Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Tecnologia | 08/08/2016 | 12h14

Carro autônomo precisa de direção legal para avançar

Fabricantes terão de assumir responsabilidade em caso de acidentes

FERNANDO CALMON, PARA AB

O primeiro passo para criar um mercado, mesmo incipiente, de carros autônomos foi dado recentemente pela Administração Nacional de Segurança de Tráfego Rodoviário (NHTSA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos. A agência do governo americano admitiu que o próprio veículo possa ser o “motorista” e não apenas um ser dotado de braços, pernas e cérebro, em resposta à consulta do Google, um dos interessados em conhecer o pensamento oficial a respeito.

Entretanto, há necessidade de se modificar o código de trânsito e isso, decerto, vai demorar. Entre outras questões está quem responsabilizar em caso de acidente: o dono do carro ou o fabricante. Algo delicado, inclusive para o Google, cujo carro de testes, em fevereiro último na Califórnia, raspou a lateral de um ônibus a 5 km/h e ninguém se feriu. Tratou-se da primeira colisão com “culpa” do sistema autônomo. Outros 17 acidentes aconteceram desde 2009, em 3,4 milhões de quilômetros rodados, quando outros veículos abalroaram o modelo de teste por não captarem as manobras de segurança do automóvel do gigante da informática.

Com o avanço da conectividade entre carros e vias não há dúvidas de que os acidentes cairão drasticamente, embora sem certeza de que todas as combinações possíveis de situações de risco estejam contempladas. Talvez seja necessário introduzir a chamada inteligência artificial, algo que ainda divide a opinião de cientistas em amplos debates.

Mais próximo da realidade estão os ADAS (sigla em inglês para sistemas avançados de assistência ao motorista). Eles já permitem condução semiautônoma no tráfego de cidades e estradas, apesar de obrigar pelo menos uma mão no volante a intervalos regulares para que o sistema interprete a presença do motorista.

Um dos maiores especialistas mundiais no assunto é Lothar Groesch, que trabalha há mais de 40 anos em engenharia de segurança para indústrias, governos e como professor universitário. “As pessoas estão mais interessadas em aproveitar o tempo de direção para interagir por diversas mídias. Se precisar supervisionar o carro há certa frustração. O único meio de resolver o dilema é aperfeiçoar ao máximo a confiabilidade e a robustez dos ADAS, pois os sistemas ainda não podem lidar com uma plêiade de situações perigosas. Os fabricantes terão de se responsabilizar por acidentes no modo autônomo ou aceitar as sanções legislativas decorrentes. Se não, o sonho do trânsito livre de acidentes pode se tornar um pesadelo”, alerta Groesch.

Tudo indica que a direção totalmente autônoma ainda vai demorar. Também parece arriscado a convivência com veículos convencionais em vias comuns. Mais factíveis são ambientes segregados – avenidas expressas e estradas – em que toda a infraestrutura é projetada para integrar meios de transporte autônomos.

Em algum momento haverá definições. O processo está sendo acelerado por empresas como Uber, que já testa um Ford Fusion autônomo, e a concorrente Lyft, que recebeu injeção de capital por parte da GM. Para o Google ficou a alternativa recente com a FCA, sem efeito vinculante entre os dois grupos. Outros conglomerados automobilísticos partem para soluções próprias. Permanece ainda o mistério sobre os próximos passos da Apple.



Tags: Carro autônomo, tecnologia, legislação.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência