Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Trabalho | 04/08/2016 | 20h09

Mercedes-Benz quer demitir 1,87 mil

Funcionários receberam comunicado sobre cortes na terça-feira

PEDRO KUTNEY, AB

Na última terça-feira, 2, os 9,8 mil funcionários da Mercedes-Benz receberam um comunicado da empresa informando que 1,87 mil deles serão demitidos e não vão mais integrar o contingente da fábrica de São Bernardo do Campo (SP), que completou 60 anos de atividades no País. A empresa alega ter feito a comunicação a todos os colaboradores seguindo sua "política de transparência". As demissões devem começar em setembro, quando termina o período de estabilidade estabelecido pelo PPE, Programa de Proteção ao Emprego, que foi adotado pela montadora no ano passado por nove meses com redução de jornada e salários, e encerrado em maio com mais três meses obrigatórios sem cortes. O número de possíveis demitidos é o que restou do excedente anunciado pela Mercedes, de 2,5 mil metalúrgicos, depois de encerrado o Programa de Demissão Voluntária (PDV) aberto em 1º de junho, que teve 630 adesões.

Ato contínuo ao comunicado da Mercedes, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC realizou assembleia com os trabalhadores da planta na manhã da quinta-feira, 4, que determinou a paralisação das atividades por um dia, em reação à intenção da montadora. “Procuramos representantes da Mercedes logo após tomarmos conhecimento do comunicado e tentamos apresentar medidas alternativas, mas a empresa se mostrou irredutível. Sabemos que há queda na produção, mas acreditamos que existem outras formas de atravessar este período, como a renovação do PPE, layoff, ou outros instrumentos que preservem empregos”, afirmou em nota distribuída à imprensa Aroaldo Oliveira, vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e trabalhador na Mercedes.

Há mais de dois anos o presidente da Mercedes-Benz do Brasil, Phillip Schiemer, vem afirmando que a fábrica de São Bernardo tem excedente acima de 2 mil de funcionários, mas nunca conseguiu reduzir o contingente ocioso. Alegando que já usou todos os instrumentos possíveis que existiam para evitar as demissões, desta vez a empresa parece determinada a fazer os cortes. Em maio passado, a Daimler Trucks reduziu suas projeções de mercado na América do Sul e informou que já havia feito provisões em seu balanço de € 100 milhões para custear os desligamentos (leia aqui).

ALTERNATIVAS ESGOTADAS

A direção da Mercedes-Benz alega que a deterioração do ambiente econômico e político no País provocou três anos seguidos de quedas drásticas nas vendas de veículos comerciais, aumentando a ociosidade da planta do ABC e o excedente de pessoal em mais de 2,5 mil funcionários, em nível que não pode mais ser contido com as medidas de flexibilidade e gestão que vêm sendo adotadas desde 2014, como o PPE, layoff e PDV. A empresa lembra ainda que tem cerca de 1,4 mil colaboradores em licença remunerada desde fevereiro deste ano, e que ainda assim a unidade continua operando, em média, um dia a menos por semana, com a concessão de folga para os demais funcionários das áreas produtivas. “Neste momento, diante de um cenário que tem se agravado cada vez mais, não temos outra alternativa a não ser a redução do quadro de pessoal desta fábrica”, justificou a Mercedes em comunicado.

Apesar de todas as alegações de que desta vez não há mais saída, a Mercedes-Benz afirma que continua em negociação com representantes dos trabalhadores para discutir o tema. Oliveira diz que o Sindicato dos Metalúrgicos defende como possibilidade a utilização de alguns elementos similares aos do acordo aprovado esta semana que poderá evitar a demissão de 3,6 mil empregados da Volkswagen em São Bernardo (leia aqui). “A fábrica, no entanto, não aceita discutir essas alternativas, pois alega estar carregando o excedente de mão de obra há muito tempo”, afirma o dirigente.

Os trabalhadores da Mercedes deverão retornar ao trabalho na sexta-feira, 5, mas segundo Oliveira o processo de mobilização continuará até que a empresa aceite iniciar negociação com o Sindicato na busca de alternativas que preservem o emprego. “Não podemos aceitar essa decisão. Os trabalhadores aprovaram hoje a disposição de lutar contra essa decisão. Vamos insistir na busca de soluções e nos manter mobilizados”, afirmou.



Tags: Mercedes-Benz, demissões, cortes, caminhões, São Bernardo do Campo, Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

Comentários

  • walmyr

    Mercedez virou casa de caridade...assim nao da neh......

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência