Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 25/05/2016 | 15h58

Com etanol, Brasil evitou 352 milhões de toneladas de CO2

Estudo considera ganhos com frota flex e com álcool anidro na gasolina

REDAÇÃO AB

Nos últimos 13 anos, ao abastecer o carro flex com 100% de etanol ou gasolina, que hoje contém até 27% do biocombustível misturado, o brasileiro evitou que 351.987.394 toneladas de CO2 fossem despejadas na atmosfera. Segundo o consultor de emissões e tecnologia da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Alfred Szwarc, esta marca tem volume superior à soma das emissões anuais de cinco países sul-americanos em 2014.

“Hoje, o mundo tem o desafio de ‘descarbonizar’ o segmento automotivo. Nesse esforço para substituir fontes fósseis por renováveis, entre os combustíveis carburantes líquidos, o etanol se apresenta como a melhor solução por conta da sua insuperável capacidade de redução das emissões de CO2, que pode ser de até 90% se comparada à gasolina e 80% em relação ao diesel”, observa Szwarc.

De acordo com o executivo, o volume de praticamente 352 milhões de toneladas de CO2 evitadas graças à utilização do biocombustível de cana desde março de 2003 (quando a tecnologia flex foi lançada no Brasil) a março deste ano é muito maior do que as quantidades do CO2 emitidas em 2014 por Argentina (190 milhões de toneladas), Peru (53,1 milhões t), Equador (35,7 milhões t), Uruguai (7,8 milhões t) e Paraguai (5,3 milhões t). “Ou até em relação à Polônia (317 milhões t), um dos grandes emissores mundiais de gases causadores do efeito estufa”, complementa Szwarc.

Ainda segundo a metodologia de compensação de emissões de carbono utilizada pela SOS Mata Atlântica, a mitigação de CO2 proporcionada pelos carros flex é equivalente ao resultado que seria obtido com o plantio e manutenção de mais de 2,5 bilhões de árvores nativas ao longo de 20 anos. Todos esses dados podem ser consultados no "Carbonômetro", ferramenta criada pela Unica e disponível no site www.etanolverde.com.br.

Vale registrar que a redução de quase 352 milhões de toneladas de CO2 não computa o que foi evitado pela frota remanescente de cerca de 748 mil veículos movidos exclusivamente a etanol, bem como por mais de 4 milhões de motocicletas, 58 ônibus (na cidade de São Paulo) e cerca de 500 aviões agrícolas (Ipanema) que também utilizam o biocombustível.

No Brasil, levantamentos mensais da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) indicam que, em média, aproximadamente 90% dos veículos leves novos licenciados são equipados com tecnologia flex. Mais de 25 milhões de automóveis brasileiros rodam com etanol, gasolina ou a mistura dos dois combustíveis em qualquer proporção, o que representa aproximadamente 69% da frota de passeio em circulação.

São mais de 200 modelos produzidos por 19 montadoras instaladas no País: Audi, BMW, Chevrolet, Mercedes-Benz, Fiat, Volkswagen, Ford, Hyundai, Citroën, Honda, Kia, Toyota, Mitsubishi, Nissan, Peugeot, Renault, JAC, Jeep e Chery.



Tags: Etanol, flex, Unica, cana-de-açúcar, Alfred Szwarc, Carbonômetro, Anfavea.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência