Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Na crise, Volvo dribla perdas no Brasil

Negócios | 06/09/2016 | 00h04

Na crise, Volvo dribla perdas no Brasil

CEO do grupo conta como evita prejuízos e diz que quer exportar mais

GIOVANNA RIATO, AB | De Estocolmo, Suécia

O mercado de caminhões encolheu 70% no Brasil nos últimos três anos, segundo os cálculos da Anfavea. O tombo desestabilizou projetos das montadoras no País, mas não foi capaz de levar a Volvo ao prejuízo na América Latina. Quem conta é o CEO global da companhia, Martin Lundstedt, durante entrevista na sede da companhia em Estocolmo, na Suécia. “Fizemos um ótimo trabalho diante da queda do mercado e estamos com a lucratividade próxima de zero este ano, sem prejuízo. Em 2015 também não perdemos dinheiro”, garante, com orgulho.

Ele ocupa o mais alto cargo de liderança da companhia há um ano, posição que assumiu com a missão de melhorar a rentabilidade. Na bagagem, Lundstedt trouxe a experiência de duas décadas na Scania, incluindo três anos na presidência da companhia e passagem pela operação brasileira nos anos 1990. Segundo ele, o mérito pelo resultado ainda positivo na América Latina está relacionado com a linha de produtos globalizada e com a independência da operação local, centralizada em Curitiba (PR) para caminhões e ônibus e em Pederneiras (SP) para máquinas de construção.

“São plantas completas, com capacidade tecnológica tão avançada quanto no resto do mundo. No Paraná fazemos ainda motores e transmissões”, diz. O executivo aponta que a região tem forte independência, com grande entendimento sobre o cliente local e autonomia para tomar decisões. “Não falamos de Gotemburgo o que eles devem fazer. Eles sabem o que é necessário para desenvolver a empresa no mercado latino-americano”, aponta, enumerando o mérito no trabalho com vendas, serviços, produção e pesquisa e desenvolvimento, já que Curitiba abriga um dos oito centros tecnológicos da companhia no mundo. A unidade recebeu uma série de investimentos recentes: US$ 500 milhões anunciados em 2013 somados a outro pacote de US$ 320 milhões em 2014.

Lundstedt estima que, depois de absorver 40 mil caminhões pesados em 2015, a demanda do continente caia para 30 mil este ano. A participação de mercado da companhia se manteve estável em 20% nos segmentos de semipesados e pesados na região, segundo o executivo. “É claro que, com a estrutura que temos hoje, é importante que aconteça alguma recuperação. Mas estamos no caminho certo”, observa. O CEO diz que já percebe os primeiros sinais de melhora da confiança local, mas reforça que é essencial garantir previsibilidade para os próximos anos, batendo na mesma tecla que outras fabricantes de veículos pesados insistem no Brasil. “É uma economia muito grande. Precisa de continuidade, infraestrutura e investimento.”

EXPORTAÇÕES PARA GARANTIR RENTABILIDADE

A importância da América Latina no faturamento do Grupo Volvo, que era de 10%, caiu para 5%. Enquanto isso, os negócios melhoram na Europa e nos Estados Unidos, principal mercado da empresa no mundo. A severa contração do mercado brasileiro chamou a atenção da companhia para a necessidade de melhorar as exportações locais. “Um dos desafios do Brasil é que o país ainda tem uma economia fechada. Com isso, temos ondas maiores de altos e baixos. Não vemos isso em economias mais abertas, como Chile e Peru”, avalia.

O país tem dificuldade de exportar, com câmbio desfavorável até pouco tempo atrás. “Nos últimos anos, 80% da nossa produção no Brasil atendia ao mercado interno. Agora, com a crise, este porcentual baixou para 60%, com 40% para exportação. A minha vontade é de, no longo prazo, manter a mesma proporção mesmo com a melhora do mercado interno”, esclarece.

Segundo ele, há condições para atender a este objetivo, já que a Volvo trabalha globalmente com integração produtiva entre suas fábricas. Assim, além de abastecer mercados da América Latina, a operação nacional poderia atender a demanda da África e até da Ásia, eventualmente. “Isso deixaria a planta de Curitiba menos vulnerável. Por enquanto estamos apoiados em poucos mercados”, aponta.

Segundo ele, exportar é o caminho para recuperar a rentabilidade localmente. “Se você tem rentabilidade e performance, você é mestre do seu destino”, diz, em referência ao poder de desenhar estratégia e decidir projetos localmente. O foco, Lundstedt aponta, não é crescer indiscriminadamente, mas avançar com rentabilidade e consistência. Com isso, a América Latina seria o reforço necessário para o resultado positivo que a companhia espera alcançar globalmente em 2016.

FUTURO AUTÔNOMO E CONECTADO

Ao projetar os próximos anos, o CEO do Grupo Volvo conta que a companhia trabalha com um tripé tecnológico para desenvolver seus novos produtos. O primeiro pilar é a conectividade, que inclui uma série de oportunidades na área de internet das coisas. Em seguida ele cita a eletro-mobilidade, com o esforço para oferecer diferentes combinações de tecnologias de propulsões que vão dos totalmente elétricos aos híbridos. O terceiro ponto de apoio do tripé está na automação. “Estes três aspectos podem ser combinados de diferentes maneiras e vão transformar a indústria e o comportamento do consumidor”, acredita.

Uma das mudanças importantes, ele diz, é que o processo de desenvolvimento deixará de ser centralizado para ser feito com uma rede de parceiros, que inclui empresas de infraestrutura, segurança e companhias de tecnologia, que fazem radares e câmeras, por exemplo. “No futuro nosso negócio não será mais sobre fabricar um caminhão ou ônibus, mas sobre integrar um sistema. As soluções não serão iguais e teremos de desenvolver cada uma delas com o cliente, no lugar de desenvolver sozinhos e depois vender a solução pronta”, diz.

Ele dá o exemplo do caminhão autônomo que roda na operação da mineradora Boliden, com projeto implementado em parceria com este cliente (leia aqui). “Claro que temos que testar mais, mas sinto que a tecnologia é muito segura e estou impressionado com o nível de engenharia que alcançamos. O mercado está interessado e tenho orgulho da posição forte que ocupamos nesta área.”



Tags: Volvo, caminhões, ônibus, Brasil, América Latina, Martin Lundstedt.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência