Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Volkswagen puxou vendas de veículos para baixo

Mercado | 05/10/2016 | 18h27

Volkswagen puxou vendas de veículos para baixo

Quebra na produção da montadora impactou resultado de vendas

GIOVANNA RIATO, AB

A parada na produção das fábricas brasileiras da Volkswagen respingou no mercado brasileiro de veículos. Dados do Renavam divulgados pela Fenabrave na quarta-feira, 5, indicam que setembro terminou com baixa de 12,1% nas vendas na comparação com agosto, para 159,9 mil automóveis comerciais leves, caminhões e ônibus. A falta de veículos nas concessionárias da montadora estaria entre os principais fatores para mais uma contração.

-Veja aqui os dados da Fenabrave

Com o problema, setembro ficou entre os meses de menor volume de vendas de 2016, atrás apenas de janeiro e fevereiro, que são tradicionalmente fracos. O resultado foi ainda 21,3% menor do que o registrado em setembro de 2015. “O principal fator crítico para o mercado hoje é esta questão da falta de peças, que pode atrapalhar a produção de algumas montadoras”, avalia Alarico Assumpção Jr., presidente da Fenabrave. No acumulado dos nove meses do ano, os emplacamentos somaram 1,5 milhão de unidades, com queda de 22,8% na comparação com intervalo equivalente do ano anterior.

As fábricas da Volkswagen interromperam as atividades por mais de um mês por falta de componentes feitos por empresas do Grupo Prevent. A montadora voltou a produzir no dia 16 de setembro em ritmo acelerado para repor os estoques na rede, mas o impacto da parada no já enfraquecido mercado nacional motivou a Fenabrave a revisar as expectativas para este ano (leia aqui). O tombo até dezembro deve chegar a 19,8%, com o emplacamento de 2,06 milhões de veículos.

A falta de carros da marca alemã impactou a média diária de vendas de setembro, que ficou em apenas 7,6 mil emplacamentos/dia. O volume é 4,7% inferior ao de agosto. Para agravar a situação, o mês passado teve ainda dois dias úteis a menos, com apenas 21 de licenciamentos. “A mudança política também não refletiu no mercado da forma como esperávamos”, admite Assumpção Jr., na tentativa de explicar mais um resultado negativo que contraria a previsão de melhora das vendas nos últimos meses do ano.

Segundo o executivo, o desemprego ainda elevado e a dificuldade para obter crédito estão entre outros fatores que puxam a demanda para baixo. Ele calcula que, a cada 10 pedidos de financiamento, apenas três fichas são aprovadas.

MAIOR PARTICIPAÇÃO DAS VENDAS DIRETAS

As vendas de veículos feitas diretamente pelas montadoras a frotistas ganharam importância com a queda do mercado. Esta demanda respondia por cerca de 20% dos negócios nos tempos de volume superior a 3 milhões de unidades por ano. Agora a participação aumentou para 33% no acumulado de 2016. “O volume não subiu, mas como o varejo caiu, o peso destes emplacamentos ficou maior”, esclarece Assumpção Jr.

Para proteger a rede de distribuição da concorrência com estes frotistas, que atuam também nas vendas de carros seminovos, a Fenabrave firmou acordo com a Anfavea que determina que estas empresas só podem oferecer veículos no mercado 12 meses após a compra (leia aqui). “É uma autorregulação, algo importante para setor”, aponta o presidente da Fenabrave. Segundo ele, as vendas de veículos usados respondem, em média, por 15% do faturamento das concessionárias. Fatia de 25% das receitas vem dos serviços no pós-venda e os 60% restantes são obtidos nos negócios com carros zero-quilômetro.

Com a crise que afeta o setor automotivo, estes porcentuais ficaram desequilibrados, o que causou o fechamento de 1,7 mil revendas no País entre janeiro de 2015 e março deste ano. Outras 470 casas foram abertas neste período, de marcas que estão ampliando atuação, como Jeep e Audi. Ainda assim, o saldo foi de 1,2 mil lojas que encerraram as atividades, o que fez a rede de distribuição nacional encolher para 7 mil concessionárias. O impacto da redução foi devastador para os empregos no setor: 124 mil vagas foram cortadas nas revendas, que passaram a contar com 380 mil colaboradores, número três vezes superior ao das montadoras.

Assista à entrevista exclusiva com Alarico Assumpção Jr., presidente da Fenabrave:



Tags: Fenabrave, Volkswagen, mercado, veículos, concessionárias.

Comentários

  • fernando

    Será que alguém acredita nesse argumento? Falta de veículos para vender?? Creio que seja falta de compradores! Basta ver os estoques de veículos! Parece até propaganda petista!

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência