NOTÍCIAS
03/02/2016 | 20h00

Lançamentos

BMW sobe nível e preços do novo X1

Modelo cresceu e ficou mais parecido com um SUV. Será montado em Araquari


PEDRO KUTNEY, AB

Chega este mês às 48 concessionárias da BMW no Brasil o novo X1, o menor da linha de utilitários esportivos da fabricante alemã e até agora o segundo modelo mais vendido pela da marca no mercado brasileiro, com 2,7 mil unidades emplacadas em 2015, ou 17% do total comercializado no ano. O X1 foi completamente reformulado e lançado na Europa com a nova plataforma em setembro do ano passado. O trabalho foi feito para colocar o carro em patamar um pouco mais elevado em relação aos seus principais concorrentes, como Mercedes-Benz GLA e Audi Q3. Com isso, o veículo cresceu principalmente em espaço interno, mas também no preço, que na versão mais simples, a sDrive 20i GP, agora parte de R$ 166.950, cerca de R$ 10 mil acima da geração anterior. Agora o X1 é oferecido aqui em três versões (antes eram duas) e a diferença de valores é ainda maior nas duas opções de topo, a sDrive 20i X-Line, por R$ 179.950, e a xDrive 25i Sport, R$ 199.950 – até dezembro passado o máximo pedido não chegava a R$ 150 mil.

Segundo a BMW, o substancial aumento decorre principalmente da mudança de patamar do modelo, mas a acentuada alta do dólar também afeta diretamente o preço. Os primeiros X1 que chegam agora vêm importados da Alemanha, mas a pré-venda com encomendas antecipadas foi iniciada em meados de dezembro (leia aqui). Em março a BMW começa a montar o SUV em sua fábrica brasileira de Araquari (SC), como já acontecia com a versão anterior do modelo. Mesmo assim, a empresa alega que os preços não abaixam porque quase todos os componentes são importados e assim o câmbio continua pressionando os custos para cima.

Por isso as expectativas são de, no máximo, manter o mesmo volume de 2015. “Repetir as vendas do X1 em 2016 já seria um ganho, porque o modelo agora está em nível acima dos concorrentes e subiu de preço”, avalia Martin Fritsches, diretor de vendas do BMW Group Brasil. Segundo ele, a linha de SUVs (ou SAVs, de Sport Activity Vehicle, como prefere chamar a BMW) representou perto de 30% das vendas totais de 15,8 mil unidades em 2015 e o X1 respondeu por cerca de 60% dessa fatia. “Essa proporção tende a se repetir este ano e o X1 deve continuar sendo o nosso segundo carro mais vendido aqui”, diz Fritsches.

MAIS SUV, MENOS CROSSOVER


Novo design deixou o BMW X1 mais parecido com um utilitário esportivo. Conjunto ótico ajudou a refinar as formas do SUV.

Após criar o segmento SAV em sua linha de produtos e vender 740 mil unidades do X1 no mundo (17 mil deles no Brasil) desde o lançamento do modelo em 2009, na primeira renovação que faz do carro a BMW define que o X1 agora está mais SUV e menos crossover – como são chamados os automóveis que mesclam características de perua com carroceria mais parruda e elevada do solo. Em meio à bagunça que essas definições se tornaram, pode-se dizer que o novo design um tanto quanto mais imponente está mesmo mais para o lado SUV, graças à adoção da nova plataforma maior e mais robusta.

Com algumas qualidades caraterísticas dos SUV, em comparação à sua primeira geração o X1 está 5,3 cm mais alto, para 1,6 m, e 2,3 cm mais largo, 1,82 m. Como consequência, a posição de dirigir subiu 4 cm, garantindo maior visibilidade. A área envidraçada também aumentou. O espaço para quem viaja atrás foi ampliado e o vão entre as pernas e o encosto dos bancos dianteiros tem agora distância 7,4 maior. O porta-malas seguiu a mesma tendência e acomoda 85 litros extras, passando a 505 litros de capacidade (pode alcançar 1.505 litros com os bancos traseiros rebatidos).

Mas o novo X1 está longe de ser um trambolho, é um SUV compacto mais espaçoso, que manteve as vantagens de um crossover, com agilidade e desempenho bastante esportivo. A nova plataforma substitui o motor longitudinal pelo transversal e com isso ganhou-se espaço interno e ainda assim o comprimento foi levemente reduzido em 1,5 cm, para 4,44 m. O desempenho dinâmico também ficou bom com a opção de tração dianteira (antes era traseira) – e melhor ainda com a integral 4x4, que distribui a tração em 60% nas rodas da frente e 40% atrás, disponível somente na versão topo de linha xDrive 25i Sport.

Como é tradição na BMW, à primeira vista os elementos externos de design não mudam muito de uma geração para outra, mas os traços do X1 foram refinados, com a especial ajuda da adoção do novo conjunto ótico de faróis e lanternas, todos com lâmpadas de LED. Mais do que só aparência, os refinamentos do desenho aplicado à área da grade frontal do carro também têm efeito prático: contribuíram para reduzir o coeficiente de resistência aerodinâmica de 0,33 para 0,28, um dos mais baixos entre todos os veículos atuais, o que também aumenta a eficiência e reduz o consumo de combustível.

O novo motor transversal também é muito esperto, atende com extrema rapidez as vontades do dono do acelerador. É o mesmo 2.0 de quatro cilindros com turbocompressor de duplo estágio em todas as três versões do X1, mas com calibragens diferentes, que deixam o propulsor com 192 cavalos nas duas opções mais baratas 20i com tração dianteira e com respeitáveis 231 cv na topo de gama 25i, que tem tração integral. A transmissão automática de oito velocidades, com possibilidade de trocas manuais nas borboletas atrás do volante ou na alavanca, é a mesma para toda a família X1, mas a nova plataforma usa o câmbio fornecido pela japonesa Aisin – antes era da alemã ZF. No conjunto da obra, o novo X1 tem agilidade de sobra na estrada (0 a 100 km/h em 6,5 segundos), com acelerações e retomadas rápidas, e também vai bem na terra com ambas as trações – com desempenho um pouco melhor da versão 4x4 em ambos os casos.

O novo BMW X1 agrega ainda um completo pacote de segurança de série, como seis airbags, controles eletrônicos de estabilidade e tração e pneus com tecnologia Runflat, capaz de rodar por algum tempo mesmo furado.


O interior do novo BMW X1 também ganhou refinamento, mas painel de instrumentos é pobre

O interior também ganhou mais refinamento com uso de revestimentos em duas cores e alguns contornos iluminados por LED, que pode ser configurado em duas cores. Chama a atenção o painel de instrumentos, muito pobre para um carro deste nível e preço. No console ficam os controles do sistema multimídia de áudio e navegação por GPS, além do seletor dos três modos de condução: esporte, conforto e econômico, que modifica a velocidade de trocas de marcha, sensibilidade do acelerador e rigidez do volante. O centro do painel abriga a tela de 6,5 polegadas que mostra navegação, sistema de entretenimento e informações do computador de bordo.

COMPLETO E CONECTADO

O novo X1 vem bastante completo em qualquer versão. Além do valor, principal diferença entre a opção de entrada e a intermediária sDrive20i X-Line é a inclusão de teto solar panorâmico, bancos elétricos, espelhos rebatíveis e fechamento do porta-malas eletrônico. Com motorização mais potente e tração integral, o topo de linha xDrive25i Sport também conta com rodas aro 19” (os outros vêm com 18”) e sistema de som hi-fi.

Todas as versões do X1 vêm equipadas com o sistema Conected Drive da BMW, com conexão por um chip de celular (SIM card) que inclui chamada de emergência em caso de acidente sem necessidade de pareamento com o telefone celular do motorista, serviços de concierge grátis por três anos para indicação de pontos de interesse (um restaurante, por exemplo) com programação automática do navegador GPS de bordo, informações de trânsito em tempo real, além de comunicação remota com o smartphone do motorista, via aplicativo que informa a localização do veículo.

Também é de série o sistema de diagnóstico CBS, que informa com antecedência a necessidade de alguma manutenção. O CBS opera em conjunto com o BMW Teleservices, que conecta o carro à fábrica para transmitir informações sobre o uso do carro e tipos de serviço que poderão ser realizados – como uma troca de óleo e filtros, por exemplo, deixando as oficinas da rede sempre prontas a receber o cliente.

A BMW oferece ainda para o X1 uma série de acessórios como grade frontal preta high-gloss, projetor de porta de LED (projeta um “X” luminoso no chão), soleiras para portas de LED, barras transversais, capas para espelho retrovisor externo em fibra de carbono, tapetes de borracha X-Line, capa para chaves, além de sistema de DVD & Tablet.
Tags:

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 15/11/2017
Mudança na mobilidade domina discussões do Congresso SAE Brasil

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro