NOTÍCIAS
27/09/2016 | 19h53

Lançamentos

Jeep apresenta Compass nacional e mais tecnológico

Segundo modelo da marca fabricado em Pernambuco chega a partir de R$ 99.990


GIOVANNA RIATO, AB | De Goiana (PE)

Texto atualizado no dia 28/09 às 13h50

Começou a sair das linhas de montagem da cidade pernambucana de Goiana o Jeep Compass, modelo que promete ser mais um dos pilares para que a marca se estabeleça como a principal fabricante global de SUVs. O lançamento mundial aconteceu no Brasil e deve ser seguido pela apresentação nos Estados Unidos nos próximos meses. O carro chega ao mercado em novembro em configurações com motor diesel 2.0, de 170 cv, que partem de R$ 132.990, e em opções 2.0 flex de 166 cv com preço mais baixo, a partir de R$ 99.990.


As versões bicombustível vão disputar espaço no mercado nacional com modelos como Honda CR-V, Hyundai iX35, Mitsubishi ASX e Kia Sportage. Já na faixa de preço da opção a diesel o alvo está nos SUVs das marcas alemãs, como Mercedes-Benz GLA, Audi Q3 e BMW X1. O plano da FCA, Fiat Chrysler Automobiles, controladora da Jeep, é alcançar a marca de 2 mil emplacamentos mensais, número ambicioso, superior ao dos concorrentes. Deste total, 70% devem ser das versões com motor flex. Para chegar a este volume, a aposta é rechear o modelo de tecnologias como controle de velocidade de cruzeiro, alerta de colisão e monitoramento de mudança de faixa de rodagem. O modelo também se destaca por oferecer tração 4x4 nas versões diesel.

O novo Compass trouxe evolução em relação à geração anterior com o combo que inclui desenho mais atual, conforto e dirigibilidade. Como já acontece com a Fiat Toro e com o Renegade, as melhores opções ainda são as equipadas com o motor diesel, que inclusive é o mesmo que o da picape e o do SUV compacto. O propulsor é oferecido com a transmissão automática ZF de nove velocidades e eficiente tração 4x4. Já as versões flex contam com câmbio automático de seis marchas e tração 4x2.

Mesmo com versões de preço mais baixo, mais próximo ao do Renegade, o modelo só passa a entregar tecnologia de verdade nas configurações mais incrementadas. De série a opção mais básica, Sport flex, oferece sistema multimídia com tela sensível ao toque, navegador GPS, câmera de ré, ar-condicionado, assistente de partida em rampas e controle de velocidade de cruzeiro, entre outros itens. A partir da configuração intermediária, a Longitude, entram na lista de equipamentos como ar-condicionado de duas zonas e destravamento e partida sem precisar tirar a chave do bolso.

A partir da configuração Limited o Compass já traz airbags laterais, de cortina e para joelho, sistema que detecta ponto cego, sensor de chuva, quadro de instrumentos digital, alerta para prevenir colisão frontal com frenagem automática e sistema de assistência ao estacionamento.



CARRO PERNAMBUCANO TIPO EXPORTAÇÃO

Com o Compass a FCA pretende explorar melhor o promissor segmento de SUVs. “Um em cada quatro carros vendidos no mundo já é deste segmento”, observa Sergio Ferreira, diretor comercial da companhia. Segundo ele, o Brasil não repete esta proporção, com parcela de apenas 12% das vendas totais concentradas na categoria. O executivo destaca que este e outros dados sinalizam forte potencial de crescimento nos próximos anos.

Outro indicador importante para a marca está nos bons resultados de vendas do Renegade, lançado no Brasil no primeiro semestre do ano passado. A expectativa é de que, até o fim do ano, a produção do modelo alcance a marca de 100 mil unidades, volume que atende mercado interno e exportações.

O Compass encerra a primeira etapa do plano de produto do Polo Automotivo da Jeep em Goiana. Em abril do ano passado o complexo desbravou a região como primeiro empreendimento industrial a se instalar ali (leia aqui). A planta, que já tem 3,2 mil funcionários, vai contratar mais 500 pessoas para dar conta da produção do novo modelo. A operação começou com o Renegade, evoluiu em 2016 com a picape Fiat Toro, construída sobre a mesma arquitetura modular, que serve de base agora para o Compass. “Saímos do zero e lançamos três produtos em um ano e meio”, destaca Stefan Ketter, presidente da companhia para a América Latina. Com a conclusão do projeto, a empresa colocou à prova a flexibilidade da nova fábrica, que parece ter passado no teste ao produzir em uma mesma linha de montagem os três modelos em todas as suas configurações.

A promessa é de que o Compass atenda não só ao mercado interno, mas seja exportado, com potencial para abastecer os vizinhos da América Latina inicialmente e até mesmo países da África e do Oriente Médio no futuro. Globalmente a nova geração do SUV é um dos pilares da estratégia de internacionalização e expansão da Jeep. Segundo a companhia, nos últimos sete anos o volume de vendas da marca ficou cinco vezes maior, com expectativa de alcançar a marca de 1,5 milhão de unidades até o fim de 2016.

As metas de vendas no Brasil serão apoiadas na rede de concessionárias da Jeep, que já somam 191 lojas. O número, aparentemente, é o ponto de equilíbrio para a marca, que não planeja outras expansões. “Saímos de 45 revendas em 2014 e chegamos a esta cobertura. A partir de agora serão só ajustes, como eventualmente deslocar uma concessionária para alguma região que estiver descoberta, ou aberturas pontuais”, conta Alexandre Clemes, gerente de produto da Jeep.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 15/11/2017
Mudança na mobilidade domina discussões do Congresso SAE Brasil

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro