Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Comerciais enfrentam a pior crise no País

Balanço | 04/03/2016 | 17h35

Comerciais enfrentam a pior crise no País

Produção de caminhões caiu mais de 40% no 1º bimestre e a de ônibus, 45,2%

REDAÇÃO AB

A produção de caminhões no primeiro bimestre registrou 9,4 mil unidades, resultando em queda de 40,7% em relação ao mesmo período do ano passado, uma base de comparação já ruim. No caso dos ônibus a retração é 45,2%. “Esta é a pior crise da indústria de veículos comerciais do País”, afirma Luiz Carlos Gomes de Moraes, vice-presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) e diretor de relações institucionais da Mercedes-Benz do Brasil.

- Veja aqui os números da Anfavea

Segundo a entidade, as fábricas do setor têm capacidade ociosa de 74%, maior que a de veículos leves (50%) e de máquinas agrícolas (48%). “Se considerarmos somente o primeiro bimestre a ociosidade chega a 80%”, afirma o presidente da Anfavea, Luiz Moan. Entre os caminhões, o único segmento com produção crescente no período foi o de semileves, com 269 unidades e alta de 22,3%.

LICENCIAMENTOS

As vendas no mercado interno de caminhões registraram 8,3 mil unidades no primeiro bimestre, revelando queda de 35,5% ante igual período de 2015. Moan chama a atenção para a média diária de emplacamentos, que de janeiro para fevereiro caiu de 220 para 214 caminhões por dia útil.

Os modelos médios tiveram o recuo mais expressivo, de 45,9%. Os caminhões pesados registraram quase 2,6 mil licenciamentos no bimestre e tiveram a menor queda, de 13%.

EXPORTAÇÕES

Nos dois primeiros meses de 2016 o Brasil enviou ao exterior 2,5 mil caminhões e anotou leve queda de 3,1% ante o primeiro bimestre do ano passado. Chama a atenção o embarque de 908 pesados, volume 17,3% maior que o anotado no primeiro bimestre de 2015. “Pode ser algo pontual porque as vendas ocorrem sempre em lotes, mas de qualquer forma parece um bom sinal e mostra o empenho da indústria em exportar”, diz Moraes.

ÔNIBUS

Do total de 2,7 mil chassis de ônibus produzidos no primeiro bimestre, 2,2 mil eram modelos urbanos, segmento que teve a queda mais acentuada, de 45,5%. Os 468 modelos rodoviários fabricados no período indicaram retração pouco menor, de 43,6%.

O mercado interno absorveu 1,7 mil ônibus no primeiro bimestre. A queda em relação ao mesmo período de 2015 é de 49,1%. Novamente, Moraes atribui o recuo à falta de confiança, que faz com que os empresários do setor adiem a renovação de suas frotas. A média diária de emplacamentos, que em janeiro foi de 52 ônibus, recuou para 39 em fevereiro.

Vem das exportações o melhor número registrado no bimestre para o segmento. O Brasil embarcou no período 848 ônibus, obtendo crescimento médio de 15,7%. O volume mais expressivo foi de modelos urbanos, com alta de mais de 60%. Já nos modelos rodoviários houve retração de 23,8%.



Tags: Caminhões, ônibus, Luiz Moan, Anfavea, Luiz Carlos Gomes de Moraes, urbanos, rodoviários, semileves, emplacamentos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência