Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Montadoras mantêm cautela nas operações
A partir da esq.: Vilmar Fistarol (CNH Industrial), Roberto Akyiama (Honda), Miguel Fonseca (Toyota) e Helder Boavida (BMW) (Foto: Ruy Hizatugu)

Indústria | 29/03/2016 | 17h58

Montadoras mantêm cautela nas operações

Deterioração do mercado faz empresas repensarem decisões de negócios

SUELI REIS, AB

A deterioração do ambiente econômico está obrigando as montadoras a repensarem suas estratégias e manter a cautela nas operações a fim de se adequarem a esta nova realidade do mercado nacional, cuja demanda segue em queda livre. Neste contexto, os desafios enfrentados por BMW, Honda, Toyota e CNH Industrial foram tema do último painel no VII Fórum da Indústria Automobilística realizado na segunda-feira, 28, por Automotive Business no Golden Hall WTC em São Paulo.

O conservadorismo e o cuidado imperam nas empresas de origem japonesa. No caso da Toyota, a companhia decidiu postergar o início da produção do Corolla na unidade de Sorocaba (SP) onde é feita a família Etios. Em dezembro de 2015, a montadora anunciou investimento de R$ 30 milhões para aumentar sua capacidade e receber o Corolla (leia aqui), que atualmente é produzido apenas em Indaiatuba, também no interior paulista.

“Havíamos identificado uma demanda maior que a oferta para o Corolla o que nos levou a decidir pela sua produção também em Sorocaba, que é uma fábrica bastante flexível, mas ainda está em stand by”, afirma Miguel Fonseca, vice-presidente executivo da Toyota.

Também em modo de espera está a nova fábrica de motores da companhia localizada em Porto Feliz (SP) para a qual a empresa destinou R$ 1 bilhão. Segundo Fonseca, a nova unidade é legitimamente uma filha do Inovar-Auto e a intenção da empresa é torna-la uma base exportadora uma vez que a unidade possui tecnologias únicas de manufatura. No entanto, se mantém cautelosa quanto ao prazo dado anteriormente, de que abriria suas portas ainda neste primeiro semestre.

Além disso, a Toyota desistiu por ora da produção do Prius no Brasil: “Houve a intenção, discutimos o tema, mas pelas circunstâncias atuais não houve construção ou finalização do projeto”.

Por sua vez, o vice-presidente da Honda Automóveis, Roberto Akyiama, explica a decisão que deixou o mercado perplexo em outubro de 2015 ao anunciar o adiamento da inauguração da nova fábrica em Itirapina (SP), cuja capacidade é de 120 mil unidades por ano em dois turnos (leia aqui).

“Se o mercado não está apto para absorver a produção [de Itirapina] por que vou produzir? Foi uma decisão extremamente difícil”, afirmou Akyiama.

O executivo acrescentou que ao produzir acima do volume que o mercado aceita alguém paga a conta. “Embora não tenhamos inaugurado, a fábrica de Itirapina não saiu do seu cronograma e segue com testes de maquinário. Ela está devidamente pronta e preparada para quando o mercado estiver mais estável e não apenas com alguma reação mais pontual”, acentuou. “Como Sumaré tem a mesma capacidade, nós preferimos fazer hora extra lá do que iniciar as operações em Itirapina.”

Por outro lado, afirma que a empresa está reavaliando as alternativas para aumentar sua competitividade na América do Sul a fim de elevar as exportações impulsionadas pelo efeito do câmbio. Ele adianta que o novo Civic que chega no segundo semestre virá com a nova caixa de câmbio CVT, projeto que faz parte do plano de aumentar de 70% para 80% o índice de nacionalização da empresa no Brasil. “Há dois anos investimos em P&D para elevar nossos índices, mas por enquanto não faz parte produzir o CVT aqui”, alerta.

Passada a euforia de sua entrada no segmento de SUV a partir do lançamento do HR-V, a Honda passou a sentir os efeitos do mercado contraído. “A situação do primeiro trimestre já é bastante diferente do que vimos em 2015. O diálogo muito próximo com a rede tem sido fundamental para readequar e reduzir os volumes de acordo com a demanda real.”

Akyiama reforça que com uma capacidade maior que a demanda, a indústria deve repensar o modelo de negócio a partir de uma reflexão profunda, e isso inclui a rede de concessionários. “Já estão em curso alternativas como os negócios de usados e pós-venda na composição da rentabilidade, porque será muito difícil manter os níveis de ganhos dos últimos 10 anos com a venda de novos, que está cada vez mais difícil.”

Em sua participação durante o painel, o presidente da BMW no Brasil, Helder Boavida, prevê 3 anos ainda duros pela frente. “O desafio é encontrar a forma de enfrentar este período. Como um todo, o Brasil ainda é muito focado no mercado interno”, ponderou.

Ele lembra que embora a unidade de Araquari (SC) tenha sido projetada para baixos volumes e ainda dependente de muita importação, ainda é vantagem produzir aqui mesmo com o câmbio desfavorável. Acrescenta que foi o Inovar-Auto que trouxe a fábrica da BMW para o País e que mantém a expectativa de um novo modelo do programa a partir de sua renovação pós-2017.

“Pensando a longo prazo, a BMW acredita no potencial do mercado brasileiro. Apesar da queda do mercado na ordem de 14%, conseguimos manter o market share. Ainda neste ano deveremos incluir mais um produto em Araquari, o sexto modelo em linha”, revelou. Atualmente a unidade fabrica os BMW Série 1, Série 3, X3, X1 e o Mini Countryman.

BENS DE CAPITAL

Para o presidente da CNH Industrial, Vilmar Fistarol, que também participou do debate, os desafios e dificuldades para o setor de bens de capital são os mesmos quando comparado com a indústria em geral. Embora sob a ótica da agroindústria a situação é um pouco melhor, sendo ela responsável por 25% do PIB, a velocidade de reação é mais lenta e o setor já se deu conta de que não pode esperar ajuda do governo.

“Temos uma nova expectativa de safra recorde, mas o setor continua patinando. O que falta? Confiança. Se conseguir separar um pouco a economia e a política, acredito que teremos números mais interessantes para a agroindústria. É um setor que carece de empurrão para continuar investindo”, afirmou.

Fistarol alerta que só mecanizar não atende toda a necessidade do setor e que o foco se volta agora para a produtividade. “Ser mais produtivo é necessário tanto para o grande quanto para o médio e pequeno produtor. As janelas de intervalos entre plantio e safras são cada vez menores. Só tem um caminho, ser mais produtivo”.

Para isto, o executivo aponta que no geral para trazer tecnologia para o País precisa de algum incentivo. “Acredito que o Inovar-Auto foi sim um programa acertado, porque por algum lugar se deve começar, mas existem maneiras de fazer diferente e distribuir melhor o resultado. O desafio é elencar quais elos necessitam mais e permitir não só a importação, mas dar condições de se produzir mais por aqui. Localizar continua interessante e exportar é importante, mas a volatilidade é muito grande. Isso impacta na qualidade e na logística”, defendeu.

Ele declara que a experiência do Grupo CNH tem sido muito positiva na América do Sul desde a mudança de estrutura da companhia que mantém sob sua alçada os diferentes segmentos da indústria de bens de capital, como caminhões (Iveco), máquinas agrícolas e de construção (Case e New Holland), motores diesel e transmissões (FPT).

“É um trabalho conjunto apesar de estruturas independentes que têm gerado sinergias importantes. Não é fácil, mas nestes 2,5 anos de reestruturação, uma aprende com a outra apesar de concorrentes entre si [caso da Case e New Holland] e com as melhores práticas.”



Tags: Montadoras, estratégias, Fórum da Indústria Automobilística, Honda, Toyota, BMW, CNH Industrial.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência