Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Powertrain | 13/04/2016 | 16h32

Mahle desenvolve componentes para motor global flex

Conceito visa maior eficiência com melhores taxas de compressão

REDAÇÃO AB

A Mahle Metal Leve está em processo de desenvolvimento de componentes no Brasil para equipar um novo tipo de motor que a empresa vem denominando como global flex. O objetivo é reduzir drasticamente a ineficiência que os propulsores flex têm com relação aos demais que utilizam somente um tipo de combustível alcançando a melhor taxa de compressão - próxima ao equilíbrio - para que seja adequada para ambos.

O global flex vem sendo estudado há algum tempo pela equipe de engenheiros do Centro Tecnológico Mahle, localizado em Jundiaí (SP). Além disso, tem sido amplamente debatido pela Frente Inovar-Auto do Sindipeças, grupo do qual a Mahle faz parte e que tem feito profundas discussões técnicas sobre definições dos melhores caminhos a serem adotados e apontando esta como uma das soluções mais completas e importantes para a indústria nacional.

“A Mahle vem avaliando qual seria a melhor combinação tecnológica que levaria esse motor aos melhores resultados de eficiência e redução de emissões. Sem contar que o global flex também colocaria o Brasil em destaque como uma plataforma de fornecimento de engenharia. O motor daria a chance para a engenharia nacional se posicionar internacionalmente na liderança do desenvolvimento de soluções para a redução de CO2 em curto espaço de tempo, além de colaborar para ajudar a equilibrar a balança comercial com a redução da importação de gasolina”, aponta o gerente de inovação do centro tecnológico da Mahle, André Ferrarese.

DESAFIO TECNOLÓGICO

Um dos grandes entraves para um melhor rendimento dos atuais motores flex do mercado brasileiro é a taxa de compressão, em torno de 10 ou 11:1, que precisa estar a meio termo do que seria ideal para cada um dos combustíveis: em torno de 9:1 para a gasolina e perto de 14:1 para o etanol. Isso significa que os motores flex não são tão eficientes com nenhum dos dois combustíveis e muito menos com a mistura de ambos.

Com algumas tecnologias já existentes, como o turbo, a injeção direta e os comandos de válvulas variáveis se conseguiria um bom grau de melhora dos motores bicombustíveis. Com alimentação direta e com o turbo com comando eletrônico, por exemplo, já é possível obter uma melhora de até três pontos a mais na taxa de compressão. Isso significa que um motor flex com uma taxa de compressão geométrica de 10:1 pode passar a ter nova taxa de compressão efetiva de até 13:1. Como resultado, pode usar maior porcentual de etanol tirando maior proveito das suas qualidades, obtendo maior eficiência e, consequentemente, emitir menos CO2, além de economizar com a importação da gasolina.

Segundo a empresa, outra solução desejável para melhorar o desempenho dos motores flex seria a utilização de combustíveis de melhor qualidade, com maior octanagem, o que depende de decisões governamentais e da ANP (Agência Nacional do Petróleo), órgão regulador do combustível básico utilizado no Brasil. Um estágio ainda mais avançado, mas que expandiria ainda mais a eficiência dos motores a combustão interna exige a taxa de compressão variável, mas o dispositivo de desenvolvimento é complexo e com custos significativamente altos atualmente.

Para a empresa, independente de todas as vantagens tecnológicas que seriam conseguidas com o motor global flex, essa seria uma tecnologia extremamente positiva para o País: com motores mais eficientes e mais próximos dos produzidos em outros continentes, seria aberta uma possibilidade ainda mais competitiva de exportação de veículos. Além das divisas que seriam resultantes dessa prática (para governo e exportadores) traria a vantagem extra de usar parte da capacidade ociosa atual da indústria automobilística no País, hoje próxima de 50%.



Tags: Mahle, motor, global flex, eficiência, Inovar-Auto, etanol, gasolina.

Comentários

  • Guilherme

    Na realidade 9:1 para o etanol e 14,7:1 para a gasolina pura. Na prática, quando a gasolina continha 25% de etanol a sua mistura estequiométrica era de: 0,75 x 14,7 + 0,25 x 9 = 13,3 kg de ar para cada kg de gasolina. Recentemente esse índice mudou para 27% de etanol, então a relação atual mudou para: 0,73 x 14,7 + 0,27 x 9 = 13,2 kg de ar para cada kg de gasolina.

  • Ralf

    No comentario acima as razões de compressão estão trocadas. Como consequencia o resultado também não reflete a taxa de compressão ideal.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência