Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 23/06/2016 | 18h35

Kia pode fechar o ano com queda acima dos 35%

Gandini estima vendas entre 10 mil e 11 mil unidades em 2016

MÁRIO CURCIO, AB | De Itu (SP)

A Kia deve fechar o ano com queda superior a 35% na comparação com 2015. A média mensal de vendas da marca no Brasil, que no ano passado superava 1,3 mil veículos por mês, está atualmente abaixo de 840 unidades. “Devemos fechar 2016 com 10 mil a 11 mil unidades”, estima o presidente da empresa, José Luiz Gandini.

O executivo falou a Automotive Business durante o lançamento do Sportage 2017 (leia aqui). Sem fábrica própria e com cota de importação restrita a 4,8 mil unidades, Gandini, que também preside a Abeifa (associação que reúne importadores e alguns fabricantes), batalha com o governo a retirada dos 30 pontos extras de IPI, mas ele sabe da dificuldade de obter êxito no momento: “Com as discussões atuais e a operação Lava Jato, a tributação de importados se tornou um assunto banal para eles”, afirma Gandini.

Nem mesmo a chegada em setembro do sedã Cerato vindo da nova fábrica mexicana anima Gandini: “Os carros vindos de lá ficam livres do imposto de importação, mas ainda pagam os 30 pontos extras de IPI”, diz o executivo. “E como a unidade começou a produzir recentemente, o custo do investimento ainda não foi amortizado e por isso os carros que vierem para cá neste momento não deverão custar menos.” O preço atual do sedã no Brasil é de R$ 72.990. De lá também virá o Rio, mas só em 2017, provavelmente no primeiro ou segundo bimestre.

PRODUÇÃO DO BONGO SERÁ RETOMADA

Outro problema enfrentado pela Kia é a queda no mercado de caminhões. O modelo Bongo teve apenas 521 mil unidades emplacadas de janeiro a maio, 57,3% a menos que nos mesmos meses de 2015.

A produção do modelo vendido no Brasil ocorria na empresa uruguaia Nordex e foi interrompida no início do ano. “Ela será retomada no fim de agosto ou início de setembro”, diz Gandini. Segundo ele, a rede Kia tem estoque atual de 350 a 400 unidades do pequeno caminhão.

Sobre os modelos chineses da Geely, cuja produção também ocorria no Uruguai, o executivo repete apenas que a operação é inviável neste momento pelo baixo volume de vendas no Brasil e pela desvalorização cambial.



Tags: Kia, José Luiz Gandini, Cerato, Rio, Nordex, Geely.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência