Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Keiper para Fiat e VW por falta de bancos
Volkswagen de São Bernardo (foto) interrompeu produção na segunda, 16

Autopeças | 17/05/2016 | 18h32

Keiper para Fiat e VW por falta de bancos

Problema expõe dificuldade de fornecedores em negociar com fábricas

MÁRIO CURCIO, AB

Texto atualizado em 31/05/2016 às 13:53 para correção de informação. Diferente do publicado anteriormente, as unidades em Betim e Contagem não pertencem mais à Tower.

A Keiper suspendeu o fornecimento de bancos às três fábricas da Volkswagen e à Fiat de Betim (MG). As unidades VW de São Bernardo do Campo e Taubaté (leia aqui) estão com a produção interrompida desde segunda-feira, 16, e a fábrica paranaense de São José dos Pinhais parou na terça, 17. Em Betim e Contagem (MG), as unidades da Keiper (que pertenciam à Tower e vendidas à Keiper em dezembro de 2015) e da Mardel, suspenderam o fornecimento de componentes para bancos à Fiat, que permanece parada desde segunda, 16.

O problema expõe a dificuldade que fornecedores enfrentam para negociar com grandes montadoras. Segundo a Fiat, Keiper e Mardel interromperam a entrega de componentes e estruturas metálicas soldadas na quinta-feira, 12. A fabricante de Betim se queixou que estava em negociação com os fornecedores e “foi surpreendida pela medida”.

Procurada por Automotive Business, a Keiper não se pronunciou a respeito. Em relação ao fornecimento à VW, a empresa informou ao site G1 que cobra da montadora uma dívida por desacertos em vários contratos e que reajustes de preços acordados e não foram concedidos.

Uma liminar expedida pela 2ª Vara Cível de São Bernardo do Campo no início da noite da segunda-feira obriga a empresa a retomar o fornecimento em 24 horas, com multa diária de R$ 500 mil em caso de descumprimento. A Keiper irá recorrer da decisão por não ter como cumpri-la, uma vez que boa parte de seus funcionários estaria em férias.

A paralisação em Betim gera efeito direto sobre uma dezena de outros fornecedores, principalmente de Minas Gerais, que também poderão ter de parar a produção. A Fiat estima que 50 mil trabalhadores ficarão parados na região.



Tags: Keiper, bancos, VW, Volkswagen, Fiat, Tower, Mardel.

Comentários

  • Haroldo

    O sistema de empurrar com a barriga uma hora tem que chegar ao fim ou colocará um fim em vários fornecedores do segmento. São reajustes devidamente comprovados que as montadoras, num sistema clássico de sufocar sua rede de suprimentos, se negam a repassar, ou repassam quando julgam conveniente. Os fornecedores não tem como suportar essa situação e a medida extrema é a paralização como forma de forçar a solução para não acabar como muitas e muitas empresas no setor que sucumbiram justamente por não tomarem as decisões corretas no momento certo.

  • Bernard Beckett

    Esta história está ficando cada vez mais interessante! Devo confessar que fico de pé para aplaudir a Keiper. Os executivos desta companhia são de uma firmeza jamais vista. Invejável! Só assim para colocar as montadoras no lugar que elas merecem. Tenha esperança destas montadoras mudarem a postura e aprenderem com a Keiper. O mais interessante é que descobri que existe um mulher durona comandando o caso. Essa mulher é mais homem que muito homem. Parabéns Keiper!!!

  • Alexandre Vernegário

    Estou gostando deste balanço no mercado que a Keiper está fazendo. Como fornecedores, não podemos ser escravos das montadoras. Elas estão abarrotadas de carros e estão jogando a culpa da parada de produção na Keiper, mas ela já está com férias planejadas em todas as plantas. O mesmo acontece na Fiat que falou que parou por causa das empresas pertencentes ao Grupo da Keiper, mas na verdade está parada e não vai voltar a produzir nesta semana. e olha que fiquei sabendo que teve acordo entre Mardel e Tower com a Fiat e as empresas da keiper voltaram a entregar, mas a Fiat não está recebendo as peças... Quanta ironia das montadoras. Elas são piores do que os nossos governantes... Keiper, tô junto com vocês!

  • Ruan

    Excelente postura da Keiper. Sempre presenciei a postura rígida das montadoras, principalmente a VW, onde muitas vezes humilham os fornecedores. Agora é um situação inversa, mas a Keiper não está humilhando ninguém, ao contrário ela chama a atenção do país inteiro (acho que até do mundo) para uma solução. Sei que ela tem fundamentos para fazer o que faz. A Keiper teve outros donos e já perdeu muito com a VW. Por isso que ela precisou ser comprada por um Grupo forte e que está colocando ordem na situação. Se a VW não quer resolver então é só deixar de explorar os fornecedores. Acho que a Keiper está sendo um grande exemplo para toda a cadeia de fornecedores e certamente encorajará outros a fazer o mesmo. Já pensou se vários se unirem contra os desprejos e prejuízos da VW? Vai ser algo interesasante de ver, mas certamente botará fim ao caso de uma forma geral.

  • Romeu de Lima

    Olha que engraçado, a VW culpa a Keiper pela falta de peças, mas vai entrar de férias em todas as plantas... Acho que ela está arrumando um culpado, mas na verdade ela já pretendia parar de produzir... É melhor a VW assumir que já está cheia de carros e que não está conseguindo vender. Talvez se abaixar o preço dos carros as vendes melhorem.

  • Margarete

    Parabéns a Keiper! Não entendo porque as montadoras reclamam a falta de peças se elas mesmas já tinham anunciado férias. Acho que o grande problema são os estoques elevados de carros e a montadora precisava achar um culpado para não ser a vilã do caso. O ideal seria as montadoras reduzir os preços dos carros para melhorar as vendas, produção e toda a cadeia de fornecimento. É claro que negociações que permitam que seus fornecedores possam ter equilíbrio financeiro.

  • Ecelso Zanato

    Essa história de bancos automotivos está interessante; comprei recentemente um Onix, cujo banco do motorista começou a ranger feito cama velha. A concessionária me emprestou um banco até que seja consertado o original, que segundo eles, apresentou defeito estrutural. Bom saber quem é que fabrica essas coisas... Recall, nem pensar!

  • RICARDO

    O governo deveria interceder pois os fornecedores não estão suportando mais , estão no meio de duas grandes potencias , usinas e montadoras , as usinas aplicam aumento sem negociação e as montadoras não repassam integralmente e quem sofre são os fornecedores , fica mais injusto ainda pois com a politica do governo do PT de dar aumento real aos trabalhadores só aumentaram o custo das fabricas, e que as montadoras não repassam integralmente também, resultado deste sistema e que nos últimos 20 anos vi muitos fecharem as fabricas.

  • Andre Santos

    Trabalhei na Volkswagen por muitos anos na area de compras, fico indignado com esses comentarios desses Senhores que nao tem a minima condicao de opinar pois sequer sentaram a mesa de negociacao com uma Keiper e Prevent. A Keiper/Prevent pratica estorcao, compra empresas que estao falindo por ma administracao e que dependem da VW e tiram dinheiro das montadoras a forceps, param os fornecimentos e exigem ora 10 ora 20 ora 30 milhoes para voltarem a fornecer, investem esses valores estorquidos em outras empresas que dependem das montadoras e assim por diante. Mentem descaradamente e jogam de forma suja sem nenhum pudor. Nunca a Volkswagen deixou de cumprir compromissos com a Prevent/Keiper do contrario pude constatar em locuo varios exemplos, nao cumprem acordos, pois sao desooportunistas, mentiros, inescrupulosos.

  • Silva

    Meu caro, não é somente a Keiper/Prevent são várias empresas que estão no sufoco, não só por uma questão administrativa ou de crise e sim por a Volkswagen se achar no direito de fazer oque bem entender, são pedidos de puxadasde materiais que não cumprem, reajustes que não aceitam o repasse, escravizar os fornecedores até a falência.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência