Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
FCA estuda novo investimento no País
Ketter: mais autonomia para desenvolver produtos

Indústria | 17/02/2016 | 18h05

FCA estuda novo investimento no País

Fabricante planeja renovar toda a linha de produtos em três anos

PEDRO KUTNEY, AB

Apesar do cenário adverso, com perspectiva de novo e substancial encolhimento do mercado brasileiro para cerca de 2 milhões de veículos este ano, a Fiat Chrysler Automobiles (FCA) promete continuar a investir fortemente em suas operações no Brasil. No momento, a companhia desenha um plano para além de 2017, após o término do programa de R$ 15 bilhões no período 2011-2016, cerca de metade direcionado ao megainvestimento do Polo Automotivo Jeep em Goiana (PE), inaugurado há menos de um ano, além de grandes aportes para a modernização da antiga fábrica da Fiat em Betim (MG) e lançamento de produtos, sendo o mais recente deles a picape Fiat Toro apresentada esta semana (leia aqui), que sozinha consumiu R$ 1 bilhão. “Com os investimentos que continuamos a fazer nós estaremos melhor preparados para quando a economia voltar a crescer”, avalia Stefan Ketter, que assumiu este ano a presidência do grupo FCA na América Latina, após passar cerca de dois anos morando em Recife para coordenar a instalação da planta pernambucana, hoje a mais moderna e eficiente da companhia em todo o mundo.

Ketter trabalha para efetivamente fundar a FCA no Brasil, derrubando as barreiras corporativas internas que ainda separavam a Fiat das marcas do grupo Chrysler, sendo a Jeep a mais bem-sucedida. As áreas sensíveis da administração da empresa estão sendo gradualmente transferidas para a sede da empresa em São Paulo, cortando aos poucos a centralização em Minas Gerais. “O Brasil não é só Minas e a FCA não é só Fiat”, afirma o executivo, que recentemente promoveu o remanejamento de diversos cargos e localizações de pessoas na companhia, deixando a impressão de que mais está por vir.

MAIS AUTONOMIA

Ao mesmo tempo em que realinha o organograma, Ketter quer verticalizar a operação latino-americana, com mais autonomia para desenvolver processos e produtos com padrão internacional de qualidade, abrindo dessa forma mais espaço para exportações. “Não podemos continuar a ser um país que desafia as normas do resto do mundo. O Brasil precisa participar do mundo, não pode ser uma ilha infeliz”, justifica. “Existem empresas que estão se preparando para isso e outras menos. Nós nos enquadramos no primeiro grupo. A Toro é um exemplo disso, o desenvolvimento e design foram feitos aqui. Se não tivéssemos investido para ter uma fábrica e um produto de padrão internacional não teríamos o que exportar. Hoje estamos sendo assediados por outros países que querem comprar a Toro. Isso é muito bom”, comemora.

A nova picape parece ser apenas a primeira de uma série de novo produtos que devem ser desenvolvidos pela FCA no Brasil. “Agora temos mais suporte para fazer aqui e não excluo novos desenvolvimentos. A Toro mostrou que temos capacidade de conduzir aqui todo o design e a engenharia de um produto”, diz Ketter, com a autoridade de quem parece ter ganhado carta branca da matriz para realizar mudanças e agir com autonomia. Além de fazer parte do board mundial da companhia, o executivo também acumula o cargo de vice-presidente de manufatura global, com responsabilidade sobre todas as fábricas do grupo no mundo.

O executivo avalia que mesmo o consumidor brasileiro não aceita mais qualquer tipo de produto. “O mercado mudou, está diferente independentemente da crise econômica. Houve uma transformação na expectativa do cliente, que atualmente pode comparar o carro nacional com milhares de importados que circulam nas ruas de uma capital como São Paulo”, diz Ketter. Nesse sentido, ele acredita que a FCA acertou em cheio com o último produto lançado dentro da nova fase da empresa no Brasil, o Jeep Renegade, que durante 2015 ficou várias vezes entre os 10 carros mais vendidos do País. “Jogamos a carta genial, a única que podíamos, por isso voltamos a dar resultado positivo no segundo semestre do ano passado. A Toro e os próximos lançamentos devem seguir na mesma linha”, afirma. O plano é promover a renovação completa do portfólio no Brasil nos próximos três anos.

PRÓXIMOS PASSOS

A fábrica de Pernambuco tem capacidade para montar até 250 mil unidades/ano de quatro modelos diferentes sobre uma mesma plataforma – e pode ainda fazer mais dois em fase de substituição de produtos, para que a entrada de um novo carro em linha não coloque o antigo para fora, evitando assim a perda de produção na fase de transição. Depois do Jeep Renegade, a Fiat Toro é só o segundo da planta e o terceiro, um outro Jeep, deve começar a ser feito só no ano que vem. A unidade já opera em dois turnos com 7 mil empregados, contando também o parque de fornecedores instalado no mesmo terreno. Com a chegada da Toro, mais mil pessoas estão sendo contratadas, todas já pré-selecionadas.

“A FCA América Latina se propôs a fazer um grande investimento em Pernambuco e agora será a vez de Betim, que segue sendo a maior fábrica do grupo no mundo e altamente competitiva. Sua importância não muda”, explica Ketter. Segundo ele, isso quer dizer que a planta mineira também receberá novos produtos, “mas disso eu não posso falar ainda”, desconversa. O primeiro dessa nova fase deve ser lançado nos próximos meses, será o Mobi, o novo carro de entrada da Fiat.

Sobre o momento atual desfavorável, Ketter repete o coro dos que acreditam que vai passar, como sempre aconteceu antes no Brasil. “O ano começou pior do que se esperava, mas o segundo semestre deve ser melhor. Se tivermos alguns alicerces a retomada pode ser mais rápida do que pensamos”, considera.



Tags: FCA, Fiat, Chrysler, Jeep, investimento, Goiana, Betim, fábrica.

Comentários

  • Tarcisio

    Parabéns sr Ketter afinal vejo um executivo otimista e com visão futura , acreditando que iremos melhorar e nenhuma crise é para sempre

  • André

    FCA tem em Betim grupo de profissionais competentes e muito capazes..

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência