Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 06/07/2016 | 19h13

Caminhões estancam queda das vendas

Anfavea aponta indícios de estabilidade nos volumes mensais de emplacamentos

SUELI REIS, AB

O segmento de caminhões parece ter alcançado um nível estável de vendas mensais e estancado as frequentes quedas que vinham sendo registradas mês após mês desde o ano passado. Os licenciamentos realizados em junho totalizaram 4,2 mil unidades, 3% acima do volume de maio, que também ficou na casa dos 4 mil caminhões.

-Veja aqui os dados da Anfavea
-Leia também: Confira os resultados da indústria no 1º semestre


“Estamos percebendo certa estabilidade. Estamos em 4 mil, mas já tivemos 3,8 mil, o que, lamentavelmente, ainda é um nível muito baixo”, comenta Marco Saltini, vice-presidente da Anfavea. Ele acrescenta que este é menor resultado mensal para junho desde 1996. “Este baixo volume ainda é provocado pela fraca economia. Com a queda nos setores de eletroeletrônicos, vestimentas [entre outros], há uma menor necessidade de movimentação, o que compromete o desempenho das fabricantes de caminhões”, ressalta.

No acumulado de janeiro a junho o segmento segue com retração acentuada, de 31,4% com relação aos mesmos meses do ano passado. Foram 25,5 mil unidades licenciadas neste ano contra as 37,2 mil do primeiro semestre de 2015.

Para o executivo, embora as vendas mensais do segmento parecem ter estancado a queda, a expectativa de melhora para o mercado de caminhões depende fundamentalmente da evolução do mercado brasileiro. “Só virá de uma forma definitiva [a recuperação] com o crescimento da economia”, reforça.

Saltini acrescenta que a Anfavea não divulga o total de caminhões estocados pelas associadas, mas defende que as empresas continuarão adequando seus estoques ao nível atual que o mercado demanda. Atualmente, a indústria nacional de caminhões registra ociosidade mínima de 75%, sendo que o mercado automotivo (somando leves e pesados) que acumula capacidade para produzir 5 milhões de veículos está com ociosidade em 50%.

“Não vejo nenhum indício de alteração [desse índice], só se o mercado exportar um pouco mais”, conclui.

A produção do segmento cresceu 4,5% na passagem de maio para junho, com um total de 5,5 mil unidades, enquanto no acumulado do primeiro semestre houve retração de 24,8%, para 31,2 mil caminhões – há um ano este volume foi de 41,6 mil.

ÔNIBUS

Diferente de caminhões, os emplacamentos de ônibus continuaram em queda – de 7,8% - na comparação de junho com maio, para 982 chassis. Em seis meses, os licenciamentos do segmento somam 5,6 mil unidades, 41,2% a menos do que o volume registrado no primeiro semestre de 2015, quando foram vendidas 9,6 mil unidades.

Por outro lado, a produção de chassis cresceu 22,3% em junho sobre maio, para 1,8 unidades, enquanto no acumulado dos seis primeiros meses do ano houve retração de 33,4%, para um total de 9,2 mil ônibus.

“Por causa das proximidades com as eleições municipais, já estamos no período em que as cidades não podem mais comprar. De fato, o volume de vendas de ônibus neste ano não será grande. Efetivamente, todas as esferas do poder público estão sentindo o efeito da menor arrecadação e este mercado também vai sofrer este ano em função disso.”



Tags: Caminhões, vendas, estabilidade, mercado, ônibus, Antonio Saltini.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência