Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Trabalho | 02/02/2016 | 18h11

Mercedes-Benz afastará 1,5 mil em SBC por tempo indeterminado

E encerrará segundo turno em algumas áreas da produção a partir do dia 17

SUELI REIS, AB

A Mercedes-Benz decidiu afastar 1,5 mil funcionários da fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, por tempo indeterminado a partir de 17 de fevereiro. Todos os trabalhadores afetados são ligados ao setor de produção e fazem parte do total de pessoal excedente na unidade, calculado em 2 mil pessoas. De acordo com informações exclusivas obtidas por Automotive Business a Mercedes-Benz decidiu ainda encerrar o segundo turno em algumas áreas da produção também a partir do dia 17 deste mês.

Os empregados envolvidos nesta nova licença já estão cumprindo paradas programadas pelo PPE, Programa de Proteção ao Emprego, bem como os demais trabalhadores da unidade, que prevê a redução de 20% da jornada de trabalho. A montadora informa por meio de sua assessoria que serão concedidos quatro dias de PPE por mês até maio, quando termina a vigência do programa e quando planeja reavaliar a continuidade da medida. Os demais dias parados serão considerados como licença remunerada.

Segundo a Mercedes-Benz, o novo afastamento é reflexo do fraco desempenho das vendas já registrado no início deste ano, que começou pior do que o cenário visto em 2015, o que consequentemente afeta a produção. Só em janeiro, o volume de emplacamentos totais de veículos comerciais pesados – que inclui caminhões e ônibus – caiu 43,5% na comparação com igual mês de 2016, fazendo o segmento voltar aos níveis de produção de 1999 (leia aqui).

Na fábrica de São Bernardo, que emprega 10 mil pessoas, são montados caminhões, chassis de ônibus, motores e transmissões. Os trabalhadores da unidade gozaram de férias coletivas entre 21 de dezembro e 11 de janeiro, retornando às atividades no último dia 12.

Para o sindicato dos metalúrgicos do ABC, a licença remunerada não interfere no que já está acordado dentro do PPE, que garante até 12 meses de estabilidade de emprego.

No ano passado, a Mercedes-Benz adotou diversas medidas a fim de evitar demissões, principalmente na unidade paulista, concedendo folgas, esgotando banco de horas, férias coletivas, layoffs e PDVs. Em agosto de 2015 decidiu aderir ao PPE em comum acordo com o sindicato dos metalúrgicos do ABC após anunciar a demissão de 1,5 mil funcionários e enfrentar greve por sete dias (leia aqui). Nos últimos três anos, a empresa cortou cerca de 3 mil vagas de seu quadro no Brasil.



Tags: Mercedes-Benz, licença remunerada, produção, PPE, Programa de Proteção ao Emprego, São Bernardo do Campo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência