZ e Elite do sistema de telemática OnStar, que a GM começou a oferecer no Brasil há dois meses inicialmente no Cruze. O Cobalt será o segundo Chevrolet a incorporar o OnStar, que oferece serviços de segurança, navegação e conveniência com o acionamento de botões no retrovisor interno do carro, que fica conectado 24 horas a uma central com atendentes dedicados da GM (leia mais aqui).

DIFERENTE POR FORA, O MESMO POR DENTRO



Dá para dizer que o Cobalt ficou mais bonito (ou menos feio, a depender do gosto de cada um) sem perder sua principal qualidade: o generoso espaço interno, garantido pela distância entre eixos de 2,62 m pelo comprimento de 4,5 metros que incorpora o amplo porta-malas de 563 litros.

Traseira, dianteira e laterais ganharam design novo, estreando no Brasil a mais recente identidade visual da Chevrolet já adotada recentemente nos Estados Unidos pelo Malibu. Faróis e lanternas mudaram bastante, para melhor. “A impressão é a de que o carro mudou de geração, tamanha a evolução estética em relação ao modelo anterior”, diz o designer Barba.


Debaixo do capô o Cobalt continua o mesmo, sem mudanças mecânicas e com as mesmas opções de motorização e câmbio: 1.4 de 102 cavalos abastecido com etanol ou 97 com gasolina, com torque de 13/12,5 mkgf, respectivamente, disponível para as versões LT e LTZ, oferecidas somente com transmissão manual de cinco marchas; ou o ineficiente 1.8 de apenas 108/106 cavalos (menos potente do que a maioria dos 1.6 atualmente) e torque de 17,1/16,4 mkgf, que equipa as versões LTZ manual ou LTZ e Elite com câmbio automático de seis velocidades.

Por isso, dirigir o novo Cobalt continua a ser igual ao antigo. Não há diferenças de desempenho ou estabilidade, que seguem sendo medianos. O conforto a bordo também segue bom, sem luxos. E o novo visual comprova que um carro pode ser racional, conservador até, sem precisar ser feio.



Confira abaixo os preços de todas as versões do Chevrolet Cobalt 2016:

LT 1.4 MT: R$ 52.690
De série: rodas de aço 15”; ar-condicionado; travas, vidros e retrovisores elétricos; chave canivete; alarme; coluna de direção ajustável

LTZ 1.4 MT: R$ 57.590
Acrescenta faróis de neblina; rodas de liga leve; sensor de estacionamento traseiro; computador de bordo; volante multifuncional; piloto automático; sistema multimídia MyLink 2

LTZ 1.8 MT: R$ 59.990
Acrescenta friso cromado nas portas; volante com revestimento diferenciado

LTZ 1.8 AT: R$ 65.990
Acrescenta transmissão automática de seis marchas; sistema OnStar

Elite 1.8 AT: R$ 67.990
Acrescenta rodas com desenho exclusivo; revestimento exclusivo dos bancos; câmera de ré; sensores crepuscular e de chuva; câmera de ré

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 11/10/2017
Montadoras decretam fim da crise e já desfrutam de trajetória de recuperação

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement
DE CARRO POR AÍ | 13/10/2017
Com Jumpy, marca avança em novo território
AUTOINFORME | 11/10/2017
Onix e HB20 elevam o patamar de entrada no mercado brasileiro
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
INOVAÇÃO | 15/08/2017
Indústria automotiva precisa abrir os olhos para novas formas de trabalhar
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes