Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Suzuki e Nissan são acusadas de fraudar motores

Internacional | 18/05/2016 | 17h13

Suzuki e Nissan são acusadas de fraudar motores

Assim como VW, empresas podem ter burlado testes de consumo e emissões

REDAÇÃO AB

As fraudes em testes de consumo e de emissões se mostram cada vez mais recorrentes na indústria automotiva. Uma leva de empresas japonesas está sob investigação por burlar as regras. Além da Mitsubishi, agora Suzuki e Nissan estão na mira. A primeira declarou na quarta-feira, 18, que realizou testes de eficiência energética diferentes dos regulamentados atualmente no Japão. A montadora usou métodos de análise de 2010 em 16 modelos vendidos no país.

A empresa assegura que a situação não foi intencional. “Pedimos desculpas por não seguir as regras”, declarou o CEO da companhia Osamu Suzuki, à imprensa da região. A companhia garante ainda que novos testes foram feitos dentro da legislação atual e os dados obtidos nas medições não são muito discrepantes.

A Suzuki calcula que a situação afeta 2,1 milhões de veículos no Japão, mas que nenhum carro exportado está envolvido. A empresa se especializou na produção de minicarros, modelos equipados com motores de até 660 centímetros cúbicos bastante populares no país. Estes veículos recebem incentivos tributários do governo e a empresa detém um terço deste mercado.

O posicionamento da Suzuki acontece apenas após a Mitsubishi ter se envolvido em escândalo por supostamente burlar as regras de consumo de combustível com seus carros. Diante do caso, o governo japonês anunciou que levantaria dados de eficiência energética de todas as montadoras

COREIA DO SUL INVESTIGA NISSAN

Já a Nissan é acusada de fraudar testes de emissão na Coreia do Norte. O governo do país quer multar a fabricante japonesa em US$ 279,9 mil por burlar a legislação da região com o Qashqai, além de obrigar a empresa a realizar recall.

Esta é a primeira vez que a companhia é acusada formalmente em um caso do gênero. A empresa teria sido pega em testes realizados por autoridades da região como consequência do escândalo do Grupo Volkswagen. Foram analisados mais de 20 carros a diesel, mas só a Nissan teve problemas com os resultados.

Autoridades coreanas constataram que os dispositivos responsáveis por reduzir o nível de emissões do carro param de funcionar quando o motor atinge temperatura de 35 graus, o que acontece cerca de 30 minutos depois de o automóvel começar a funcionar. Há carros que desligam o sistema de controle de emissões quando chegam a 50 graus para prevenir superaquecimento, mas nenhum outro modelo faz isso em temperatura tão baixa quanto o Qashqai, indicam as autoridades.

Há controvérsias acerca da decisão do país asiático. O veículo é fabricado na planta de Sunderland, na Inglaterra, que garante que testes feitos na região não indicam qualquer evidência de fraude. Apesar disso, a análise feita no Reino Unido foi focada em modelos Euro 5, enquanto os testes coreanos foram realizados em carros Euro 6.

Os veículos da marca também foram submetidos a testes da União Europeia, que concluiu que a montadora não usa nenhum dispositivo ilegal para mascarar suas emissões. A Nissan nega com veemência as acusações da Coreia.

MONTADORAS NA MIRA
Conheça as empresas que já foram questionadas sobre o controle de consumo e de emissões de seus veículos:

-Grupo Volkswagen: a companhia alemã é responsável pelo dieselgate, um dos maiores escândalos da história da indústria automotiva. A empresa admitiu ter fraudado as emissões de 11 milhões de carros vendidos em vários países, incluindo o Brasil (leia aqui). O problema, que afeta veículos das marcas Volkswagen, Audi e Porsche, motivou a renúncia do presidente do Grupo, Martin Winterkorn, que foi substituído por Matthias Müller. Com o caso, descoberto em setembro de 2015, a organização chamou a atenção para a possibilidade de fraude em outras montadoras.

-Mitsubishi: em abril deste ano foi a vez de a empresa japonesa entrar na mira das investigações. Inicialmente a indicação era de que a fabricante japonesa teria fraudado informações de consumo de combustível de 625 mil minicarros, modelos vendidos no Japão com motores de até 660 centímetros cúbicos. Há suspeitas, no entanto, de que o número de veículos envolvidos pode ser muito maior, com carros produzidos desde 1991. Em meio ao escândalo, Tetsuro Aikawa, presidente da companhia, renunciou ao cargo.

-Suzuki: diante da crescente investigação do governo japonês, a empresa decidiu vir a público e anunciar que usou método antigo para testar o consumo de seus carros. A empresa garante que o falha não foi intencional e que os resultados não são tão diferentes dos que seriam obtidos caso a companhia utilizasse o método correto. Segundo a fabricante, a situação afeta 2,1 milhão de unidades vendidas no Japão.

-Nissan: é a segunda empresa a ser acusada oficialmente de fraude depois da Volkswagen. Motivadas pelo escândalo da montadora alemã, autoridades da Coreia do Sul decidiram testas veículos vendidos no país e constataram que o Qashqai pode recorrer a um software ilegal para reduzir as emissões de poluentes do motor. A Nissan nega ter utilizado este recurso.

-Opel: entidade de defesa do meio ambiente alemã acusa a marca europeia da General Motors de instalar software em seus carros a diesel que desliga o controle de emissões em algumas situações. O CEO da companhia, no entanto, Karl-Thomas Neumann, assegura que as acusações não têm qualquer fundamento.



Tags: emissões, consumo, fraude, Suzuki, Nissan.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência