Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Com crise, Volvo desiste de lançar nova marca de caminhões no Brasil

Negócios | 16/02/2016 | 16h39

Com crise, Volvo desiste de lançar nova marca de caminhões no Brasil

Companhia conclui investimento sem planos para novos aportes

GIOVANNA RIATO, AB

Com o mercado de caminhões em queda livre, o Grupo Volvo admitiu ter deixado de lado o plano de começar a vender uma nova marca de caminhões no Brasil. “Nós perdemos dinheiro no País no ano passado. A crise foi mais violenta do que esperávamos, com queda de 60% nas vendas de pesados”, destaca Carlos Morassutti, presidente interino da companhia para a América Latina em substituição a Claes Nilsson, que deixou o cargo em outubro do ano passado por uma questão pessoal.

No impulso de seu crescimento no mercado nacional nos últimos anos, a empresa anunciou em 2012 que passaria a vender no Brasil veículos de outra marca de caminhões do Grupo. Até o fim de 2014 o projeto estava de pé, porém sem qualquer decisão (leia aqui). A escolha era entre Renault Trucks, Mack e UD. O palpite mais forte era de que a companhia iria complementar a sua oferta no Brasil com uma linha de caminhões mais leves e possivelmente mais simples e acessíveis. A investida equilibraria a gama Volvo, que tem caminhões semipesados e pesados com preços e conteúdo tecnológico elevado.

O projeto, no entanto, não resistiu à decepcionante performance do mercado brasileiro em 2015, quando as vendas de caminhões da companhia caíram expressivos 64% na comparação com o ano anterior, para 6,7 mil unidades, considerando as entregas da fábrica para o mercado, número mais abrangente que o de emplacamentos. Parte das perdas foram compensadas por exportações que responderam por entre 30% dos negócios da empresa no Brasil, com 2,8 mil unidades, volume 10% maior que o de 2014.

Os negócios em outros países da América Latina evoluíram puxados pela demanda do Peru, Chile, Argentina e Colômbia. A fábrica nacional da empresa, em Curitiba (PR), abastece cerca de 30 países. “Para este ano esperamos que estes negócios continuem rentáveis. Com o novo governo, a Argentina tem mostrado reação muito positiva.” Na análise do executivo, o Brasil não seguirá o mesmo caminho. Segundo ele, não há sinais de reversão da trajetória de descendente. “O mercado deve cair mais um pouco, em torno de 15% para o segmento de semipesados e pesados, para 35 mil unidades”, complementa Bernardo Fedalto, diretor comercial da Volvo Caminhões.

INVESTIMENTOS CONCLUÍDOS

Diante do cenário adverso, a companhia não planeja novo investimento para a operação local. “Vamos concluir este ano os aportes em curso e depois faremos apenas investimentos de manutenção. Quando planejamos as ampliações que fizemos, há cerca de cinco anos, pensávamos em um mercado com pelo menos o triplo do tamanho atual”, admite Morassutti.

A empresa anunciou pacote de US$ 500 milhões em 2013 e outro de US$ 320 milhões em 2014. O montante atendeu às modernizações feitas na fábrica de Curitiba, além de ter sido aplicado na renovação da linha de caminhões Volvo.

O executivo não entra em detalhes sobre o baixo aproveitamento da capacidade produtiva da unidade, apenas aponta que, quando se trata de mão de obra, há excedente de 15% a 20% na força de trabalho da planta, que tem 3,4 mil colaboradores no total. No ano passado a empresa já enxugou 600 vagas por meio de Programa de Demissão Voluntária.

Ainda assim, com a perspectiva de queda das vendas, novas medidas devem ser adotadas para reduzir a produção. “O nosso acordo com o sindicato dos metalúrgicos da região termina em março. A partir daí devemos começar a negociar soluções”, aponta Morassutti. Ele diz que todas as possibilidades serão levadas em conta, incluindo layoffs e PPE. Por enquanto, a única medida adotada foi a criação de um banco de horas que permitiu paradas na fábrica entre 7 de fevereiro e 22 de fevereiro.

O executivo não prevê retomada do mercado nacional de caminhões aos patamares elevados vistos recentemente. Ainda assim, ele lembra que o Brasil permanece como o segundo maior mercado para a Volvo no mundo. “Nos últimos anos entregamos os melhores resultados do Grupo no mundo todo. Agora estamos em uma posição diferente e vamos dar conta do recado”, resume Morassuti.

Assista à entrevista exclusiva com Carlos Morassutti, presidente interino do Grupo Volvo América Latina:



Tags: Volvo, caminhões, investimento, negócios, vendas.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência