NOTÍCIAS
15/09/2016 | 13h58

Lançamentos

Fiat investe mais de R$ 1 bi no Uno 2017

Modelo recebeu novos motores de 3 e 4 cilindros fabricados em Betim


MÁRIO CURCIO, AB | De Betim (MG)

Versão Attractive começa em R$ 41.840 e deve responder por 45% das vendas
A Fiat investiu mais de R$ 1 bilhão na linha Uno 2017. O carro recebeu como principal mudança dois novos motores, um 1.0 de três cilindros com até 77 cavalos e um 1.3 de quatro cilindros e até 109 cv. O preço inicial é de R$ 41.840. Esses propulsores consumiram a maior parte do investimento.

Eles são feitos dentro da fábrica de automóveis em Betim (MG), onde a montadora ampliou a seção de motores em 22 mil metros quadrados, instalou 186 novos robôs e aumentou a capacidade produtiva de 650 mil para 800 mil motores por ano.

Essa nova família de motores é chamada Firefly e emprega bloco e cabeçote de alumínio. Tanto o 1.0 como o 1.3 utilizam apenas duas válvulas por cilindro. Segundo a Fiat, essa receita foi a que trouxe o melhor compromisso entre dirigibilidade e consumo. A taxa de compressão adotada para ambos é bem alta, 13,2:1, e certamente ajudou na redução de consumo. Ambos conseguiram letra A em eficiência energética.

Fiat
Firefly 1.0 de 3 cilindros (esq.) produz até 77 cv com etanol e versão 1.3 de 4 cilindros chega a 109 cv. Os dois obtiveram letra A em eficiência energética. Têm comando único no cabeçote, 2 válvulas por cilindro e partida a frio sem tanquinho.

Na cidade o Uno 1.0 faz 13,11 km/l com gasolina e 9,24 km/l com etanol. Na estrada esses números sobem para 15,14 km/l (g) e 10,40 km/l (e). Os resultados do 1.3 são bem parecidos. Em meio urbano ele faz 12,89 km/l com gasolina e 9,17 km/l com etanol.

Em uso rodoviário alcança 14,05 km/l (g) e 10,14 km/l (e). Os motores Firefly recebem um sistema de partida a frio sem tanquinho fornecido pela Magneti Marelli e utilizam recursos que ajudam a baixar o consumo. O eletroventilador e a bomba de combustível do 1.0 e do 1.3 têm funcionamento variável sob demanda. O 1.3 recebe ainda alternador inteligente (que só envia carga à bateria se necessário) e sistema start-stop.

Esses dois motores da família Firefly têm comando único no cabeçote acionado por corrente metálica. A peça é produzida pela BorgWarner em Itatiba (SP, veja aqui) e substitui as correias dentadas de borracha, em regra menos duráveis. Os motores utilizam variador de fase, que altera o sincronismo do comando de válvulas conforme a faixa de rotação para melhorar ora a potência, ora o torque.

Desde a versão de entrada, Attractive 1.0, o Uno 2017 traz de série ar-condicionado, vidros elétricos dianteiros, travamento central das portas e direção agora com assistência elétrica em vez de hidráulica, que inclui um botão no painel com a função City, que reduz em cerca de 50% a força necessária para esterçar o volante em manobras de estacionamento.

Os carros estarão na rede no início de outubro: “Estimamos vender cerca de 3 mil unidades por mês”, afirma o diretor de produto para a América Latina, Carlos Eugênio Dutra. Desse total, 45% serão da versão Attractive.

A Fiat também realizou mudanças na dianteira do Uno e aplicou peças plásticas sob o carro para diminuir o arrasto aerodinâmico. Somente com isso conseguiu redução de 0,9% no consumo de combustível. Pneus verdes fornecidos pela Goodyear (Efficientgrip) e Pirelli (Scorpion) contribuíram para a redução de consumo e emissões em 1,1%. Somadas todas as grandes e pequenas mudanças, o Uno 1.0 Firefly tornou-se 14,4% mais econômico que o anterior.

A troca de motor respondeu por 9,2% dessa melhora. No caso do 1.3 a economia de combustível é de 16,7% ante o carro anterior e o novo motor colaborou com 6,7% dessa economia quando comparado ao antigo, que era 1.4.

Fiat
Sporting 1.3 é a versão mais completa. Tem preço inicial de R$ R$ 49.340 e pode ser equipada com câmbio automatizado Dualogic por R$ 53.690.

A versão topo de linha Sporting recebe como equipamentos de série chave canivete com comando a distância (abertura e fechamento das portas e vidros elétricos), console porta-objetos no teto, detalhes internos vermelhos (maçanetas, quadro de instrumentos e partes do volante), faróis de neblina, ponteira de escape dupla e outros itens.

Entre os opcionais há câmbio automatizado Dualogic, alarme antifurto, apoia-braço central no banco do motorista, cinto de segurança traseiro central retrátil de três pontos, rádio Connect integrado ao painel com entrada USB/AUX, viva-voz Bluetooth e função Audio Streaming, assistente de partida em rampa com controles de estabilidade e de tração e sensor de estacionamento traseiro com visualizador gráfico.

Vale dizer que os propulsores 1.0 e 1.4 Fire antigos continuam sendo fabricados em Betim e equipando outros modelos da Fiat, assim como os E-Torq 1.6 e 1.8 produzidos em Campo Largo (PR). A Fiat ainda faz segredo sobre qual será o próximo modelo a receber a nova família Firefly.

Veja abaixo os preços iniciais das novas versões:

Attractive 1.0 – R$ 41.840;
Way 1.0 – R$ 42.970;
Way 1.3 – R$ 47.640;
Way 1.3 Dualogic – R$ 51.990;
Sporting 1.3 – R$ 49.340;
Sporting 1.3 Dualogic – R$ 53.690.

Assista ao vídeo do Fiat Uno 2017:


Comentários: 2
 

Gian
19/09/2016 | 08h22
Estão compensando o "investimento" pelo preço do pequenino ??? Partir de R$40K para o dito "popular" se tornou corriqueiro para as montadoras e para os consumidores "ingênuos" que compram esses carros !!! Com esse preço esperava que os consumidores dessem valor ao seu dinheiro e deixassem os pequeninos de ouro mofando nas concessionárias !!!!

Cezar Alberto Fromholz
24/11/2016 | 07h50
Todos reclamam que nossos carros são os mais caros do mundo e mesmo assim compram, o fabricante joga o preço la em cima se reclamararem tudo bem se não ...vamos vender pelo preço que nós quisermos .. Acorda Brasil chega de comprar os carros mais caros do mundo ....

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 22/11/2017
Frota brasileira de 42 milhões exige controle apropriado

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças