Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Trabalho | 09/05/2016 | 19h20

Metalúrgicos param Ford de São Bernardo do Campo por 24h

Empresa e sindicato terão nova rodada de negociações na terça-feira, 10

REDAÇÃO AB

Os metalúrgicos da Ford em São Bernardo do Campo (SP) decidiram paralisar a unidade após assembleia realizada na manhã da segunda-feira, 9, pelo período de 24 horas em resposta à pauta de ajustes apresentada pela montadora ao sindicato da categoria no ABC na semana passada. Segundo a entidade, a empresa informou que não pretende renovar sua adesão às ferramentas de flexibilização e que estão sendo utilizadas atualmente pela companhia: o Programa de Proteção ao Emprego (PPE) e o layoff. A Ford alega que tem 1.110 pessoas excedentes na fábrica.

Ainda de acordo com o sindicato, a pauta inclui também a revisão de cláusulas do acordo coletivo, referentes a alteração na tabela salarial, pagamento de PLR e congelamento de salários, além de serviços oferecidos ao trabalhador, como plano médico, transporte e alimentação. Na terça-feira, 10, quando os trabalhadores retornam ao trabalho, sindicato e montadora terão nova rodada de negociações.

“Nossa paralisação de hoje foi um alerta à direção. Queremos construir alternativas conjuntas, de forma responsável, mas os trabalhadores estão deixando claro que estão dispostos a lutar pela manutenção dos seus empregos e direitos”, declarou o presidente do sindicato dos metalúrgicos do ABC, Rafael Maques. “Nós concordamos em discutir a competitividade, como fazemos sempre com as montadoras sediadas aqui no ABC, mas nesse momento, entendemos que fazer isso é justamente continuar utilizando mecanismos como PPE e layoff”, acrescentou.

O dirigente relembrou que até 2013 o mercado automotivo brasileiro era um dos que mais crescia em todo mundo, o que possibilitou grandes ganhos às empresas. “Crescemos em ritmo chinês: de 2004 a 2015 as montadoras brasileiras remeteram US$ 24,5 bilhões às suas matrizes no exterior, o que ajudou no enfrentamento da crise dos EUA e da Europa. Agora esse fluxo se inverteu. As matrizes estão enviando recursos e as direções mundiais estão exigindo como contrapartida duros ajustes em suas fábricas brasileiras. Não podemos aceitar essa lógica e vamos lutar para reverter isso”, disse.

“A Ford é uma das montadoras que mais importam peças. Quando o dólar começou a inverter a tendência, abordamos esse assunto com a fábrica e sugerimos que ela montasse uma equipe para nacionalizar as peças, pois seria bom para a empresa e para o País. Isso não foi feito e, hoje, com o dólar alto, o custo das peças importadas pesa bastante. Além disso, a Ford não utiliza as ferramentarias brasileiras. O Inovar-Auto oferece vantagem fiscal para as empresas que desenvolvem o seu ferramental no Brasil e eles não souberam aproveitar. Há problemas sim no mercado brasileiro, mas há também problemas na direção da empresa no Brasil e no mundo. E o trabalhador não pode pagar por isso”, reforçou.

Na unidade do ABC, a Ford tem atualmente 3,8 mil trabalhadores, dos quais cerca de 3 mil estão cumprindo o PPE e 400 estão em layoff, com jornada reduzida em 20%.



Tags: Ford, metalúrgicos, sindicato, São Bernardo do Campo, paralisação, PPE, layoff.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência