Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Hyundai e Toyota sobem no 1º semestre

Mercado | 05/07/2016 | 20h56

Hyundai e Toyota sobem no 1º semestre

Fiat, VW e Ford são as que mais perdem posições no ranking de marcas

PEDRO KUTNEY, AB

Em um primeiro semestre no qual quase todas as fabricantes de veículos amargaram quedas nas vendas, Hyundai e Toyota foram as duas que mais ganharam participação no mercado brasileiro, subindo para a quarta e quinta posições, respectivamente, do ranking nacional das marcas mais vendidas no País. Na mão contrária, Fiat, Volkswagen e Ford, nesta ordem, foram as que mais perderam market share nos seis primeiros meses de 2016, entregando aos concorrentes o total de quase oito pontos porcentuais. Destaque também para a Jeep, única que registrou crescimento nos emplacamentos no período.

Mesmo com relevante queda nos emplacamentos de 22,8% no primeiro semestre – um pouco menor do que o tombo médio geral de 25,1% entre os fabricantes de veículos leves –, a General Motors conseguiu se sustentar na liderança com participação de 16,5% e leve ganho de quase meio ponto porcentual de um ano para outro. As vendas do Chevrolet Onix, que há pouco mais de um ano ascendeu à posição de carro mais vendido do País, asseguram o bom resultado da GM ao lado dos também bem-sucedidos Prisma, Cobalt e S10.

A Fiat conseguiu se segurar na segunda posição do ranking, mas segue entregando generosas porções de mercado. A marca foi a que mais perdeu participação no primeiro semestre, 3,5 pontos, descendo a 15,1%, um dos níveis mais baixos já registrados em décadas. As vendas caíram 39,3% no período, bastante acima da média. Carro mais vendido da Fiat por anos e líder no País em 2014, o Palio carece de renovação urgente e encerrou os primeiros seis meses de 2016 apenas na quinta posição, com menos da metade dos emplacamentos do líder Onix. Para piorar, as vendas do Uno também caíram e o recém-lançado Mobi não emplacou.

A Volkswagen permanece no mesmo terceiro lugar do ranking que ocupa já há mais de dois anos, mas também segue perdendo mercado a passos largos: cedeu 2,2 pontos no primeiro semestre e sua participação baixou para 13,3%, com expressiva queda de 35,6% nas vendas no período. A tímida renovação recente de boa parte da linha não emocionou o consumidor. O Gol, o mais vendido da marca que por mais de duas décadas ocupou a liderança do mercado brasileiro, é agora apenas o quarto mais vendido do País, enquanto Fox e Up! não demonstram força suficiente para compensar a decadência do ex-líder.

Na quarta posição do ranking, uma acima do primeiro semestre de 2015, aparece a Hyundai, grande surpresa do mercado brasileiro dos últimos anos que conseguiu passar Ford e Renault com apenas um carro bem vendido, o HB20, que nos emplacamentos somados de janeiro a junho tornou-se o segundo automóvel mais vendido no Brasil. A marca coreana também foi ajudada pelo bom desempenho da versão sedã HB20S, que figura como 12º mais emplacado no período. A Hyundai foi a marca que mais ganhou participação, 2,2 pontos, subindo a 10%, em terreno que por décadas foi ocupado pela Ford. Mesmo assim as vendas caíram 4,5%, ainda que muito menos que os concorrentes.

Outra surpresa é a Toyota, que de um semestre para outro galgou duas posições no ranking nacional, subindo da sétima para a quinta posição, também com expressivo ganho de participação de 2,1 pontos, para quase 9%. A retração nas vendas foi mínima no período, de apenas 1,5%, o que pode ser considerado uma vitória diante de tombos tão maiores da concorrência. Não é o recém-renovado compacto Etios que faz a diferença, mas o sedã médio Corolla, o sexto carro mais emplacado do País de janeiro a junho, com o dobro dos emplacamentos do Etios. O grande mérito da Toyota é o de ter um bom produto na faixa de mercado de maior poder aquisitivo, menos afetada pela crise.

No sentido inverso a Ford desceu duas posições no ranking e agora figura na sexta posição, com perda de 2,1 pontos porcentuais de participação no semestre, agora em 8,5%, após contração nas vendas de quase 40% na comparação semestral com 2015. Isso apesar de o Ka ter sido o terceiro carro mais vendido do País no período, mas sem outros modelos para ajudar a marca – o segundo Ford mais vendido é a versão sedã Ka+, que aparece só na 23ª posição entre os carros mais emplacados do País este ano.

Sem grandes novidades, a Renault também desceu uma posição no ranking de marcas no semestre, da sexta para a sétima colocação, apesar do ligeiro ganho de participação 0,3 ponto, para 7,3%, que não compensou a queda de 22% nas vendas.

A continuada boa performance do HR-V, oitavo carro mais vendido do País no primeiro semestre, manteve a Honda na oitava posição do ranking, com participação de 6,6%, aumentada em 0,8 ponto. Graças a isso a marca japonesa teve retração de vendas menor que a média, de 14,3%.

A única marca entre as 10 mais vendidas do País que registrou crescimento nas vendas do primeiro semestre foi a Jeep, com salto de 234% construído sobre base de comparação muito fraca. Também houve expressivo ganho de 2,1 ponto de participação, para 2,8%, propiciando escalada de seis posições no ranking, de 15º para nono lugar. Todo o desempenho é devido ao Renegade, lançado há pouco mais de um ano, que inflou os emplacamentos da Jeep no País.

Quem ficou para traz nesse movimento foi a Nissan, que caiu da nona para décima posição do ranking, com declínio nas vendas do semestre de 18,3% e ínfimo ganho de 0,22 ponto de participação, para 2,6%. Ainda que com retração menor do que a média, o fraco desempenho da marca japonesa está diretamente ligado à sua faixa de maior atuação no mercado, com os compactos March e Versa, que mais se retraiu com a crise.



Outra marca que teve leve crescimento de vendas no primeiro semestre do ano foi a Peugeot: os emplacamentos avançaram 1,6% no período e houve ligeiro avanço de 0,36 ponto na participação de mercado, agora em 1,37%. Foi o suficiente para subir à 11ª posição do ranking e ultrapassar a irmã de Grupo PSA, a Citroën, que registrou retração de 20,5%, desceu à 12ª colocação e ficou com market share de 1,33%, praticamente igual ao do mesmo período de 2015.

Já a Mitsubishi perdeu o décimo lugar em que estava há um ano de baixou à 13ª posição, cedendo meio ponto de share, para 1,24%, após grande queda de vendas de 46,7% entre janeiro e junho.



Tags: Ranking, mercado, marcas, Hyundai, Toyota, Fiat, GM, VW, Volkswagen, Ford, Renault, Honda, Jeep, Nissan.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência