Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
As 7 megatendências mundiais para o setor automotivo

Negócios | 25/05/2016 | 11h13

As 7 megatendências mundiais para o setor automotivo

Fatores indicam cenário de transformação para a indústria

FERNANDO CALMON, PARA AB

Segundo a Fundação Dom Cabral, “megatendências são baseadas em expectativas generalizadas, originadas das mudanças estruturais que já são observadas na sociedade, natureza e nas relações entre economias”. Pode ser até palavra da moda, mas nada se planeja no mundo, atualmente, desconsiderando esses conceitos. E no setor autoindustrial, então, nem pensar em qualquer passo adiante, mesmo em curto prazo, sem analisar com uma lupa essas interações.

Um dos mais recentes e completos estudos é de autoria de Dave Leggett, editor-chefe do site inglês just-auto, no qual este colunista atua como correspondente no Brasil há 10 anos. O trabalho, longo e detalhado, denomina-se “Uma avaliação das megatendências que conduzirão as mudanças na indústria automobilística”. No sumário executivo ele aponta sete megatendências.

Mundo em crescimento, urbanizado e multipolar – Possibilidades e desafios são imensos. Uma crescente classe média nos países em desenvolvimento está no centro dessa nova onda de consumo. A imensa população indiana e sua baixa taxa de motorização atraem oportunidades que também existem em outros emergentes e regiões do mundo.

Mais consolidação industrial adiante – Novas alianças entre marcas são possíveis para dividir custos e reforçar presença global. A fragmentada indústria chinesa encara considerável reorganização. No setor de autopeças, as fusões estão ocorrendo pelo rápido crescimento em tecnologias avançadas como conectividade e eficiência do trem de força.

Carros mais “verdes” aceleram – Indústria está sob pressão para diminuir emissões de CO2. Opções de trem de força permanecem fragmentadas, com dominância crescente de motores a gasolina de três e quatro cilindros. Participação de diesel na Europa cairá na esteira do “dieselgate” da VW e da chegada de motores a gasolina menores e mais eficientes.

Novos modelos de negócio proliferam – No dinâmico espaço da mobilidade pessoal, as companhias que abraçarem tendências, a exemplo do Uber, crescerão. Compartilhamento de carros por meio de frotas ou “clubes” e plataformas desse tipo vieram para ficar. Fabricantes podem evoluir de sua função primária para provedores de serviços de mobilidade.

Carros autônomos estão chegando – Desenvolvimento é rápido, em diferentes níveis de assistência ao motorista. A indústria caminha para o automóvel autônomo, mas não há cronograma claro e grandes obstáculos permanecem.

Pessoas e carros conectados – A revolução do telefone inteligente está sacudindo o conceito de entretenimento. Rápidas mudanças tecnológicas levarão a uma batalha entre a conectividade por meio de sistemas existentes a bordo e os que já estão disponíveis no celular.

Revolução digital põe o cliente no topo – Vendas ao consumidor final mudarão de foco no produto para se concentrar no comprador. Novas estratégias fundirão atendimento na loja, online e em dispositivos móveis (celular e tablete) para melhorar a experiência de compra. Incluem marketing personalizado e gerenciamento de relações com o cliente. Nas grandes cidades haverá centros de marcas com o crescente uso de estratégias digitais em substituição ao relacionamento tradicional cliente-concessionária.



Tags: tendência, futuro, negócios, tecnologia.

Comentários

  • Francisco Leme Galvão

    E entre os carros elétricos os usando como fonte de energia ou as DEFC Direct Ethanoll Fuel Cells abastecidos a álcool ou as Baterias de Fluxo com combustíveis nano-elétricos, ambos modelos sem as limitações de alcance dos atuais.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência