Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Venda de usados cresce 2,4% em junho

Mercado | 08/07/2016 | 16h32

Venda de usados cresce 2,4% em junho

Por outro lado, no acumulado há queda de 3,8% sobre o 1º semestre de 2015

REDAÇÃO AB

As vendas de veículos usados e seminovos voltaram a crescer em junho pelo segundo mês consecutivo em comparativos mensais. De acordo com dados divulgados pela Fenabrave, federação das associações de concessionárias, houve incremento de 2,4% na passagem de maio para junho, com um total de 864,2 mil unidades negociadas, entre leves e pesados. Apesar disso, este total ainda representa queda de 3,9% sobre junho do ano passado, quando pouco mais de 888 mil veículos trocaram de donos.



- Veja aqui os dados de usados da Fenabrave.
- Leia também Emplacamentos caem 25% no 1º semestre


O setor de usados apresentou numa sequência de quedas mensais desde janeiro. Exceto em março, todos os demais meses tiveram vendas menores que o imediatamente anterior, cenário que parece ter sido revertido a partir de maio, quando houve crescimento de 6,8% na comparação com abril.

Para o presidente da Fenauto, Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores, Ilídio dos Santos, embora o mercado tenha se mantido estável nos últimos dois meses, ainda é inconclusiva qualquer previsão das vendas para os próximos meses.

Embora os números mostrem oscilações entre resultados positivos e negativos mês a mês para o setor de usados, seu desempenho continua muito melhor do que o observado no segmento zero-quilômetro. Os números da Fenabrave mostram que, no geral, considerando leves e usados, para cada veículo novo vendido em junho, foram vendidos cinco usados. Há dois anos, em 2014, este índice era de três usados para cada unidade nova emplacada.

SEGMENTOS

Todos os segmentos cresceram no registro de junho contra maio. Leves, que inclui automóveis e comerciais leves, apresentou alta de 2,3% no comparativo mensal, para um total de 831,6 mil unidades transferidas. No acumulado de seis meses, com 4,61 milhões de negócios, o segmento segue com queda de 4% quando comparado igual período do ano passado.

O total de automóveis que trocaram de mãos subiu 2,3% no comparativo mensal, para 714,6 mil unidades, apesar da queda de 3% sobre junho de 2015. No primeiro semestre a Fenabrave também acusa vendas 4,4% menores: foram 3,98 milhões contra as 4,16 milhões de unidades registradas na primeira metade do ano passado.

Comerciais leves seguem o mesmo movimento, com alta de 2,5% em junho sobre maio e retração de 1,4% contra junho do ano passado, sendo este o mesmo índice de queda para o comparativo anual do acumulado dos seis primeiros meses.

Ao somar os pesados caminhões e ônibus usados vendidos em junho, o volume chega a 32,6 mil unidades, resultado 3,7% maior que o de maio. Também houve crescimento de 0,23% na comparação com junho do ano passado, embora no acumulado o segmento ainda registre índice negativo – mas leve – de 0,51% ao totalizar 175,8 mil unidades entre janeiro e junho.

Caminhões usados tiveram alta de 2,6% em junho, para pouco mais de 29 mil unidades negociadas no mês, volume apenas 0,08% abaixo do registrado em junho de 2015. Em seis meses, foram vendidas 156,9 mil unidades, resultado estável, mas 0,04% positivo sobre as 156,8 mil negociadas na primeira metade do ano passado.

Já os ônibus usados tiveram bom desempenho no comparativo mensal: ao encerrar junho com 3,5 mil unidades vendidas, houve alta sobre maio, de 14%, e sobre junho do ano passado, de 2,8%. No acumulado dos seis meses, ainda há queda de 4,8%.



Tags: Usados, vendas, Fenabrave, Fenauto, Ilídio dos Santos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência