Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Geely encerra temporariamente operação no Brasil
Compacto GC2 da Geely apelidado de ''Pandinha'' é um dos dois únicos veículos da marca vendidos no Brasil

Mercado | 26/04/2016 | 19h55

Geely encerra temporariamente operação no Brasil

Matriz decide que prioridade ainda será do Grupo Gandini caso o mercado retome

REDAÇÃO AB

A Geely Motors do Brasil confirmou que encerra suas atividades no País a partir de um acordo com a matriz na China. Por meio de comunicado divulgado na terça-feira, 26, a empresa informa que a interrupção é temporária: caso o mercado interno volte à normalidade, com melhores indicações para os negócios, a prioridade de reiniciar as importações ainda será do Grupo Gandini, que representa a marca chinesa aqui e pertence a José Luiz Gandini, também presidente da coreana Kia no Brasil.

Também por meio de sua assessoria, a Geely Motors do Brasil informa que atribui a decisão ao fraco desempenho das vendas no mercado interno e que já vinham declinando desde 2014, quando a empresa iniciou suas operações por aqui com a importação do primeiro modelo, o sedã EC7, com montagem feita na fábrica da Nordex no Uruguai. À época, a unidade havia recebido o equivalente a US$ 37 milhões para montar o modelo em sistema de CKD (leia aqui).

Também houve dificuldades da filial brasileira com a matriz em negociar o preço FOB dos veículos: a empresa argumenta que ficou sem condições de sustentar a alta do dólar. A impossibilidade de trazer outros modelos fora da cota de importação do Uruguai também foi apontada como fator determinante para interromper as atividades da marca no Brasil.

Ainda segundo sua assessoria, a Geely continuará vendendo seus únicos dois veículos no mercado brasileiro disponíveis na rede pelo mesmo preço sugerido em tabela desde seus lançamentos: o sedã EC7, lançado em março de 2014, por R$ 49.900 e o compacto GC2, também montado no Uruguai e que chegou em agosto daquele mesmo ano, por R$ 29.900 (leia aqui).

Desde que começou a vender seus veículos no País, a Geely emplacou um total de 1.019 unidades entre o sedã e o compacto. Em 2014, vendeu 186 unidades e em 2015, 651. No primeiro trimestre deste ano, a Geely informa que licenciou 182 carros no Brasil.

A Geely foi uma das diferentes fabricantes chinesas que apostaram no mercado brasileiro, chegando a cogitar a construção de uma fábrica no Brasil durante o Salão do Automóvel de 2014 (leia aqui), plano que deverá esfriar também por tempo indeterminado nas gavetas da matriz na China.



Tags: Geely, Grupo Gandini, EC7, GC2, José Luiz Gandini.

Comentários

  • Carlos Polesello

    Não sei como ainda tem gente que compra carro destas montadoras paraquedistas. É melhor comprar um peladinho nacional do que um completinho destes países que fazem o que querem no Brasil. Abrem concessionárias como eu troco de calça. Depois ficam a mercê do mercado que não paga nada pelo carro. O peladinho tem peça na esquina o completinho sei lá como.

  • Júlio César

    Carros Asiáticos tem sido a procura e também a dificuldade de conseguir peças na reposição automotiva.Tenho observado que a questão de Táxi e mais recentemente Uber tem uma frota a ser considerada.Como vizinhos do Uruguai ,Porto Alegre primeira cidade a receber a loja de revenda autorizada.A primeira concessionária foi inaugurada no dia 1º de abril (2014), em Porto Alegre, a Geely Sun Motors, pelo empresário Jefferson Fusternau.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência