Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Legislação | 29/04/2016 | 18h12

Brasil e Peru antecipam livre comércio de veículos em 3 anos

Medida que era prevista para 2019 passa a valer de imediato para leves e picapes

REDAÇÃO AB

O Brasil e o Peru anteciparam em três anos o livre comércio de veículos em um acordo assinado na sexta-feira, 29, em Lima, na capital peruana, pelo ministro Armando Monteiro, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Mauro Vieira, ministro das Relações Exteriores (MRE) e Magali Silva, ministra peruana do Comércio Exterior e Turismo. A medida, que passa a valer de imediato, já era prevista no Acordo de Complementação Econômica (ACE 58), mas só se consolidaria em 2019.

O Peru é um dos poucos países na América do Sul que não produz veículos. Seu mercado de leves soma cerca de 160 mil unidades por ano, um dos menores volumes da região. O Brasil participa atualmente com apenas 3% deste total. Com a nova condição de livre comércio, a expectativa é ampliar as vendas para o país andino.

A antecipação do livre comércio foi um dos itens dentro do Acordo de Ampliação Econômica Comercial Brasil – Peru firmada pelos dois países representados por seus ministros. Neste âmbito, prevê a liberação de serviços, abertura dos mercados de compras públicas e inclui um capítulo de investimentos nos moldes dos Acordos de Cooperação e Facilitação de Investimentos que já foram assinados com outros países da América Latina e da África.

Com isso, o Brasil estabelece o seu primeiro acordo internacional de compras governamentais. A partir dele, as licitações peruanas de bens e serviços passam a estar automaticamente abertas para as empresas brasileiras, bem como as licitações brasileiras estarão abertas para as empresas peruanas. No Peru, a participação de empresas brasileiras em algumas licitações vem sendo prejudicada pela exigência de depósito, em instituição financeira peruana, de montante não inferior a 5% de sua capacidade máxima de contratação. Essa exigência não se aplica a empresas peruanas e empresas de outros países com os quais o Peru tem acordos na área de contratações públicas.

Portanto, com a implementação deste acordo, essa situação passa a ser superada e as empresas brasileiras passam a ter condições equivalentes de acesso. A oferta peruana é ampla, abrangendo praticamente a totalidade das entidades de nível central e algumas estatais. Do lado brasileiro, constam entidades do nível central do governo. Foram resguardados os espaços para a implementação de políticas públicas pelos países.

Na área de serviços, os compromissos peruanos são equivalentes aos consolidados pelo país no âmbito do Tratado Trasnspacífico (TPP) e da Aliança do Pacífico. Prestadores de serviços brasileiros passam a ter condições de participação em setores de grande interesse, como tecnologia de informação e comunicação, serviços de turismo, de transporte, de engenharia, de arquitetura e de entretenimento.

Na área de investimentos, há previsão para o estabelecimento de agendas de cooperação e facilitação de investimentos em áreas potenciais para o fomento de um ambiente mais dinâmico para os negócios. A partir deste acordo firmado com o Peru, o Brasil passa a contar com Acordos de Cooperação e Facilitação de Investimentos com todos os países da Aliança do Pacifico (Peru, Chile, Colômbia e México).



Tags: Livre comércio, Brasil, Peru, acordo, ACE 58.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência